Práticas de recursos humanos influenciam o comprometimento organizacional? Evidências para o setor varejista brasileiro

Palavras-chave: comprometimento organizacional, recursos humanos, práticas, setor varejista, Brasil

Resumo

Este estudo teve como objetivo investigar a influência das práticas de recursos humanos no comprometimento organizacional em suas três dimensões. A pesquisa foi realizada em uma rede de supermercados que atua no setor varejista brasileiro. Os questionários foram aplicados com funcionários do supermercado, compondo uma amostra final de 521 respostas válidas. Foram aplicadas técnicas de estatística descritiva, análise fatorial exploratória e modelagem de equações estruturais. Os resultados evidenciaram que o comprometimento afetivo é influenciado pelas condições de trabalho, e a prática de avaliação de desempenho e competências influencia o comprometimento de continuação, enquanto a prática de remuneração e recompensa afeta positivamente o comprometimento normativo. Este estudo contribui para a efetividade das práticas de recursos humanos e evidencia a consistência da aplicação do modelo tridimensional do comprometimento no Brasil.

Biografia do Autor

Ana Paula Moreno Pinho, Universidade Federal do Ceará

Professora da Universidade Federal do Ceará (UFC). Doutora em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). 

Clayton Robson Moreira da Silva, Universidade Federal do Ceará (UFC) e Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí (IFPI)

Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí (IFPI). Doutorando em Administração e Controladoria pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Mestre em Administração e Controladoria pela Universidade Federal do Ceará (UFC). MBA em Gestão em Finanças, Controladoria e Auditoria pelo Centro Universitário INTA (UNINTA). Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA).

Laís Vieira Castro Oliveira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí

Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí (IFPI). Doutoranda e Mestra em Administração e Controladoria pela Universidade Federal do Ceará (UFC).

Evalda Rodrigues da Silva de Oliveira, Universidade Federal do Ceará

Secretária Executiva na Universidade Federal do Ceará (UFC). Mestra em Administração e Controladoria pela Universidade Federal do Ceará (UFC).

Daniel Araújo Barbosa, Universidade Federal do Ceará

Mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC).

Referências

Abreu, M. C. S., Cunha, M. C., & Rebouças, S. M. P. (2013). Effects of personal characteristics on organizational commitment: evidence from Brazil’s oil and gas industry. The International Journal of Human Resource Management, 24(20), 3831-3852. https://doi.org/10.1080/09585192.2013.781527

Bandeira, M. L., Marques, A. L., & Veiga, R. T. (2000). As dimensões múltiplas do comprometimento organizacional: um estudo na ECT/MG. Revista de Administração Contemporânea, 4(2), 133-157. https://doi.org/10.1590/S1415-65552000000200008

Barki, E., Botelho, D. & Parente, J. (2013). Varejo: desafios e oportunidades em mercados emergentes. Revista de Administração de Empresas, 53(6), 534-538. https://doi.org/10.1590/S0034-759020130602

Bastos, A. V. B., Pinho, A. P. M., Aguiar, C. V. N., & Menezes, I. G. (2011). Comprometimento organizacional: aprimoramento e evidências de validade do modelo tridimensional de Meyer e Allen no contexto brasileiro. In J. Zanelli, N. Silva & S. R. Tolfo (Orgs.). Processos psicossociais nas organizações e no trabalho (pp. 145-160). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Cao, J., & Hamohi, M. (2016). The impact of management development practices on organizational commitment. Human Resource Management, 55(3), 499–517. https://doi.org/10.1002/hrm.21731

Cegarra-Navarro, J. G., Jiménez-Jiménez, D., García-Pérez, A., & Del Giudice, M. (2018). Building affective commitment in a financial institution through an ambidexterity context, European Business Review, 30(1), 2-25. https://doi.org/10.1108/EBR-07-2016-0093

Collis, J., & Hussey, R. (2005). Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação (2nd ed.). Porto Alegre: Bookman.

Creswell, J. W. (2014). Research design: qualitative, quantitative and mixed methods approaches (4th ed.). Thousand Oaks, CA: SAGE.

Demo, G., Fogaça, N., & Costa, A.C. (2018). Políticas e práticas de gestão de pessoas nas organizações: cenário da produção nacional de primeira linha e agenda de pesquisa. Cad. EBAPE.BR, 16(2), 250-263. https://doi.org/10.1590/1679-395159073

Demo, G., Fogaça, N., Nunes, I., Edrei, L., & Francischeto, L. (2011). Políticas de gestão de pessoas no novo milênio: cenário dos estudos publicados nos periódicos da área de administração entre 2000 e 2010. Revista de Administração Mackenzie, 12(5), 15-42. https://doi.org/10.1590/S1678-69712011000500002

Demo, G., Martins, P., & Roure, P. (2013). Políticas de gestão de pessoas, comprometimento organizacional e satisfação no trabalho na livraria cultura. Revista Alcance, 20(2), 237-254. https://doi.org/10.14210/alcance.v20n2.p237-254

