[Artigo] notas oblíquas [sob uma coleção de silêncios]

  • Raquel Stolf

Resumo

Texto em filamentos, composto por anotações rarefeitas sob o processo de colecionar, listar, gravar, decompor, escrever/desenhar e ouvir/escutar silêncios. A partir de investigações que envolvem uma escuta crua e porosa e a operação da “phonomnèse” (AUGOYARD; TORGUE, 2006), atividade psíquica que envolve uma escuta interna, silenciosa e/ou ruidosa (a escuta como “ato mental”), transita-se entre o silêncio sonoro e um silêncio acústico. Silêncio enquanto ruído-rumor (cheio, opaco, branco), enquanto flutuação de sentido (deu o branco) e silêncio que transita, salpica, oscila (mar paradoxo e 100 silêncios empilhados). Sobre as localizações do silêncio – onde e aonde ele pode acontecer? No encontro ou desencontro entre a audição, a escuta e o sentido? Entre a escuta crua e a escrita, na arranhadura da “palavra-desvio”? O texto fisga reflexões que dialogam com Jean-Luc Nancy, Gilles Deleuze, Maurice Blanchot, Brandon LaBelle, John Cage, Georges Perec, Jean-François Augoyard e Henry Torgue.

Publicado
2018-06-29