“O show tem que continuar”: encalços e percalços do ser/estar prostituta

  • Jefferson Rodrigues Pereira Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG
  • Kely Cesar Martins de Paiva Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG
  • José Vitor Palhares dos Santos Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG
  • Caissa Veloso e Sousa Centro Universitário Unihorizontes
Palavras-chave: Sentido do trabalho, Identidade, Prostitutas, Moulin Rouge, Guaicurus.

Resumo

Em seus tempos áureos, a zona de prostituição da Guaicurus (Belo Horizonte, MG) era comparada com outras  “renomadas” do mundo, dentre as quais a parisiense região Moulin Rouge. No entanto, as mulheres que ali trabalham, as prostitutas, sempre foram estigmatizadas e alvos de discriminação e violência. Assim, o objetivo deste estudo foi analisar relações entre o sentido do trabalho e a construção da identidade de prostitutas, fazendo-se um paralelo com o filme Moulin Rouge. Para tal, uma pesquisa exploratória qualitativa foi operacionalizada por meio de entrevistas pautadas em história oral temática com 17 prostitutas da referida região; seus dados foram submetidos à análise do discurso (vertente francesa). As análises indicaram sentidos frágeis e identidades fragmentadas e multifacetadas. Sofrimento diário, prazer próprio silenciado e sonhos imaturos retratam que, custe o que custar, “o show tem que continuar”.

Biografia do Autor

Jefferson Rodrigues Pereira, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG
Doutorando em Administração no Centro de Pós-Graduação e Pesquisas em Administração (CEPEAD) da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Mestre em Administração pelo Centro Universitário Unihorizontes. Foi bolsista de Mestrado da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG). Graduado em Administração pelo Centro Universitário Unihorizontes. Pesquisador no Núcleo de Estudos sobre Comportamento, Pessoas e Organizações (NECOP) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).
Kely Cesar Martins de Paiva, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG
Doutora, Mestre e Bacharel em Administração (UFMG, 2007, 1999, 1992). Professora (Adjunto III) e Pesquisadora, Departamento de Ciências Administrativas (CAD), Centro de Pós-graduação e Pesquisa em Administração (CEPEAD), Faculdade de Ciências Econômicas (FACE), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Coordenadora do Núcleo de Estudos sobre Comportamento, Pessoas e Organizações (Necop - UFMG) e membro do Núcleo de Relações de Trabalho e Tecnologias de Gestão (Nurteg ? FNH) e do Núcleo de estudos sobre Estado, Trabalho e Sociedade (Nets, UFPB). Avaliadora de diversos periódicos e eventos nacionais e internacionais. Temas de interesses em pesquisa: Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho (temas comportamentais, como QVT, estresse, burnout, valores, justiça, atitude retaliatória, comprometimento; competências profissionais e gerenciais; diversidade; relação de poder, relações de trabalho, assédio) e Ensino e Pesquisa em Administração (competências profissionais e docentes; educação a distância). Contextos e públicos de interesse em pesquisa: jovens trabalhadores; call center, organizações e instituições de ensino públicas e privadas. Editora de edições especiais das Revistas Gestão e Planejamento (Unifacs, tema -O Universo das Organizações de Educação Superior e suas Dimensões-, 2010) e Teoria e Prática em Administração (UFPB, tema -Comportamento Organizacional e Diversidade-, 2013). Ex-líder do tema 05 (Prazer e sofrimento no trabalho) e do tema 11 (Gestão de Pessoas e Elementos do Comportamento Organizacional) da divisão acadêmica GPR - Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho, da ANPAD (2013-2018). Atualmente: subcoordenadora do curso de graduação em Administração (UFMG); subcoordenadora do CEPEAD (UFMG).
José Vitor Palhares dos Santos, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG
Professor substituto de Administração no Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG). Doutorando e Mestre em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), na linha de pesquisa Estudos Organizacionais e Sociedade. É membro da Sociedade Brasileira de Estudos Organizacionais (SBEO) e pesquisador do Núcleo de Estudos Organizacionais e Sociedade (NEOS) e do Grupo de Gestão e Formação Profissional (GEFORP). Atua como professor, pesquisador e consultor nas áreas de Estudos Organizacionais e na de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho. Administrador de Empresas graduado pela Universidade Federal de Lavras (UFLA), na qual obteve destaque com o prêmio de Mérito Acadêmico oferecido pela Instituição. Estagiou no setor de Logística da Gerdau Aços Longos (2013) e no de Faturamento da Expresso Nepomuceno (2011). Foi bolsista do Programa de Educação Tutorial - PET Administração (2010-2013), onde atuou como coordenador de Finanças e Contabilidade (2010-2012) e de Gestão de Pessoas (2012-2013) do programa, além de ter sido membro da comissão organizadora do Simpósio Nacional de Administração - SiNAd, exercendo, dentre outras funções, a de coordenador da Comissão de Comitê Científico do evento. Já trabalhou também como consultor organizacional pela UFLA Júnior Consultoria Administrativa (2009-2010).
Caissa Veloso e Sousa, Centro Universitário Unihorizontes