Demo, G., Neiva, E. R., Nunes, I., & Rozzett, K. (2012). Human resources management policies and practices scale (HRMPPS): exploratory and confirmatory factor analysis. Brazilian Administration Review, 9(4), 395-420. https://doi.org/10.1590/S1807-76922012005000006

Fabi, B., Lacoursiere, R., & Raymond, L. (2015). Impact of high-performance work systems on job satisfaction, organizational commitment, and intention to quit in Canadian organizations. International Journal of Manpower, 36(5), 772-790. https://doi.org/10.1108/IJM-01-2014-0005

Gray, D. E. (2017). Doing research in the real world (4th ed.). Thousand Oaks, CA: SAGE.

Hair Jr., J.F., William, B., Babin, B., & Anderson, R.E. (2010). Multivariate Data Analysis (7th ed.). London: Pearson.

Hutcheson, G. D., & Sofroniou, N. (1999). The multivariate social scientist: Introductory statistics using generalized linear models. London: Sage Publications.

Jawaad, M., Amir, A., Bashir, A., & Hasan, T. (2019). Human resource practices and organizational commitment: the mediating role of job satisfaction in emerging economy. Cogent Business & Management, 6(1). https://doi.org/10.1080/23311975.2019.1608668

Jesus, R. G., & Rowe, D. E. O. (2015). Percepção de políticas de gestão de pessoas e comprometimento organizacional: o papel mediador da percepção de justiça organizacional. Tourism & Management Studies, 11(2), 211-218. https://doi.org/10.18089/tms.2015.11226

Jesus, R. G., & Rowe, D. E. O. (2017). Adaptation and obtainment of evidence for the validity of the “Scale of Perceived Sacrifices Associated with Leaving (the organization)” in the Brazilian context: a study among teachers of basic, technical, and technological education. Revista de Administração da USP, 52(1), 93-102. https://doi.org/10.1016/j.rausp.2016.10.002

Jiang, K. (2016). Strategic human resource management and organizational commmitment. In J. P. Meyer (Ed). Handbook of Employee Commitment (pp. 289-304). Massachusetts, USA.

Lee, K., Allen, N. J., Meyer, J. P., & Rhee, K-Y. (2001). The Three-Component Model of organizational commitment: an application to South Korea. Applied Psychology: An International Review, 50(4), 596-614. https://doi.org/10.1111/1464-0597.00075

Lima, C. C. A., & Rowe, D. E. O. (2014). Paradoxos na gestão de pessoas: um sobrevoo na realidade docente de uma universidade federal brasileira. In M. Jesus, C. Baptista & F. Serra. (Orgs.). Perspectivas contemporâneas em recursos humanos e empreendedorismo (pp. 130-142). Faro: UAlg ESGHT.

Lima, C. C. A., & Rowe, D. E. O. (2019). Percepção das políticas de gestão de pessoas e comprometimento organizacional em uma universidade pública. Revista Gestão Organizacional, 12(4), 118-137. https://doi.org/10.22277/rgo.v12i4.4791

Lima, C. C. A. (2014). A influência da percepção das políticas de gestão de pessoas no comprometimento organizacional: um estudo entre docentes da Universidade Federal da Bahia. Master's dissertation, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brazil.

Marescaux, E., De Winne, S., & Sels, L. (2012). HR practices and HRM outcomes: the role of basic need satisfaction. Personnel Review, 42(1), 4-27. https://doi.org/10.1108/00483481311285200

Marôco, J. (2010). Análise de equações estruturais: fundamentos teóricos, software e aplicações. Pero Pinheiro: ReportNumber.

Medeiros, C. A. F., & Enders, W. T. (1998). Validação do modelo de conceitualização de três componentes do comprometimento organizacional (Meyer e Allen, 1991). Revista de Administração Contemporânea, 2(3), 67-87. https://doi.org/10.1590/S1415-65551998000300005

Meyer, J. P., & Allen, N. J. (1991). A three-component conceptualization of organizational commitment. Human Resource Management Review, 1(1), 61-89. https://doi.org/10.1016/1053-4822(91)90011-Z

Meyer, J. P., & Allen, N. J. (1997). Commitment in the workplace: theory, research and application. London: Sage Publications.

Meyer, J. P., Allen, N. J., & Smith, C. A. (1993). Commitment to organizations and occupations: extension and test of a three-component conceptualization. Journal of Applied Psychology, 78(4), 538-551. https://doi.org/10.1037/0021-9010.78.4.538

Meyer, J. P., & Herscovitch, L. (2001). Commitment in the workplace: toward a general model. Human Resource Management Review, 11(3), 299-326. https://doi.org/10.1016/S1053-4822(00)00053-X

Meyer, J. P., & Parfyonova, N. (2010). Normative commitment in the workplace: a theoretical analysis and re-conceptualization. Human Resource Management Review, 20, 283-294. https://doi.org/10.1016/j.hrmr.2009.09.001

Meyer, J. P. (2009). Commitment in a changing world of work. In Klein, T. E. Becker & J. P. Meyer (Eds.), Commitment in organizations: accumulated wisdom and new directions (pp. 37-68). Florence, KY: Routledge/Taylor and Francis Group.

