AS COMPETÊNCIAS DOS ADMINISTRADORES: SEU PROCESSO DE FORMAÇÃO E AS EXIGÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO

  • Priscilla de Oliveira Martins-Silva Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
  • Camila Santos Silva Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
  • Annor da Silva Junior Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
Palavras-chave: Competências. Formação educacional. Experiência de vida. Experiência profissional. Mercado de trabalho.

Resumo

Investigou-se o ponto de vista dos administradores inscritos no Conselho Regional de Administração do Espírito Santo (CRA/ES) sobre as competências individuais voltadas para o trabalho e para o exercício profissional. Utilizou-se as quinze competências profissionais identificadas por Sant´anna (2002) e Sant´Anna; Moraes e Kilimnik (2005) como referência. Sobre a competência investigou-se duas perspectivas complementares: o processo de formação de competências e as competências requeridas pelo mercado de trabalho. Realizou-se uma pesquisa do tipo survey interseccional, com dados coletados por meio de questionário. Os resultados indicam que na visão dos respondentes todas as quinze competências individuais investigadas são demandadas em grande escala pelo mercado de trabalho. Em relação ao processo de formação das competências, verifica-se que tanto a formação educacional de nível superior (educação formal) quanto a experiência de vida (educação informal e não formal) contribuem para o desenvolvimento das competências, porém, a experiência de vida contribui de forma mais significativa.

Biografia do Autor

Priscilla de Oliveira Martins-Silva, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
Doutora em psicologia pela UFES. Professora da UFES.
Camila Santos Silva, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
Graduada em administração pela UFES
Annor da Silva Junior, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
Departamento de Ciências Contábeis da Universidade Federal do Espírito Santo

Referências

ALCADIPANI, R.; CALDAS, M. P. Americanizing Brazilian management. Critical Perspectives on International Business, [S.l.], v. 8, n. 1, pp. 37-55, 2012.

ANTONELLO, C. S.; RUAS, R. Formação gerencial: pós-graduação lato sensu e o papel das comunidades de prática. RAC – Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v.9, n. 2, pp. 35-58, 2005.

ARAÚJO, R. M. L. Desenvolvimento de competências profissionais: as incoerências de um discurso. 2001.192 p. Tese (Doutorado em Educação), Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2001.

BABBIE, E. Métodos de pesquisas de survey. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.

BARINI FILHO, U.; CARDOSO, O. de O. A abordagem cognitiva na formação da competência empreendedora: o caso da Odebrecht. Administração em Diálogo, São Paulo, n. 5, pp. 65-76, 2003.

BOAVA, D. L. T.; BOAVA, F. M. F. M; SETTE, R. de S. Meditações funcionalistas: cinco reflexões sobre a administração. Revista Administração em Diálogo, São Paulo, v. 16, n. 1, pp. 82-104, 2014.

BORBA, G.; FAGGION, G; SILVEIRA, T. Praticando o que ensinamos: inovação na oferta do curso de graduação em administração – gestão para inovação e liderança da UNISINOS. Revista Organizações & Sociedade, Salvador, v. 12, n. 35, pp. 165-181, 2005.

BRASIL. Resolução Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior nº 4, de 13 de julho de 2005. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Administração. Diário Oficial [da] União, Brasília, 19 de julho de 2005, Seção 1, p. 26.

BOYATZIS, R.E. The Competent manager: a model for effective performance. New York: Wiley, 1982.

CARLI, L.; EAGLY, A. Gender, hierarchy and leadership: an introduction. Journal of Social Issues, [S.l.], v. 57, n. 4, pp. 629-636, 2001.

DIEESE. Anuário das Mulheres Brasileiras 2011. São Paulo: DIEESE, 2011.

DUTRA, J. Gestão de pessoas com base em competências. In: DUTRA, J (Org.). Gestão por competência: um modelo avançado para o gerenciamento de pessoas. 3. ed. São Paulo: Editora Gente, 2001. pp. 25-43.

FILION, L. J. O empreendedorismo como tema de estudos superiores. In: INSTITUTO EUVALDO LODI (Org.). Empreendedorismo, ciência, técnica e arte. Brasília: CNI – Instituto Euvaldo Lodi, 2000. pp. 13-42.

FLEURY, M. T. L; FLEURY, A. Construindo o conceito de competência. RAC – Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v.5, Edição Especial Art. 9, pp. 183-196, 2001.

GODOY, A. S.; ANTONELLO, C. S. Competências individuais adquiridas durante os anos de graduação de alunos do curso de administração de empresas. Revista Ciências da Administração, Florianópolis, v. 1, n. 23, pp. 157-191, 2009.

GOHN, M. da G. Educação não-formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v.14, n.50, pp. 27-38, 2006

HELAL, D. H.; NEVES, J. A.; FERNANDES, D. C. Empregabilidade gerencial no Brasil. RAC-Eletrônica, Curitiba, v. 1, n. 2, art. 1, pp. 1-19, 2007.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da educação superior 2010: divulgação dos principais resultados do censo da educação superior 2010. Brasília: INEP, 2011.