Professora titular do Mestrado Acadêmico em Administração do Centro Universitário Unihorizontes. Doutora em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais, na linha de pesquisa de Administração Estratégica e Mercadologia. Possui mestrado em Administração (2007) e graduação em Ciências Econômicas pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (1999). Pesquisadora de Pós Doutorado - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pró-Reitora de Pós-Graduação (desde setembro de 2017) e Coordenadora do curso de Mestrado Acadêmico em Administração do Centro Universitário Unihorizontes (desde maio de 2016), onde é Professora e Pesquisadora. Coordena também o Núcleo de Pesquisa em Estratégia e Competitividade - NUPEC.

 

Referências

ASHFORTH, B. E.; KREINER, G. E. How Can You Do It?: Dirty Work and the Challenge of Constructing a Positive Identity. The Academy of Management Review, v. 24, n. 3, p. 413-434, 1999.

AVELAR, V. L. L. M.; PAIVA, K. C. M. Configuração identitária de enfermeiros de um serviço de atendimento móvel de urgência. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 63, n. 6, p. 1010-1018, 2010.

BARROS, L. A. Mariposas que trabalham: uma etnografia da prostituição feminina na região central de Belo Horizonte. Jus Navigandi, v. 827, 2005.

BAUMAN, Z. Vidas desperdiçadas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2005.

BENDASSOLLI, P. F.; FALCÃO, J. T. R. Psicologia social do trabalho sujo: revendo conceitos e pensando em possibilidades teóricas para a agenda da psicologia nos contextos de trabalho. Universitas Psychologica, v. 12, n. 4, 2013.

BENDASSOLLI, P. F.; COELHO-LIMA, F.; PINHEIRO, R. A.; GÊ, P. C. S. The Brazilian Scientific Production on Sense and Meaning of Work: Review of Use of Terminology and Current Thematic Classifications. Avances en Psicología Latinoamericana, v. 33, n. 2, p. 203-221, 2015.

BERGER, P. L.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

BORGES, L. O.; ALVES FILHO, A.; TAMAYO, A. Motivação e significado do trabalho. In: SIQUEIRA, M. M. M. (Org.). Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Porto Alegre: Artmed, 2008. p. 215-248.

BORGES, L. O.; MOURÃO, L. O trabalho e as organizações: atuação a partir da psicologia. Porto Alegre: Artmed, 2013.

BOURDIEU, P. A Dominação Masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

BRASIL. Classificação Brasileira de Ocupações (CBO) – Relatório de família, ano 2002. Brasília: Ministério do Trabalho, 2002.

BROWN, A. D. Identities and Identity Work in Organizations. International Journal of Management Reviews, v. 17, n. 1, p. 20-40, 2015.

BUTLER, J. Undoing gender. New York: Routledge, 2004.

CAMPOS, V. P. O conceito de reflexividade de Margaret Archer na compreensão da relação entre as mulheres e o valor estrutural da beleza feminina. In: J. A. BURITY, C. M. L. RODRIGUES; M. A. SECUNDINO (Org.). Desigualdades e Justiça Social: diferenças culturais e políticas de identidade. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2010. p. 57-70.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed, 2007.

BEAUVOIR, S. O Segundo Sexo. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1970.

DIDI-HUBERMAN, G. Sobrevivência dos vaga-lumes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

DUBAR, C. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

ESTRAMIANA, J. L. Á. Psicología social: perspectivas teóricas y metodológicas. Siglo XXI de España Editores, 1995.

