Avaliação do ambiente de controle interno por meio de modelo de maturidade em organizações governamentais

  • Ricardo Augusto Capovilla Universidade de Brasília
  • Rodrigo de Souza Gonçalves Universidade de Brasília
Palavras-chave: Ambiente de controle, Modelo de maturidade, Administração pública, INCRA, MAPA, CONAB.

Resumo

O objetivo do trabalho foi avaliar a maturidade do ambiente de controle interno em organizações governamentais. Foi desenvolvido um modelo de maturidade sustentado nos princípios do COSO (2013a) estruturado em quatro níveis de maturidade: incipiente, inicial, em formação e estabelecido. O modelo foi avaliado por juízes (COY; DIXON, 2004) e testado em três organizações governamentais por meio de estudo de casos múltiplos. Os resultados apontaram que uma das entidades alcançou o nível de maturidade inicial, enquanto as demais, o nível de maturidade em formação. No todo, as três organizações revelaram incipiência quanto à maturidade do ambiente de controle, especialmente na disseminação de padrões de ética e na investigação de vida pregressa e requisitos de competência para o corpo diretivo. Por fim, o estudo apontou de forma comparada aspectos necessários para melhoria das estruturas do ambiente de controle interno de cada organização, podendo ser útil aos respectivos gestores e órgãos de controle.

Biografia do Autor

Ricardo Augusto Capovilla, Universidade de Brasília
Mestre em Ciências Contábeis pelo Programa Multiinstitucional e Inter-regional de Ciências Contábeis UnB/UFPB/UFRN, e Auditor Federal de Controle Externo – Tribunal de Contas da União.
Rodrigo de Souza Gonçalves, Universidade de Brasília
Doutor em Ciências Contábeis pelo Programa Multiinstitucional e Inter-regional de Ciências Contábeis UnB/UFPB/UFRN, Professor do Departamento de Ciências Contábeise Atuariais da Universidade de Brasília

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. 70. Ed. São Paulo: Almedina Br, 2011.

BECKER, J.; KNACKSTEDT, R.; PÖPPELBUß, J. Developing Maturity Models for IT Management – A Procedure Model and its Application. Business & Information Systems Engineering (BISE), v. 1, n. 3, p. 213-222, 2009.

BERNARDI, R. A. Fraud detection: The effect of client integrity and competence and auditor cognitive style. Auditing: A Journal of Practice and Theory, v. 13, n. 2, p. 68-84, 1994.

BILHIM, João. O mérito nos processos de seleção da alta direção da Administração Pública portuguesa: mito ou realidade?. Sequência: estudos jurídicos e políticos (UFSC), v. 33, n. 65, p. 57-78, 2012.

COSO (Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission). Internal Control – Integrated Framework: Framework and Appendices. 2013a.

COSO (Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission). Internal Control – Integrated Framework: Internal Control over External Financial Reporting: A Compendium of Approaches and Examples. 2013b.

COY, David; DIXON, Keith. The Public Accountability Index: crafting a parametric disclosure index for annual reports. The British Accounting Review, v. 36, p. 79-106, 2004.

EXNER, Konrad; ZIMPFER, Raphael; STARK, Rainer. Maturity model and action recommendation: a PSS capability self-assessment tool for companies. Procedia CIRP, v. 64, p. 175-180, 2017.

FADZIL, Faudziah Hanim; HARON, Hasnah; JANTAN, Muhamad. Internal auditing practices and internal control system. Managerial Auditing Journal, v. 20, n. 8, p. 844-866, 2005.

FILGUEIRAS, Fernando. Indo além do gerencial: a agenda da governança democrática e a mudança silenciada no Brasil. Revista de Administração Pública, v. 52, n. 1, p. 71-88, 2018.

GAO (UNITED STATES GENERAL ACCOUNTABILITY OFFICE). Internal Control Management and Evaluation Tool. 2001. Disponível em: <http://www.gao.gov/products/GAO-01-1008G>. Acesso em: 01 jul. 2015.

GAO (UNITED STATES GENERAL ACCOUNTING OFFICE). Standards for Internal Control in the Federal Government (The Green Book). 2014.

HAY, David. Internal Control: How It Evolved in Four English – Speaking Countries. Accounting Historians Journal, v. 20, n. 1, 1993.

IFAC (INTERNATIONAL FEDERATION OF ACCOUNTANTS). Study 13 – Governance in the Public Sector. 2001.

ITGI (IT GOVERNANCE INSTITUTE). COBIT 4.1: Modelo, Objetivos de Controle, Diretrizes de Gerenciamento, Modelos de Maturidade. 2007.

JENSEN, Michael C. The Modern Industrial Revolution, Exit, and The Failure of Internal Control Systems. The Journal of Finance, v. 58, July, 1993.

JOHNSTONE, Karla M.; GRAMLING, Audrey A.; RITTENBERG, Larry E. Auditing: a risk-based approach to conducting a quality audit. 9 Ed. Boston: Cengage Learning, 2012.

LOPES JÚNIOR, Elias Pereira et al. Influência da Corrupção nos Gastos das Empresas Estatais. Revista de Administração Pública, Early View, 2018.

MCNAMEE, Michael John; FLEMING, Scott. Ethics audits and corporate governance: The case of public sector sports organizations. Journal of Business Ethics, v. 73, n. 4, p. 425-437, 2007.

MARTINS, Norberto M. Ensaio sobre a “nova” travessia. 2015. Disponível em: <http://www.ie.ufrj.br/images/pesquisa/publicacoes/discussao/2015/TD_IE_021_2015_MARTINS-v. fin.pdf>. Acesso em: 01 mai. 2016.

MINAYO, M. C. de S. Construção de indicadores qualitativos para avaliação de mudanças. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 33, n. 1, p. 83-91, 2009.

OLLAIK, L. G.; ZILLER, H. M. Concepções de validade em pesquisas qualitativas. Educação e Pesquisa, v. 38, n. 1, p. 229-241, 2012.

PÖPPELBUß, Jens; RÖGLINGER, Maximilian. What makes a useful maturity model? A framework of general design principles for maturity models and its demonstration in business process management. In: EUROPEAN CONFERENCE ON INFORMATION SYSTEMS. Anais… Helsinque, Finlândia, 2011.

PULLEN, William. A public sector HPT maturity model. Performance Improvement, v. 46, n. 4, p. 9-15, 2007.

RICHARDSON, R. J. et al. Pesquisa Social: métodos e técnicas. 3 Ed. São Paulo: Atlas, 2015.

RUBINO, Michele; VITOLLA, Filippo. Internal control over financial reporting: opportunities using the COBIT framework. Managerial Auditing Journal, v. 29, n. 8, p. 736-771, 2014.

RUBINO, Michele; GARZONI; Antonello. The impact of an IT governance framework on the internal control environment. Records Management Journal, v. 27, n. 1, p. 19-41, 2017.

SPIRA, Laura F.; PAGE, Michael. Risk management: The reinvention of internal control and the changing role of internal audit. Accounting, Auditing & Accountability Journal, v. 16, n. 4, p. 640-661, 2003.

WANDERLEY, Carlos Alexandre Nascimento; FONSECA, Ana Carolina Pimentel Duarte da; DE PAULA, Helmut Alexandre. Controles Internos no Setor Público à Luz da Estrutura do COSO: O Caso de um Órgão de Compra da Marinha do Brasil. ConTexto, v. 15, n. 30, 2015.

WHITTINGTON, Ray; PANY, Kurt. Principles of auditing & other assurance services. 18 Ed. McGraw-Hill/Irwin, 2012.

Publicado
2018-07-25
Seção
Artigos