ESTRUTURA DO PLANO DE REMUNERAÇÃO DE EXECUTIVOS DAS COMPANHIAS ABERTAS DO BRASIL

  • Paulo Vitor Souza de Souza Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
  • Andréa Paula Osório Duque Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
  • Dércio Santiago da Silva Junior Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
Palavras-chave: Plano de Remuneração, Hipótese do Incentivo, Teoria da Agência, Conflito de Agência, Alinhamento de Interesses.

Resumo

Este estudo objetiva evidenciar a estrutura do plano de remuneração das companhias abertas brasileiras, identificando se os incentivos oferecidos aos gestores ajudam a minimizar o conflito de agência entre as partes. Um plano de remuneração bem estruturado auxilia no alinhamento dos interesses entre o principal e agente. O estudo caracteriza-se como descritivo, documental e qualitativo. Foram analisados os formulários de referência de 291 empresas de capital aberto que disponibilizaram informações referentes à remuneração dos executivos, nos anos de 2011 a 2013. Mais da metade das empresas adotam apenas remuneração de curto prazo e poucas empresas oferecem remuneração pós-emprego aos seus executivos. Esses fatores incentivam para que os executivos maximizem seus próprios interesses, prejudicando os interesses do principal no longo prazo. Conclui-se que os planos de remunerações das companhias abertas do Brasil facilitam a manipulação de informações, levando em consideração muitas remunerações de curto prazo, e remunerações baseadas em números contábeis.

Biografia do Autor

Paulo Vitor Souza de Souza, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
Mestrando do Programa de Pós Graduação em Ciências Contábeis da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).
Andréa Paula Osório Duque, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
Doutora pela Universidade FederalFluminense (UFF); Professora Visitante do PPGCC da Universidade do Estado do Riode Janeiro (UERJ).
Dércio Santiago da Silva Junior, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
Doutor pela Universidade do Estado doRio de Janeiro (UERJ); Professor Adjuntodo PPGCC da Universidade do Estado doRio de Janeiro (UERJ).

Referências

BEBCHUK, Lucian Arye; FRIED, Jesse M. Executive Compensation as an Agency Problem. Journal of Economic Perspectives, Pittsburgh, v. 17, n. 3, p.71-92, 2003.

BEBCHUK, Lucian A.; SPAMANN, Holger. REGULATING BANKERS’PAY. Georgetown Law Journal, New Jersey, v. 98, n. 1, p.247-287, 2010.

BEUREN, Ilse Maria; MAZZIONI, Sady; SILVA, Marcia Zanievicz da. Remuneração dos Executivos Versus Desempenho das Empresas. Revista Adm. Faces Journal, Belo Horizonte, v. 13, n. 2, p.8-25, 2014.

BRASIL. Instrução Normativa nº 480, de 07 de janeiro de 2009. Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Disponível em: <http://www.cvm.gov.br/>. Acesso em: 22 fev. 2015

COUGHLAN, Anne T.; SCHMIDT, Ronald M.. EXECUTIVE COMPENSATION, MANAGEMENT TURNOVER, AND FIRM PERFORMANCE: An Empirical Investigation. Journal of Accounting And Economics, North-holland, v. 1, n. 7, p.43-66, 1985.

FARRELL, Anne M.; KADOUS, Kathryn; TOWRY, Kristy L.. Contracting on Contemporaneous versus Forward-Looking Measures: An Experimental Investigation. Contemporary Accounting Research, Toronto, v. 25, n. 3, p.773-802, 2008.

FERNANDES, Francisco Carlos; SILVA, Júlio César da. Remuneração dos Executivos: Análise dos Quatro Maiores Bancos Estatais e dos Quatro Maiores Bancos Privados Listados na Bm&Fbovespa;. In: Encontro da ANPAD, 37, 2013, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: 2013.

GONZAGA, Rosimeire Pimentel; YOSHINAGA, Claudia Emiko; EID JUNIOR, William. Relação Entre os Sistemas de Incentivos Oferecidos aos Gestores e Desempenho das Empresas Brasileiras. Revista Contabilidade Vista & Revista, Belo Horizonte, v. 24, n. 3, p.103-118, 2013.

JENSEN, Michael C.; MECKLING, Willian. H. Theory of the Firm: Managerial Behavior, Agency Costs and Ownership Structure. Journal of Financial Economics, v. 3, n. 4, p.305-360, 1976.

JENSEN, Michael C.; MURPHY, Kevin J.; WRUCK, Eric G.. Remuneration: Where we’ve been, how we got to here, what are the problems, and how to fix them. Harvard NOM Working Paper, Boston, v. 28, n. 4, p.1-105, 2004. Disponível em: http://ssrn.com/abstract=561305>. Acesso em: 20 abr. 2015.

KRAUTER, Elizabeth. Remuneração de Executivos e Desempenho Financeiro: um Estudo com Empresas Brasileiras. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, Brasília, v. 7, n. 3, p.259-273, 2013.

MACHADO, Débora Gomes; BEUREN, Ilse Maria. Política de Remuneração de Executivos: Um Estudo em Empresas Industriais Brasileiras, Estadunidenses e Inglesas, Bento Gonçalves, p.1-16, 2013.

NARAYANAN, M. P.. Managerial Incentives for Short-term Results. The Journal of Finance, San Francisco, v. 40, n. 5, p.1469-1484, 1985.

SOUZA, Paulo Vitor Souza de; FARIAS, Kelly Teixeira Rodrigues. Remuneração dos Executivos e Desempenho Financeiro das Companhias Abertas Brasileiras. In: CONGRESSO USP DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EM CONTABILIDADE, 12., 2015, São Paulo. Anais... São Paulo: -, 2015. p. 1 - 16.

WATTS, Ross L.; ZIMMERMAN, Jerold L.. Towards a Positive Theory of the Determination of Accounting Standards. The Accounting Review, Sarasota, v. 3, n. 1, p.112-134, 1978.

WATTS, Ross L.; ZIMMERMAN, Jerold L.. The Demand for and Supply of Accounting Theories: The Market for Excuses. The Accounting Review, Sarasota, v. 4, n. 2, p.273-305, 1979.

WATTS, Ross L.; ZIMMERMAN, Jerold L.. Positive Accounting Theory: A Ten Year Perspective. The Accounting Review, Sarasota, v. 65, n. 1, p.131-156, 1990.

Publicado
2016-06-23
Como Citar
Souza, P. V. S. de, Duque, A. P. O., & Silva Junior, D. S. da. (2016). ESTRUTURA DO PLANO DE REMUNERAÇÃO DE EXECUTIVOS DAS COMPANHIAS ABERTAS DO BRASIL. Contextus – Revista Contemporânea De Economia E Gestão, 14(1), 135-162. https://doi.org/10.19094/contextus.v14i1.795
Seção
Artigos