FISKE, S. T. Thinking is for doing: portraits of social cognition from daguerreotype to laserphoto. Journal of personality and social psychology, v. 63, n. 6, p. 877-889, 1992.

FONSECA-SILVA, M. D. Materialidades Discursivas: A fronteira ausente (Matérialités Discursives: La frontière absente). Estudos da Língua(gem), v. 1, n. 1, p. 91-97, 2005.

FREITAS, M. E. Identidade e identidades: somos o branco e o arco-íris. In: CARRIERI, A. P.; SARAIVA, L. A.; ENOQUE, A. G.; GANDOLFI, P. E. (Org.). Identidade nas organizações. Curitiba: Juruá, 2010. p. 11-14.

GABRIEL, Y. Organizations in a state of darkness: Towards a theory of organizational miasma. Organization Studies, v. 33, n. 9, p. 1137-1152, 2012.

GARCIA, T. M. A análise do discurso francesa: uma introdução nada irônica. Working Papers em Linguística, v. 7, n. 1, p. 121-140, 2003.

GOFFMAN, E. The Presentation of Self in Everyday Life. New York: Anchor Books, 1959.

GREER, G. The female eunuch. Londres: Flamingo, 1970.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HIRATA, H. Reestruturação produtiva, trabalho e relações de gênero. Revista latinoamericana de estudios del trabajo, v. 4, n. 7, p. 5-27, 1998.

KATZELL, R. Contemporary meta-trends in industrial and organizational psychology. In: H. C. TRIANDIS; M. D. DUNNETE; L. M. HOUGH (Org.). Handbook of industrial and organizational psychology. California: Consulting Psychology Press, 1994. p. 1-94.

LEITE, T. J. C.; OLIVEIRA, A. A.; PAULA E, P. P. A saúde e cidadania dos agentes da limpeza urbana de Belo Horizonte sob a perspectiva da psicodinâmica do trabalho. In: I COLÓQUIO INTERNACIONAL DE PSICOSSOCIOLOGIA DO TRABALHO. Anais… Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, 2012.

LHUILIER, D. L’invisibilité du travail réel et l’opacité des liens santé-travail. Sciences sociales et santé, v. 28, n. 2, p. 31-63, 2010.

LIMA, M. P.; TAVARES, N. V.; BRITO, M. J.; CAPPELLE, M. C. A. O sentido do trabalho para pessoas com deficiência. RAM – Revista de Administração Mackenzie, v. 14, n. 2, p. 42-68, 2013.

LIMA, T. M. M. L. A prostituição feminina no Brasil: da “questão de polícia” à conquista de direitos. Dissertação (mestrado em Serviço Social) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil, 2011.

MEIHY, J. C. S. B. Manual de História Oral. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

MEIHY, J. C. S. B. Prostituição à brasileira. São Paulo: Contexto, 2015.

LUHRMANN, B. Moulin Rouge: Amor em Vermelho [DVD]. United States of America: Twentieth Fox Century, 2001.

MACHADO, H. V. A identidade e o contexto organizacional: perspectivas de análise. Revista de Administração Contemporânea, v. 7, n. 2, p. 51-73, 2003.

MARRA, A. V.; FONSECA, J. A.; MARQUES, A. L. O processo de identificação organizacional ante a reforma administrativa: um estudo exploratório. RAM – Revista de Administração Mackenzie, v. 15, n. 1, p. 49-72, 2014.

MORIN, E. M. The meaning of work in modern times. In: 10th WORLD CONGRESS ON HUMAN RESOURCES MANAGEMENT. Anais… Rio de Janeiro, Brazil, 2004.

NOGUEIRA, C. M. O trabalho duplicado: a divisão sexual no trabalho e na reprodução. São Paulo: Expressão Popular, 2012.

PAIVA, K. C. M.; PEREIRA, J. R.; GUIMARÃES, L. R.; BARBOSA, J. K. D. “Mulheres de Vida Fácil”? Conexões entre Tempo, Prazer e Sofrimento no Ofício de Prostitutas de Belo Horizonte (MG). In: XLI ENCONTRO DA ANPAD, Anais… São Paulo, Brasil, 2017.

