De olhos bem abertos: a ideologia da sociedade industrial segundo Adorno

  • Leonardo Masaro

Resumo

Num de seus últimos textos1, Theodor Adorno (ADORNO e HORKHEIMER, [1968], 1973) constata uma transformação do fenômeno da ideologia com o advento da sociedade totalmente administrada, apontando para a obsolescência da conceitu- ação marxiana clássica e, indiretamente, também para a lukácsiana. Segundo ele, a ideologia não se apresenta mais como o véu que recobre a realidade, ocultando a dominação sob justificativas falsamente universais, mas como a própria reali- dade congelada numa imagem fixa, dominação tornada transparente e naturali- zada como “o jeito que as coisas são”. O objetivo deste artigo é expor como Adorno chega a esta nova conceituação do que é a ideologia, fortemente calcada em seus estudos sobre a propaganda e a personalidade fascistas e sobre o sistema da in- dústria cultural, entendidos ambos como os principais esquemas organizadores da cultura de massa e responsáveis por uma nova modalidade de reificação da consciência, na qual o que importa é antes a satisfação libidinal proporcionada pela forma específica de relação dos sujeitos com o material ideológico consu- mido do que o conteúdo nele expresso.

Palavras-chave: Ideologia. Adorno. Sociedade administrada. Cultura de massas.

Biografia do Autor

Leonardo Masaro

Graduado em filosofia pela USP (2006), mestre em sociologia pela UNICAMP (2010) e doutor em filosofia pela USP (2016).

Referências

ADORNO. Crítica cultural y sociedad. Barcelona: Ediciones Ariel, 1970.

______. Gesammelte Schriften Band 9 I, Suhrkamp Verlag, Frankfurt am Main, 1975.

______. Notas de Literatura I. Trad. Jorge de Almeida, Livraria Duas Cidades e Editora 34, São Paulo, 2003.

______. Palavras e sinais: modelos críticos 2. Trad. Maria Helena Ruschel, Vozes, Petrópolis, 1995.

______. Sociologia. Trad. Flávio Kothe, Aldo Onesti, Amélia Cohn, Editora Ática, São Paulo, 1986.

______. E HORKHEIMER, Sociológica II. 2. ed. Trad. Victor Sanchez de Zavala, Taurus Ediciones, Madrid, 1971.

______. Textos Escolhidos. Trad. Luiz João Baraúna e Wolfgang Leo Maar. [s.l.]: Nova Cultura, 1989. (Coleção Os Pensadores).

______. The Culture Industry, Routledge. Londres: Nova Iorque, 2004.

______. The Stars Down to Earth and other essays on the irrational in culture, Routledge. Londres: Nova Iorque, 2001.

______. e EISLER. El cine y la musica. Trad. Fernando Montes, Editorial Fundamentos, Madri, 1981.

ADORNO e HORKHEIMER. Temas básicos da sociologia. São Paulo, Cultrix, 1973. ______. Dialética do Esclarecimento. Trad. Guido de Almeida, Rio de Janeiro, Zahar

Editor, 1985.

APOSTOLIDIS, Paul. Stations of the Cross: Adorno and the Christian Right Radio. Duke University Press, 2000.

FOUCAULT, Vigiar e punir: nascimento da prisão. Trad. de Raquel Ramalhete, Petrópolis, Vozes, 1987.

JAY, Martin. Adorno. Harvard University Press, 1984.

JIMENEZ, Marc. Para ler Adorno. Rio de Janeiro, F. Alves Editora, 1977.

MARX e ENGELS. A ideologia alemã, Editora Hucitec, 1986.

LÚKACS, George. História e consciência de classe. São Paulo, Martins Fontes, 2003.

POLLOCK, State Capitalism: its possibilities and limitations, 1941, In: ARATO e GEBHARDT, The Essential Frankfurt School Reader. Continuum International Publishing Group, 1982, p. 71 a 94.

WIGGERSHAUS, Rolf. A escola de Frankfurt: história, desenvolvimento teórico, significação política. [s.l.]: Editora Difel, 2002.

ZIZEK, Eles não sabem o que fazem: o sublime objeto da ideologia. Rio de Janeiro, Zahar Editor, 1992.

Publicado
2018-04-30
Edição
Seção
Varia