Meyer, P. J., & Smith, A. C. (2000). HRM practices and organizational commitment: test of a mediation model. Canadian Journal of Administrative Sciences, 17(4), 319-331. https://doi.org/10.1111/j.1936-4490.2000.tb00231.x

Oliveira, H. H. & Honório, L. C. (2015). Práticas de recursos humanos e comprometimento organizacional: associando os construtos em uma empresa mineira de economia mista. Proceedings of EnANPAD, Belo Horizonte, MG, Brazil, 39.

Pandey, P., Bhattacharyya, S., & Kaur, A. (2012). Exploring the role of HR practices in supply chain. Journal of Advances in Management Research, 9(1), 113-123. https://doi.org/10.1108/09727981211225680

Parente, J. G., & Barki, E. (2014). Varejo no Brasil: gestão e estratégia (2nd ed.). São Paulo: Atlas.

Pilati, R., & Laros, J. A. (2007). Modelos de equações estruturais em psicologia: conceitos e aplicações. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(2), 205-2016. https://doi.org/10.1590/S0102-37722007000200011

Pinho, A. P. M., & Bastos, A. V. B. (2014). Vínculos do trabalhador com a organização. São Paulo: Hucitec.

Pinho, L. S., Jeunon, E. E., & Duarte, L. C. (2016). Turnover in retailing: study on a supermarket network in Belo Horizonte – MG. Future Studies Research Journal: trends and strategies, 8(2), 175-195. https://doi.org/10.24023/FutureJournal/2175-5825/2016.v8i2.272

Powell, D. M. & Meyer, J. P. (2004). Side-bet theory and the three-component model of organizational commitment. Journal of Vocational Behavior, 65(1), 157-177. https://doi.org/10.1016/S0001-8791(03)00050-2

Semedo, A. S., Coelho, A., & Ribeiro, N. (2019). Authentic leadership, happiness at work and affective commitment: An empirical study in Cape Verde. European Business Review, 31(3), 337-351. https://doi.org/10.1108/EBR-01-2018-0034

Souza, M. Z. A., & Souza, V. L. (2016). Gestão de pessoas: uma vantagem competitiva? Rio de Janeiro: FGV Editora.

Tanure, B., Evans, P., & Cançado, V. L. (2010). As quatro faces de RH: analisando a performance da gestão de recursos humanos em empresas no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, 14(4), 594-614. https://doi.org/10.1590/S1415-65552010000400003

Tanure, B., Evans, P., & Pucik, V. (2007). Virtudes e pecados capitais: a gestão de pessoas no Brasil. Rio de Janeiro, Elsevier.

Trindade, L. H., Trindade, C. G., & Nogueira, E. C. O. R. (2015) Lacunas na pesquisa em gestão de pessoas: uma proposta de agenda para pesquisas futuras. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 5(1), 169-183. https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/pgc/article/view/18139

Wasti, S. A., & Önder, Ç. (2009). Commitment across cultures: progress, pitfalls and propositions. In H. J. Klein, T. E. Becker & J. P. Meyer (Eds.), Commitment in organizations: accumulated wisdom and new directions (pp. 309-343). Florence, KY: Routledge//Taylor and Francis Group.

Wasti, S. A. (2003). Organizational commitment, turnover intentions and the influence of cultural values. Journal of Occupational and Organizational Psychology, 76(3), 303–321. https://doi.org/10.1348/096317903769647193

Wasti, S. A. (2016). Understanding commitment across cultures: an overview. In J. P. Meyer (Ed.). Handbook of Employee Commitment (pp. 363–75). Northampton, MA: Edward Elgar Publishing, Inc.

Wright, P. M., & Kehoe, R. R. (2009). Organizational-level and antecedents and consequences of commitment. In H. J. Klein, T. E. Becker & J. P. Meyer (Eds.), Commitment in organizations: accumulated wisdom and new directions (pp. 285-308). Florence, KY: Routledge /Taylor and Francis Group.

Publicado
2020-05-11
Como Citar
Pinho, A. P. M., Silva, C. R. M. da, Oliveira, L. V. C., Oliveira, E. R. da S. de, & Barbosa, D. A. (2020). Práticas de recursos humanos influenciam o comprometimento organizacional? Evidências para o setor varejista brasileiro. Contextus – Revista Contemporânea De Economia E Gestão, 18, 52-66. https://doi.org/10.19094/contextus.2020.43473
Seção
Artigos