A TRADUÇÃO DAS FORMAS DE TRATAMENTO DO ESPANHOL PARA O PORTUGUÊS BRASILEIRO E A QUESTÃO DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA

  • Livya Lea de Oliveira Pereira; Valdecy de Oliveira Pontes

Resumo

Em uma interação verbal, o uso de um simples pronome de tratamento pode expressar a origem geográfica de um falante, a sua classe social, o grau de intimidade entre os interlocutores, as relações de poder e solidariedade etc. Neste contexto, levando em consideração a variação linguística nos sistemas de tratamento pronominais para 2ª pessoa da Língua Espanhola e da Língua Portuguesa,  objetivamos discorrer sobre a tradução das formas de tratamento entre estas línguas tão próximas em sua origem e ricas em heterogeneidade. Para tanto, primeiramente, discorremos sobre a aproximação entre os Estudos da Tradução e a Variação Linguística (MAYORAL, 1998; BOLAÑOS-CUÉLLAR, 2000; BORTONI-RICARDO, 2005; TRAVAGLIA, 2013). Logo, pontuamos pesquisas sobre a variação linguística nas formas de tratamento do Espanhol (CARRICABURO, 1998; FONTANELLA DE WEINBERG, 1999, CALDERÓN CAMPOS, 2010) e do Português Brasileiro (MENON, 1995, 2000; RAMOS, 2011; SCHERRE et al., 2015). Para então, discutir sobre as opções tradutórias das formas de tratamento entre as línguas supracitadas, com base nos estudos de Cintrão (2002), Masello (2011) e Ugartemendía (2015), além de estudos contrastivos. Assim, concluímos que traduzir mecanicamente o sistema de tratamento pronominal de 2º pessoa de uma língua para outra, desconsiderando a variação linguística, o contexto da tradução e seus receptores,pode gerar problemas de compreensão e/ou comunicação. Dessa forma, não basta escolher uma determinada variedade da língua para a tradução, deve-se considerar os seus usos e analisar o contexto linguístico e comunicativo, expressando adequadamente as relações de poder e solidariedade.

 

Palavras-chave: Tradução; Formas de Tratamento; Variação Linguística; Língua Espanhola; Língua Portuguesa.

Referências

Referências

BOLAÑOS-CUÉLLAR, S. Aproximación Sociolingüística a la Traducción. Forma y Función, nº 13. p. 157-192, 2000. Disponível em: <http://goo.gl/rXX1rz>Acesso em: 20 mai. 2014.

BORTONI-RICARDO, S.M. Por que a tradutologia precisa da sociolinguística? In: ______. Nós cheguemu na escola, e agora? Sociolinguística e educação. São Paulo: Parábola, 2005. p. 103-126.

CALDERÓN CAMPOS, M. Formas de tratamiento. IN: ALEZA IZQUIERDO, M.; ENGUITA UTRILLA, J. M. (Coord.), La lengua española en américa: Normas y usos actuales. Universidad de Valencia, Valencia: 2010. p. 225-236.

CAMACHO, R. G. Formas de Tratamento numa história em quadrinhos. UFES. Revista (Con)Textos Linguísticos. Vol.9, nº13. 2015. Disponível em: <http://goo.gl/yZYwoZ> Acesso em: 18 dez. 2015.

CAMPOS, S. N.; RODRIGUES-MOURA, E. Formal o Informal? He ahí la cuestión... las formas de tratamiento en las clases de E/LE para alumnos brasileños. ASELE, Actas IX, 1998. Disponível em: <http://goo.gl/PVVz1N> Acesso em: 20 mai. 2015.

CARRICABURO, N. Las fórmulas de tratamiento en el español actual. Madrid: Arco Libros, S.A., 1997. (Cuadernos de Lengua Española)

CASTILHO, A. T. Nova Gramática do Português Brasileiro. 3º reimpressão – São Paulo: Contexto, 2014.

CONTRERAS, M. Las trampas que puede ofrecer la proximidad de idiomas – La interlengua que ofrecida como insumo en las clases de lengua española como LE. 1998. 147 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, 1998.

CINTRÃO, H.P. Traduzindo formas de tratamento do espanhol peninsular ao português de São Paulo: uma visão semiótica e ideológica. An. 2, Congresso Brasileiro Hispanistas, Oct. 2002. Disponível em: <http://goo.gl/w46RfH> Acesso em: 10 mai.2015.

COUTO, L.R; KULIKOVSKI, Z.M. El voseo argentino y el voseo chileno: diferencias sociolingüísticas y conversacionales a través de diálogos cinematográficos y textos en internet. In: COUTO, L. R.; SANTOS, C. R. L. (Org.) Las Formas de Tratamiento en Español y en Portugués. Variación, cambio y funciones conversacionales. Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense, 2011. p. 497-531.

