INVESTIGAÇÃO DA RELAÇÃO ENTRE A CAPACIDADE RELACIONAL E O DESEMPENHO DA CARTEIRA DE ALIANÇAS NO SEGMENTO DE LABORATÓRIOS FARMACÊUTICOS BRASILEIROS

  • Jessica Ribeiro Cordeiro Graduada no curso de Administração de Empresas da Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM)
  • Walter Bataglia Professor do corpo permanente do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Administração (PPGA) da Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM), São Paulo, SP, Brasil.
Palavras-chave: Alianças Estratégicas, Capacidade Relacional, Desempenho da Carteira de Alianças, Capacidade Dinâmica das Organizações, Setor Farmacêutico Brasileiro.

Resumo

O objetivo deste trabalho é compreender a relação processual entre as atividades de gestão de alianças, ou seja, a capacidade relacional, e o desempenho da carteira de alianças no segmento de laboratórios de saúde humana no setor farmacêutico brasileiro. Utilizou-se a estratégia de quatro estudos de caso de alianças estratégicas contratuais em empresas distintas a partir de entrevistas com os gestores responsáveis pelas alianças. As entrevistas foram transcritas e analisadas por meio da técnica de análise de conteúdo temática categorial com categorias definidas a priori. Concluiu-se que a capacidade relacional e a experiência prévia com alianças reduzem os custos de transação e podem gerar um desempenho da carteira de alianças que supera os custos de coordenação.

Biografia do Autor

Jessica Ribeiro Cordeiro, Graduada no curso de Administração de Empresas da Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM)
Graduada no curso de Administração de
Empresas da Universidade Presbiteriana
Mackenzie (UPM)
Walter Bataglia, Professor do corpo permanente do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Administração (PPGA) da Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM), São Paulo, SP, Brasil.
Walter Bataglia é doutor em administração (2006) pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da Universidade de São Paulo (USP). É professor de administração na Universidade Presbiteriana Mackenzie, na qual leciona teoria das organizações e estratégia na graduação e no Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Administração (PPGA).

Referências

AMARAL, G.; AMARAL, L.; AMORIELLO, M. (orgs.) Guia Prático - Alianças Estratégicas com empresas brasileiras: uma visão legal. 1ª ed. São Paulo: Lex Editora. 2011.

ANAND, B. N.; KHANNA, T. Do firms learn to create value? The case of alliances. Strategic Management Journal, v.21,n.3 p. 295-315. 2000.

ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Bulário eletrônico. Disponível em <http://www4.anvisa.gov.br/BularioEletronico/>. Acesso em: 20 fev. 2013.

ARIÑO, A. Measures of Strategic Alliance Performance: An Analysis of Construct Validity. Journal of International Business Studies, v.34, n.1, p. 66-79, 2003.

BAIARDI, A. Entre a competição e a cooperação: valores e atitudes empresariais na perspectiva de uma atuação sistêmica. Organizações & Sociedade, v. 7, n. 19,p. 67- 80, 2014.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2000.

COASE, R. H. The nature of the firm. Economica, v.4, n.2, p.386-405, 1937.

DOSI, G.; TEECE, D. Organizational Competence and the Boundaries of the Firm, CCC Working Paper,v. 3, n.1,p. 93-11, UC-B, 1993.

DYER, J.; KALE, P. Relational capabilities. In HELFAT, C. E.; FINKELSTEIN, S.; MITCHELL, W.; PETERAF, M. A.; SINGH, H.; TEECE, D. J.; WINTER, S. G. Dynamic Capabilities,v. 2,n. 3 p. 65-79. Malden, MA: Blackwell. 2007.

EISENHARDT, K. M. Building theory from case study research. Academy of Management Review, v.14, n.4, p.532-550, 1989.

ESTRELLA, A.; BATAGLIA, W. A influência da rede de alianças no crescimento das empresas de biotecnologia de saúde humana na indústria brasileira. Organizações & Sociedade, v.20,n.35 p 321-340, 2013.

GULATI, R. Alliances and networks. Strategic Management Journal, v. 19, n.4, p. 293-317, 1998.

GULATI, R.; NICKERSON, J. Interorganizational Trust, Governance Choice, and Exchange Performance. Organization Science, v.19, n.5, September–October, 2008.

HAGEDOORN, J.; NARULA, R. Choosing modes of governance for strategic technology partnering. Journal of International Business Studies, v. 27, p. 265–284. 1996.

