Teoria dos custos de mensuração no setor automotivo

  • Cleiciele Albuquerque Augusto Universidade Estadual de Maringá (UEM)
  • José Paulo de Souza Universidade Estadual de Maringá (UEM)
  • Silvio Antonio Ferraz Cario Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
Palavras-chave: Estruturas de Governança. Mensuração. Direitos de propriedade. Setor automotivo.

Resumo

Esta pesquisa objetivou compreender como a escolha pelas estruturas de governança é realizada, considerando aspectos de mensuração, de direitos de propriedade e de disponibilidade de informações nas relações de montadoras e seus fornecedores diretos de autopeças. Para tanto, traçou-se uma pesquisa teórico-empírica, qualitativa e descritiva. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas com os gerentes de logística, de compras e de qualidade das montadoras, localizadas no estado do Paraná, bem como com os gerentes de logística de empresas fornecedoras diretas e coordenadores da indústria automotiva da Federação das Indústrias no Estado do Paraná (FIEP). Dentre os resultados, constatou-se que a integração vertical se dá na presença de ativos específicos (design, estamparia, motor e câmbio) que apresentam elevada dificuldade de mensuração por envolverem a identidade das montadoras. Observou-se também que as demais autopeças, mesmo com elevada especificidade, são transacionadas pela contratação, desde que não apresentem dificuldades de mensuração. Conclui-se então que o nível de especificidade não é suficiente para explicar as decisões pelas estruturas de governança no setor, indicando a necessidade de considerar aspectos de mensuração para obter adequada compreensão de suas fronteiras.

Biografia do Autor

Cleiciele Albuquerque Augusto, Universidade Estadual de Maringá (UEM)
Professora Adjunta do Departamento de Administração da Universidade Estadual de Maringá
José Paulo de Souza, Universidade Estadual de Maringá (UEM)
Professor Associado do Departamento de Administração da Universidade Estadual de Maringá
Silvio Antonio Ferraz Cario, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
Professor Associado do Departamento de Economia da Universidade Federal de Santa Catarina

Referências

ALMEIDA, L. F.; ZYLBERSZTAJN, D.; KLEIN, P. Determinantes dos arranjos contratuais nas transações de crédito agrícola. Revista de Administração, v. 45, n. 3, p. 209-220, jul./set. 2010.

ANFAVEA – ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS FABRICANTES DE VEÍCULOS AUTOMOTIVOS. Anuário da Indústria Automotiva Brasileira 2016. São Paulo, 2016. Disponível em: <http://www.anfavea.com.br/>. Acesso em: 10/10/2017.

BARZEL, Y. Economic analysis of property right. Cambridge University Press, 2.ed. 1997. 175 p.

BARZEL, Y. Organization Firms and Measurement Costs. Congresso da International Society for the New Institutional Economics. Berkeley, California, 2002.

BARZEL, Y. Property rights in the firm. In.: ANDERSON, T. L.; MCCHESNEY, F. S. (Eds.). Property rights: cooperation, conflict and law. New Jersey: Princeton University Press, 2003. p. 43-57.

BARZEL, Y. Organizational Forms and Measurement Costs. Journal of Institutional and Theoretical Economics, v. 161, p. 357-373, 2005.

CERRA, Aline Lamon; MAIA, Jonas Lucio. Desenvolvimento de produtos no contexto das cadeias de suprimentos do setor automobilístico. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 12, n. 1, p. 155-176, Jan/Mar, 2008.

CALEMAN, S.; ZYLBERSZTAJN, D., PEREIRA, M. W. G.; OLIVEIRA, G. M. Organizational tolerance in agro-industrial systems: an empirical application for the meat sector. Revista de Administração, n. 52, p. 456–466, 2017.

CHEREMUKHN, A.; POPOVA, A.; TUTINO, A. A theory of discrete choice with information costs. Journal of Economic Behavior & Organization, v. 113, p. 34-50, 2015. http://dx.doi.org/10.1016/j.jebo.2015.02.022.

COASE, R. H. The Nature of the Firm. Economica, London, New Series, v. 4, n. 16, p. 386-405, Nov. 1937.

COASE, R. H. The Problem of Social Cost. Journal of Law and Economics, v. 3, p. 1-44, Oct. 1960.

COSTA, R. M.; HENKIN, H. Estratégias Competitivas e Desempenho da Indústria Automotiva no Brasil. Economia e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 2, p. 457-487, ago. 2016.

CROOK, T. R.; COMBS, J. G.; KETCHEN JR., D. J.; AGUINIS, H. Organizing around transaction costs: What have we learned and where do we go from here? Academy of Management Perspectives, v. 27, n. 1, p. 63–79.

CUNHA, C. F.; SAES, M. S. M.; MAINVILEE, D. Y. Custo de transação e mensuração na escolha da estrutura de governança entre supermercados e produtores agrícolas convencionais e orgânicos no Brasil e nos EUA. Gestão e Produção, v. 22, n. 1, p. 67-81, 2015.

DAVID, R. J.; HAN, S. K. A Systematic Assessment of the Empirical Support for Transaction Cost Economics. Strategic Management Journal, v. 25, p. 39-58, 2014.

FERRATO, E.et al. Relacionamento Interorganizacional e Hold-Up no Setor Automotivo: Uma Análise sob o Enfoque da Economia dos Custos de Transação. Revista de Gestão USP, v. 13, n. 1, p. 75-87, Jan/Mar, São Paulo, 2006.

FERREIRA, M. P.; SERRA, F. A. R. Make or buy in a mature industry? Models of client supplier relationships under TCE and RBV perspectives. Brazilian Administration Review, v. 7, n.1, p. 22-39, 2010.