ERES FERNÁNDEZ, G.; FLAVIÁN, E. La traducción de textos técnicos español-portugués: interferencias e (ir)responsabilidades. Revista Línguas e Letras/Unioeste, vol. 8, nº 14, p.21-36, 2007.

FANJÚL, A.P. Conhecendo assimetrias: a ocorrência de pronomes pessoais. In: FANJÚL, A.P.; GONZÁLEZ, N.M. Espanhol e português brasileiro: estudos comparados. São Paulo: Parábola 2014. p. 29-71.

FARACO, C.A. Norma-padrão brasileira: desembaraçandoalgunsnós. In: BAGNO, M. (Org.). A linguística da norma.São Paulo: Loyola, 2002, p.37-61.

FONTANELLA DE WEINBERG, M. B. Sistemas pronominales de tratamiento usados en el mundo hispánico. In: Bosque, I. /Demonte, V. (Eds.): Gramática Descriptiva de la lengua española, 1. Madrid: RAE, 1999. p. 1399-1425.

GÓMEZ TORREGO, L. Gramática didáctica del español. São Paulo: SM, 2005.

LABOV, W.Where does the Linguistic variable stop? A response to Beatriz Lavandera. Sociolinguistic Working Paper, 44, 1978.

LEFEVERE, A. Translating Literature Practice andTheory in a Comparative Literature Context. Nova York: MLA, 1992.

LOPES, C. R. S. Retratos da variação entre "você" e "tu" no português do Brasil: sincronia e diacronia. In: RONCARATI, C.; ABRAÇADO,J. (Org.). Português Brasileiro II - contato linguístico, heterogeneidade e história. 1 ed. Niterói: EDUFF, 2008, v. 2, p. 55-71.

MASELLO, L. Variedades de la Lengua y Opciones del Traductor Literario: Formas de Tratamiento en portugués y en español. In: COUTO, L. R.; SANTOS, C. R. L. (Org.) Las Formas de Tratamiento en Español y en Portugués. Variación, cambio y funciones conversacionales. Niteroi: Editora da Universidade Federal Fluminense, 2011. p. 473-495.

MAYORAL, R. La traducción de la variación lingüística. Tese (Doutorado em Estudos da Tradução) – Universidade de Granada, Granada, 1998.

MENÉNDEZ PIDAL, R. Manual de gramática histórica espanhola. Madrid: Espasa-Calpe, 1985.

MENON, O. P. S. O sistema pronominal do português do Brasil. Curitiba. Editora da UFPR, nº 44, p. 91-106. 1995. Disponível em: <http://goo.gl/gWxl10>Acessoem: 10 mai. 2015.

MOSER, K. Deixis personal en Costa Rica (San José) y Argentina (Córdoba) ustedeo versus voseo: ¿dos soluciones diferentes para el mismo sistema? In: COUTO, L. R.; SANTOS, C. R. L. (Org.) Las Formas de Tratamiento en Español y en Portugués. Variación, cambio y funciones conversacionales. Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense, 2011. p. 437-454.

RAMÍREZ, M.V. El español de América II. Morfosintaxis y Léxico. Madrid: Arco Libros, S.L., 2011.

RAMOS, J.M. Tratamento na díade pai e filho: o uso de você e senhor. In: COUTO, L. R.; SANTOS, C. R. L. (Org.) Las Formas de Tratamiento en Español y en Portugués. Variación, cambio y funciones conversacionales. Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense, 2011. p. 289-299.

RIGATUSO, E.M. “Señora (...) No tenés más chico?” Un aspecto de la pragmática de las fórmulas de tratamiento en español bonaerense. Revista Argentina de Lingüística, nº 16, p.293-344. 2000.

SCHERRE, M.M.P, et al. Variação dos pronomes Tu e você. In: MARTINS, M.A; ABRAÇADO, J. (Org.) Mapeamento sociolinguístico do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2015. p.133-172.

SNELL-HORNBY, M. Translation Studies. An Integrated Approach. Amsterdam John Benjamins Publishing Company, Philadelphia: 1988/1995.

TRAVAGLIA, N.G. Tradução e retextualização: a tradução numa perspectiva textual. 2 ed. Uberlândia: EDUFU, 2013. 308 p.

UGARTEMENDÍA, C, M. Os-vuestro-vosotros-vos. Uso e desuso das variantes ibéricas do espanhol nas traduções latino-americanas dos textos clássicos. Revista Translation. Porto Alegre, nº 9, p. 21-28, Jun. 2015.

Seção
Artigos