JUDGE, W. Q.; DOOLEY, R. S. Strategic alliance outcomes: A transaction-cost economics perspective. British Journal of Management, v.16, n.1, p.1-15, 2006.

KRISHNAN, R.; MARTIN, X.; NOORDERHAVEN, N. G. When does trust matter to alliance performance? Academy of Management Journal, v.49,n.4, p. 894-917. 2006.

LARENTIS, F. et al. Aprendizagem Organizacional e Relacionamentos Interorganizacionais: Um Estudo de Casos Múltiplos. Revista Base (Administração e Contabilidade) da UNISINOS, v. 11, n. 4, p. 347-366, 2014.

MCGILL, J. P.; SANTORO, M. D. Alliance portfolios and patent output: The case of biotechnology alliances. IEEE Transactions on Engineering Management, v.56 , n.3.p.388-401. 2009.

MARQUEZ,R. Alianças Estratégicas.1ª Ed. Campinas,SP:Editora Alíneas,2003.

MÉNARD, C. Hybrid organization of production and distribution. Revista de Análisis Económico, v.21, n.2,p. 25-41, 2006.

MESQUITA, D. L.; et al. O Desenvolvimento de processos de inovação sob a ótica da teoria dos custos de transação: o caso da tecnologia Flex-Fuel Doi. RAI: revista de administração e inovação, v. 10, n. 1, p. 119-140, 2013.

MILAGRES, R. O desenvolvimento de capacidades em gestão de alianças: Uma revisão da literatura. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, v. 12, n. 1, p. 2-12, 2013.

MILAGRES, R.; REZENDE, O.; GONÇALVES, C. Capacidades Como Condição Necessaria Sed Non Sufficiens para a Gestão da Carteira de Alianças Estratégicas–O Caso Embrapa. Revista Gestão & Tecnologia, v. 14, n. 2, p. 25-50, 2014.

NARULA, R.; HAGEDOORN, J. Innovating through strategic alliances: Moving towards international partnerships and contractual agreements. Technovation, v.19,n.1, p.283-294. 1999.

NELSON, R.; WINTER, S. An evolutionary theory of economic change. Cambridge: Harvard University Press, 1982.

OLIVEIRA, M..; RODRIGUES, L.; RIBEIRO, L. Alianças estratégicas como vantagem competitiva em um cenário globalizado. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, v. 3, n. 2, p. 171-192, 2012.

PARANHOS, J. Interação entre empresas e instituições de ciência e Tecnologia – o caso do sistema farmacêutico de inovação brasileira. Rio de Janeiro: EDUERJ,2012.

PISANO, G. P. Using equity participation of support exchange: evidence from the biotechnology industry. Journal of Law, Economics and Organization, v.5,n.1, p.109-126, 1989.

POWELL, W. W; KOPUT, K. W.; OWEN-SMITH, J. Interorganizational collaboration and the locus of innovation. Administrative Science Quarterly. v.41,n.1, p.116-145, 1996.

SCHILKE, O. On the contingent value of dynamic capabilities for competitive advantage: the nonlinear moderating effect of environmental dynamism. Strategic Management Journal. 2013.

SCHILKE, O.; GOERZEN, A. Alliance Management Capability. Journal of Management, v.36, n.5, p. 1192-1219, 2010.

SOUZA, D; BALDIN, C. O papel das alianças estratégicas na competitividade das cooperativas de leite. Organizações Rurais & Agroindustriais, v. 7, n. 3, p. 324-334, 2011.

TEECE, D. J. Competition, cooperation, and innovation. Journal of Economic Behavior and Organization, v. 18,n.1, p. 1–25. 1992.

TEECE, D. J.; PISANO. G. The dynamic capabilities of firms: an introduction. Industrial and Corporate Change, v.3,n.3, p.537-556, 1994.

WILLIAMSON, O. E. The economic institutions of capitalism: firms, markets and relational contracting. New York: The Free Press, 1985.

WILLIAMSON, O. E. Comparative economic organization. Administrative Science Quarterly, v.36, n.2, p.269-296. 1991.

WILLIAMSON, O. E. Strategy research: Governance and competence perspectives. Strategic Management Journal, v. 20,n.12, p.1087-1108. 1999.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2ª edição. Porto Alegre: Bookman, 2001.

YIN, Robert K. Estudo de Caso-: Planejamento e Métodos. Bookman editora, 2015.

Publicado
2015-06-05
Seção
Artigos