PEREIRA, J. R.; SOUSA, C. V.; MATOS, E. B.; PRATA, F. S. Onde se ganha o pão não se come a carne: entradas e saídas dos territórios e territorialidades da zona de prostituição da Guaicurus em Belo Horizonte. In: IX ENCONTRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS DA ANPAD / ENEO, Anais… Belo Horizonte, Brasil, 2016.

QUEEN. The show must go on. UK: Parlophone, 1991.

RITCHIE, D. The Oxford Handbook of Oral History. Oxford: Oxford University Press, 2011.

ROGALY, B. Disrupting migration stories: reading life histories through the lens of mobility and fixity. Environment and Planning D: Society and Space, v. 33, n. 3, p. 528-544, 2015.

SÁ, J. G. S.; LEMOS, A. H. C. Sentido do Trabalho: Análise da Produção Científica Brasileira. Revista ADM. MADE, v. 21, n. 3, p. 21-39, 2017.

SILVA, M. B. Profissionais do sexo e o Ministério do Trabalho. Âmbito Jurídico 2008.

SILVA, S. G. Preconceito e discriminação: as bases da violência contra a mulher. Psicologia: ciência e saúde, v. 30, n. 3, p. 556-571, 2010.

SILVA, K. A.; CAPELLE, M. C. A. Sentidos do trabalho apreendidos por meio de fatos marcantes na trajetória de mulheres prostitutas. RAM – Revista de Administração Mackenzie, v. 16, n. 6, p. 19-47, 2015.

SILVEIRA, R. A.; MEDEIROS, C. R. O. O Herói-Envergonhado: Tensões e Contradições no Cotidiano do Trabalho Policial. In: XL ENCONTRO DA ANPAD, Anais… Costa do Sauipe, Brasil, 2016.

SLOAN, W. D.; STAMM, M. Historical methods in communication. Northport: Vision Press, 2010.

SOUTHGATE, E.; SHYING, K. Researchers as dirty workers: cautionary tales on insider-outsider dynamics. Qualitative Research in Organizations and Management: An International Journal, v. 9, n. 3, p. 223-240, 2014.

SOUSA, C. V. et al. When intimacy walks up the stairs: space configurations, territories and territoriality of a Brazilian prostitution zone. In: EGOS, Anais… Denmark, 2017.

SOUZA, S. D. O corpo legal, o corpo religioso e o corpo das cidadãs religiosas. In: BURITY, J. A.; RODRIGUES, C. M. L.; SECUNDINO, M. A. (Org.). Desigualdades e Justiça Social: diferenças culturais e políticas de identidade. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2010. p. 155-166.

SOUZA, M. M. P.; CARRIERI, A. P. Identidades, práticas discursivas e os estudos organizacionais: uma proposta teórico-metodológica. Cadernos Ebape. BR, v. 10, n. 1, p. 40-64, 2012.

STARK, R.; BAINBRIDGE, W. S. Religion, deviance, and social control. Routledge, 2013.

TEIXEIRA, J. C.; SARAIVA, L. A. S.; CARRIERI, A. P. Os lugares das empregadas domésticas. Organizações & Sociedade, v. 22, n. 72, p. 161-178, 2015.

THOMSON, A. Four paradigm transformations in oral history. Oral History Review, v. 34, n. 1, p. 49-70, 2007.

TOLFO, S. R.; PICCININI, V. Sentidos e significados do trabalho: explorando conceitos, variáveis e estudos empíricos brasileiros. Psicologia e Sociedade, v. 19, n. 1, p. 28-46, 2007.

VANNUCHI, M. L. Gênero, trabalho e subjetividade: relações de poder para além das fronteiras ocupacionais e territoriais. In: M. F. SOUZA (Org.). Desigualdades de gênero no Brasil: novas ideias e práticas antigas. Belo Horizonte: Fino Traço, 2010. p. 127-149.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2009.

Publicado
2018-12-12
Como Citar
Pereira, J. R., Paiva, K. C. M. de, Santos, J. V. P. dos, & Sousa, C. V. e. (2018). “O show tem que continuar”: encalços e percalços do ser/estar prostituta. Contextus – Revista Contemporânea De Economia E Gestão, 16(3), 151-180. https://doi.org/10.19094/contextus.v16i3.32642
Seção
Artigos