Aprendizagem em comunidades de prática: estudo em um grupo de pesquisa

  • Raquel Engelman Universidade Feevale
  • Dusan Schreiber universidade feevale
  • Maria Cristina Bohnenberger Universidade Feevale
  • Vânia Gisele Bessi Universidade Feevale
Palavras-chave: Aprendizagem. Teoria Aprendizagem Situada. Comunidades de Prática. Conhecimento. Grupos de Pesquisa.

Resumo

A Teoria da Aprendizagem Situada considera a aprendizagem como socialmente construída e fundamentada em situações concretas e o conhecimento não como primariamente abstrato e simbólico, mas como provisório, mediado e socialmente construído, com significados intersubjetivos atribuídos às práticas compartilhadas na organização. A presente pesquisa teve como objetivo compreender, à luz da abordagem de Aprendizagem Situada, o processo de aprendizagem em um grupo de pesquisa concebido como comunidade de prática, de uma universidade pública, do sul do país. Os dados foram coletados a partir de observação não participante, pelo período de três meses, no laboratório onde o grupo trabalha, além de 12 entrevistas semiestruturadas. Com base nos dados coletados, foi possível identificar, em diferentes graus, diversos elementos de comunidades de prática apresentados pela teoria selecionada, tais como o ambiente/contexto, a liderança, a conectividade, a aprendizagem formal/informal e artefatos não humanos.

 

Biografia do Autor

Raquel Engelman, Universidade Feevale
Professor-pesquisador na Universidade Feevale. Doutora e Mestre em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS
Dusan Schreiber, universidade feevale
Doutor em Administração. Professor do Mestrado Profissional em Indústria Criativa da Universidade Feevale.
Maria Cristina Bohnenberger, Universidade Feevale
Doutora em Administração. Professora do Mestrado Profissional em Indústria Criativa da Universidade Feevale.
Vânia Gisele Bessi, Universidade Feevale
Doutora em Administração. Professora do Mestrado Profissional em Indústria Criativa da Universidade Feevale.

Referências

ANTONELLO, C. S. Contextos do Saber e Aprendizagem Informal. In: ANTONELLO, C. S.; GODOY, A. S. (Eds.) Handbook de Aprendizagem Organizacional. Porto Alegre: Bookman, 2011.

ANTONELLO, C. S.; AZEVEDO, D. Aprendizagem Organizacional: explorando o terreno das teorias culturais e das teorias baseadas em práticas. In: ANTONELLO, C. S.; GODOY, A. S. (Eds.) Handbook de Aprendizagem Organizacional. Porto Alegre: Bookman, 2011.

ANTONELLO, C. S.; GODOY, A. S. Aprendizagem Organizacional e as Raízes da Polissemia. In: ANTONELLO, C. S.; GODOY, A. S. (Eds.) Handbook de Aprendizagem Organizacional. Porto Alegre: Bookman, 2011.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Edição revista e actualizada. Lisboa: Edições 70, 2009.

BASTOS, A.V.B.; GONDIM, S.M.G.; LOIOLA, E. Aprendizagem organizacional versus organizações que aprendem: características e desafios que cercam essas duas abordagens de pesquisa. R. Adm – Revista de Administração, v. 39, n. 3, 2004, São Paulo, p. 220-30.

BERGER, P.L.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. 22. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

BONOMA, T. V. Case research in marketing: opportunities, problems, and a process. Journal of marketing research, v. 30, n. 4, 1985, p. 99-208.

BRITO, M. C. P. S. Impacto da Introdução das TICs na Partilha do Conhecimento em CoP na Organização: Um estudo de caso numa organização cooperativa de crédito. Dissertação (Mestrado em Estatística e Gestão de Informação), Lisboa: Universidade Nova de Lisboa, 2012.

BROWN, J.S.; DUGUID, P. Organizational learning and Communities-of-Practice: Toward a unified view of working, learning, and innovation. Organizational Science, v. 2, n. 1, 1991, p. 58-82.

COX, A. What are communities of practice? A comparative review of four seminal works. Journal of Information Science, v. 31, n. 6, 2005, p. 527-540.

EASTERBY-SMITH, M.; ARAUJO, L. Aprendizagem organizacional: oportunidades e debates atuais. In: EASTERBY-SMITH, M.; BURGOYNE, J.; ARAUJO, L. (orgs.) Aprendizagem organizacional e organizações de aprendizagem: desenvolvimento na teoria e na prática. São Paulo: Atlas, 2001.

EASTERBY-SMITH, M.; SNELL, R.; GHERARDI, S. Organizational learning: diverging communities of practice? Management learning, v. 29, n. 3, 1998, p. 259-272.