FIANI, R. A natureza multidimensional dos direitos de propriedade e os custos de transação. Economia e Sociedade, Campinas, v.12, n.2 (21), p. 185-203, jul./dez., 2003.

FOSS, Kirsten; FOSS, Nicolai J. Assets, Attributes and Ownership. International Journal of the Economics of Business, Oxford, v. 8, n. 1, p. 19-37, 2001.

FOSS, Kirsten; FOSS, Nicolai J. The Next Step in the Evolution of the VBR: Integration with Transaction Cost Economics. Management Revue, Mering, v. 15, n. 1, p. 107-121, Mar/2004.

GROSSMAN, S. J.; HART, O. D. The Costs and Benefits of Ownership: A Theory of Vertical and Lateral Integration. Journal of Political Economy, v. 94, n. 4, p.691-719, 1986.

HART, O. Firms, contracts, and financial structure. Oxford University Press, Oxford, England, 1995.

ITO, N. C.; ZYKBERSZTAJN, D. Power and selection of contract terms: The case from the Brazilian orange juice sector. Revista de Administração, n. 51, n. 1, p. 5-19, 2016.

KLEIN, B.; CRAWFORD, R. G.; ALCHIAN, A. A. Vertical integration, appropriable rents, and the competitive contracting process. Journal of Law and Economics, v. 21, n. 2, p. 297-326, Oct, 1978.

MAHNKE, V.; OVERBY, M. L.; VANG, J. (2005) Strategic Outsourcing of IT Services: Theoretical Stocktaking and Empirical Challenges. Industry and Innovation, v. 12, n. 2, p. 205-253, 2005.

MÉNARD, C.M.; SHIRLEI, M. M. The future of new institutional economics: from early intuitions to a new paradigm. Journal of Institutional Economics, v. 10, Special Issue 04, p. 541 – 565, December 2014.

MONTEIRO, G. F. A.; ZYLBERZSTAN, D. Direitos de Propriedade, Custos de Transação e Concorrência: o Modelo de Barzel. Economic Analysis of Law Review, Brasília, v. 2, n. 1, p. 95-114, Jan-Jun, 2011.

NORTH, D. Institutions, Institutional Change and Economic Performance. Cambridge: Cambridge University Press: 1990. 152 p.

NORTH, D. Institutions and Economic Theory. The American Economist, v. 61, n. 1, p. 72–76, 2016.

NORTH, D. Institutions. Journal of Economic Perspective, v. 5, n. 1, p. 97-112, Pittsburgh, 1991

NORTH, D. Custos de Transação, Instituições e Desempenho Econômico. Rio de Janeiro: Instituto Liberal, 2006.

POPPO, Laura; ZENGER, Todd. Testing alternative theories of the firm: transaction cost, knowledge-based, and measurement explanations for make-or-buy decisions in information services. Strategic Management Journal, v. 19, n.9, p. 853–877, Sep. 1998.

REAY, T. Publishing qualitative research. Family Business Review, v. 27, n. 2, p. 95-102, 2014.

VANALLE, R. M.; SALLES, J. A. A. Relação entre montadoras e fornecedores: modelos teóricos e estudos de caso na indústria automobilística brasileira. Gestão e Produção, São Carlos, v. 18, n. 2, p. 237-250, 2011.

VAZQUEZ, M. E.; HALLAC, M. Efficiency versus Measurement Costs: Institucional Diversity in Network Industries. Economic Analysis of Law Review, v. 6, n. 2, p. 373-385, 2015.

WILLIAMSON, O. E. Markets and hierarchies: analysis and antitrust implications. New York: Free Press, 1975.

WILLIAMSON, O. E. The economic institutions of capitalism: firms, markets, relational contracting. New York: Free Press, 1985.

WILLIAMSON, O. E. The mechanisms of governance. New York: Oxford University Press, 1996.

WILLIAMSON, O. E. Strategy Research: Governance and Competence Perspective. Strategic Management Journal, v. 20, n. 12, p. 1087-1108, December, 1999.

WILLIAMSON, O. E. The new institutional economics: taking stock, looking ahead. Journal of Economic Literatura, v. 38, p. 595-613, September, 2000.

WILLIAMSON, O. E. The Theory of the Firm as Governance Structure: from choice to contract. 2002. (Working Paper).

WILLIAMSON, O. E. Transaction cost economics and organization theory. HBS Conference on Organization Design. December 5-6, 2008.

ZYLBERSZTAJN, Décio. Estruturas de governança e coordenação do Agribusiness: uma aplicação da Nova Economia das Instituições. Tese de livre docência apresentada no Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. São Paulo: 1995.

ZYLBERSZTAJN, Décio. Measurement costs and governance: bridging perspectives of transaction cost economics. In: International Society for the New Institutional Economics – ISNIE, Barcelona- Espanha, 2005.

ZYLBERSZTAJN, Décio. Papel dos contraltos na coordenação agroindustrial: um olhar além dos mercados. In: SOUZA, José Paulo de; PRADO, Ivanor Nunes do (Org.). Cadeias produtivas: estudos sobre competitividade e coordenação. 2. Ed. Maringá: EDUEM, 2009.

Publicado
2018-03-22
Como Citar
Augusto, C. A., Souza, J. P. de, & Cario, S. A. F. (2018). Teoria dos custos de mensuração no setor automotivo. Contextus – Revista Contemporânea De Economia E Gestão, 16(1), 118-149. https://doi.org/10.19094/contextus.v16i1.1051
Seção
Artigos