KILIMNIK, Z. M.; SANT’ANNA, A. S; LUZ, T. R. da. Competências profissionais e modernidade organizacional: coerência ou contradição? RAE – Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 44, Edição Especial Minas Gerais, pp. 10-21, 2004.

LACRUZ, A. J.; VILLELA, L. E. Identidade do administrador profissional e a visão pós-industrial de competência: uma análise baseada na pesquisa nacional sobre o perfil do administrador coordenada pelo Conselho Federal de Administração. RAC-Eletrônica, Curitiba, v. 1, n. 2, Art. 3, pp. 34-50, 2007.

LE BORTEF, G. De la compétence: essai sur un attracteur étrange. Paris: Editions d’Organizations, 1994.

LE BOTERF, G. Desenvolvendo a competência dos profissionais. Porto Alegre: Artmed Editora, 2003.

LOUREIRO, P.; CARDOSO, C. C. O género e os estereótipos na gestão. Revista de Estudos Politécnicos, [S.l.], v. VI, n. 10, pp. 221-238, 2008.

LUCHESA, C. J.; CHAVES NETO, A. Cálculo do tamanho da amostra em pesquisas em administração. Curitiba: Unicuritiba, 2011.

MCCLELLAND, D. C. Testing for competence rather than intelligence. American Psychologist, [S.l.], v, 28, n. 1, pp. 1-14, 1973.

MESQUITA, J. M. C. Estatística multivariada aplicada à administração: guia prático para utilização do SPSS. 1. ed. Curitiba: CRV, 2010.

MINTZBERG, H. Trabalho do executivo: o folclore e o fato. São Paulo: Nova Cultural. 1986. (Coleção Harvard de Administração, v. 3).

MINTZBERG, H. MBA? Não, obrigado: uma visão crítica sobre a gestão e o desenvolvimento de gerentes. Porto Alegre: Bookman, 2006.

MURARI, J; HELAL, D. H. O estágio e o desenvolvimento de competências profissionais em estudantes de Administração. Revista Gestão e Planejamento, Salvador, v. 10, n. 2, pp. 262-280, 2009.

NICOLINI, A. M. Fatores condicionantes do desenvolvimento do ensino de administração no Brasil. Revista Nacional ANGRAD, Rio de Janeiro, v.4, n1, pp.3-17, 2003.

NOGUEIRA; A. J. F. M.; BASTOS, F. C. Formação em administração: o gap de competências entre alunos e professores. REGE – Revista de Gestão, São Paulo, v. 19, n. 2, pp. 221-238, 2012

OLIVEIRA, Z. L. C. de. Trabalho e gênero: a construção da diferença. Mulher e Trabalho, [S.l.], v. 3, pp. 111-117, 2003.

PALHARES, J. A. Reflexões sobre o não-escolar na escola e para além dela. Revista Portuguesa de Educação, [S.l.], v. 22, n. 2, pp. 53-84, 2009.

RUAS, R. L; FERNANDES, B. H. R; FERRAN, J. E. M; SILVA, F. M. da. Gestão por competências: revisão de trabalhos acadêmicos no Brasil no período 2000 a 2008. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 34, 2010, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro, ENANPAD, 2010.

RUAS, R; GHEDINE, T; DUTRA, J; BECKER, G; DIAS, G. O Conceito de competências de a à z: análise e revisão nas principais publicações nacionais entre 2000 e 2004. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 29, 2005, Brasília. Anais... Rio de Janeiro, ENANPAD, 2005.

SANT’ANNA, A. S; MORAES, L. F. R; KILIMNIK, Z. M. Competências individuais, modernidade organizacional e satisfação no trabalho: um estudo de diagnóstico comparativo. RAE-Eletrônica, São Paulo, v. 4, n. 1, Art. 1, 2005.

SANT’ANNA, A. S. O movimento em torno da competência sob uma perspectiva crítica. In: HELAL, D. H; GARCIA, F. C; HONÓRIO, L. C. Gestão de pessoas e competência: teoria e pesquisa. Curitiba: Juruá, 2008. pp. 239-254.

SCHEIN, E. H. Career dynamics: matching individual and organizational needs. Massachussetts: Addison-Wesley, 1978.

SPENCER, L. M; SPENCER, S. Competence at work. New York: John Wiley, 1993.

SIQUEIRA, M. M. M.; BARBOSA, N. C.; ALVES, M. T. Construção e validação fatorial de uma medida de inteligência emocional. Psicologia: Teoria e Pesquisa, [S.l.], v. 15, n. 2, pp. 143-152, 1999.

ZAGO, C. C.; SOUZA, C. C. B. de; BEZERRA, L. A. M. L. Competências profissionais do administrador: uma análise comparativa entre a necessidade do mercado e a formação dos administradores da Paraíba. Gestão.Org - Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, Recife, v. 5, n. 2, pp. 210-225, 2007.

ZARIFIAN, P. O modelo da competência: trajetória histórica, desafios atuais e propostas. São Paulo: SENAC, 2003.

ZARIFIAN, P. Objetivo competência: por uma nova lógica. São Paulo: Atlas, 2001.

Publicado
2016-10-26
Seção
Artigos