ELKJAER, B. Em busca de uma teoria de aprendizagem social. In: EASTERBY-SMITH, M.; BURGOYNE, J.; ARAUJO, L. (orgs.) Aprendizagem organizacional e organizações de aprendizagem: desenvolvimento na teoria e na prática. São Paulo: Atlas, 2001.

FIORENTINI, D.; CARVALHO, D. L. O GdS como lócus de experiências de formação e aprendizagem docente. In: FIORENTINI, D.; FERNANDES, F. L. P.; CARVALHO, D. L. (Org.). Narrativas de Práticas de Aprendizagem Docente em Matemática. São Carlos: Pedro & João Editores, 2015, p. 15-37.

GHERARDI, S.; NICOLINI, D.; O.F. What Do You Mean By Safety? Conflicting Perspectives on Accident Causation and Safety Management in a Construction Firm. Journal of Contingencies and Crisis Management, v. 6, n. 4, 1998.

GUDOLLE, L.S.; ANTONELLO, C.; FLACH, L. Aprendizagem situada, participação e legitimidade nas práticas de trabalho. RAM, REV. ADM. MACKENZIE, v. 13, n. 1, São Paulo, jan./fev. 2012.

HANDLEY, K. et al. Within and Beyond Communities of Practice: Making Sense of Learning Through Participation, Identity and Practice. Journal of Management Studies, May 2006.

LAVE, E; WENGER, J. Situated Learning and Legitimate Peripheral Participation Cambridge: Cambridge University Press, 1991.

LAVE, J.; WENGER, E. Situated Learning (Learning in Doing: Social, Cognitive and Computational Perspectives). Cambridge: Cambridge University Press, 2013.

MATOS, J. F. Aprendizagem como participação em CoP mediadas pelas TIC, Challengers, 2005 – IV Conferência Internacional sobre Tecnologias da Informação e Comunicação, 11-13 maio, Braga. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2016.

MELO, E. S. Comunidades de prática: um estudo de caso na Rede de Bibliotecas e Centros de Informação em Arte no Estrado do Rio de Janeiro – REDARTE/RJ. 2015. Dissertação (Mestrado em Biblioteconomia), Rio de Janeiro: Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, 2015.

MERRIAM, S. B. Qualitative research and case study applications in education: resived and expanded from case study research in education. San Francisco: Jossey-Bass, 1998.

O’DELL, C.; HUPERT, C. The New Edge in Knowledge: How Knowledge Management Is Changing the Way We Do Business. Wiley, 2011.

OLIVEIRA, R.; SANTOS, V. Inserção inicial do futuro professor na profissão docente: contribuições do Estágio curricular supervisionado na condição de contexto de aprendizagem situada. Revista Educação Matemática Pesquisa, v. 13, n. 1, 2011, p. 36-49.

ROBERTS, J. Limits to Communities of Practice. Journal of Management Studies, v. 43, n. 3, p. 623-639, 2006.

SCHNEIDER, E. I. Uma Contribuição aos Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVA) suportados pela Teoria da Cognição Situada (TCS) para pessoas com deficiência auditiva. Dissertação (Mestrado em Engenharia e Gestão do Conhecimento), Florianópolis: PPEGC/UFSC, 2012.

SIEDLOK, F.; HIBBERT, P.; SILLINCE, J. From practice to collaborative community in interdisciplinary research contexts. Research Policy, v. 44, n. 1, p. 96-107, February, 2015.

WEICK, K. E.; WESTLEY, F. Organizational learning: confirming an oxymoron. In: CLEGG, S. R.; HARDY, C.; NORD, W. R. Handbook of organization studies, v. 3. São Paulo: Atlas, 2004.

WENGER, E.; WENGER, B. Learning in landscapes of practice: A framework. In: WENGER, E. et al. Learning in landscapes of practice. New York: British Library, 2015, p. 13-31.

WENGER, E. Communities of practice a brief introduction. Junho, 2006. Disponível em: <http://www.ewenger.com/theory/> Acesso em: 10 nov. 2016.

WENGER, E. Communities of Practice and Social Learning Systems. In: NICOLINI, D.; GHERARDI, S.; YANOW, D. (eds.). Knowing in Organizations: A Practice-Based Approach. New York: M.E. Sharpe, 2003.

WENGER, E. Communities of Practice: Learning, Meaning, and Identity. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.

WENGER, E. Uma teoria social da aprendizagem. In: Illeris, K. (org). Teorias contemporâneas da aprendizagem. Trad Ronaldo Cataldo Costa. Porto Alegre: Penso, 2013, p.246-257.

WILSON, T. D. The nonsense of ‘knowledge management’. Information Research, v.8, n.1, Oct. 2002.

YANOW, D. Seeing organizational learning: a ‘cultural’ view. Organization, 2000, v. 7, n. 2, p. 247-268.

Publicado
2017-11-14
Seção
Artigos