Aristófanes e Platão: o poeta na pólis

  • Ana Maria César Pompeu Universidade Federal do Ceará

Resumo

Nossa pesquisa tem como objetivo geral identificar nas comédias de Aristófanes a figura do poeta e sua atuação na cidade como educador do povo, estabelecendo um diálogo entre a crítica platônica à poesia e às desordens da pólis e a instituição do discurso justo pelo poeta cômico nas comédias aristofânicas. Este artigo tratará mais especificamente da relação entre mímesis e Eros nos dois autores. Platão usa Aristófanes no Banquete na qualidade de comediógrafo para tornar claro o caminho para Sócrates, e o poeta, como nas comédias, combina frequentemente o ridículo com o materialismo para a reparadora função de retornar das distorções da vida política para a natureza. Em Tesmoforiantes, nós assistimos a uma verdadeira retirada da máscara do teatro, numa crítica aos fundamentos da representação séria, a trágica, por utilizar atores homens em papéis femininos, ficando o ridículo manifesto pelo travestimento, no palco, do parente de Eurípides em uma velha mulher.

Palvras-chave: Aristófanes; Platão; Mímesis; Eros.

Publicado
2014-07-01
Edição
Seção
Dossiê Filosofia Antiga