[Artigo] Sereias ou refugiadas: o mal, a beleza e o visível dos desvios de sentido

  • Monica Toledo Silva

Resumo

Este artigo reconfigura o mito das sereias, que desde a Antiguidade provocam e atraem o imaginário acerca do estranho e do monstruoso. Ao fabular seu universo mitológico, aponto a sereia como metáfora da refugiada, mulher de estranha presença que vem do outro lado do mar, sugerindo novas maneiras de se pensar o outro num aparente incessante deslocar-se entre não lugares. A personagem propõe-se também criadora de novas visualidades e sonoridades, tal qual se configura numa cena nômade onde signos e mapas se desfazem para anunciar uma contemporaneidade sem fronteiras epistemológicas e comunicacionais.

Publicado
2018-06-29