BIOPOLÍTICA E ESCOLA MODERNA: APONTAMENTOS PARA UM DEBATE

Marcelo Rito, Julio Groppa Aquino

Resumo


O presente artigo dedica-se a contribuir para o debate acerca dos estudos foucaultianos na educação realizados no Brasil atualmente, por meio da proposição de um plano investigativo voltado à díade biopolítica-escolarização, sobretudo no que diz respeito à implementação da pedagogia moderna no país nas décadas de 1920/30, cujos ecos parecem persistir na atualidade educacional. Para tanto, são retomadas as teses principais da teorização de Michel Foucault acerca da “estatização do biológico” e da emergência da população como problema político, por meio da ascensão de procedimentos públicos voltados à regulamentação dos contingentes populacionais em seu conjunto sem a necessidade de estabelecer novas instituições de sequestro, tal como ocorrera na era disciplinar. Em seguida, são revisitados criticamente alguns estudos de cunho historiográfico que se valeram de tal referencial para entabular suas análises, os quais parecem ter se confinado em um tipo de interpretação da biopolítica no campo educacional como imposição, ressignificação ou mero disciplinamento das populações escolares. Daí a escola moderna ser tomada amiúde como tributária de um amplo programa ideológico dedicado a desviar os cidadãos e, mais especificamente, os escolares de uma suposta origem livre, igualitária e autêntica. Ao final das discussões, são apresentadas algumas digressões acerca das possibilidades analíticas oferecidas pelos últimos cursos ministrados por Foucault, por meio das quais talvez se lograsse ultrapassar o binarismo poder/resistência, alcançando o cerne dos processos de veridicção/subjetivação que levam os indivíduos modernos a se conceberem como seres em permanente desenvolvimento, em busca de constante segurança e autocontrole perante um mundo de infinitos estímulos para corpos tidos como limitados, mas plenamente adaptáveis.

Palavras-chave


biopolítica; educação; escolanovismo; Michel Foucault

Texto completo:

PDF

Referências


CAMPOS, Roselane Fátima; SHIROMA, Eneida Oto. O resgate da Escola Nova pelas reformas educacionais contemporâneas. Revistas Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 80, n. 196, p. 483-493, set./dez. 1999.

CARVALHO, Marta Maria Chagas de. Quando a história da educação é a história da disciplina e da higienização das pessoas. In: FREITAS, Marcos Cezar de (Org.). História social da infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 2006. p. 291-310.

CUNHA, Marcus Vinicius da. Dewey e Piaget no Brasil dos anos trinta. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 97, p. 5-12, mai. 1996.

D’AVILA, Jerry. Diploma de brancura: política social e racial no Brasil. 1917-1945. São Paulo: Editora UNESP, 2006.

FAZENDA, Ivani Catarina Arantes; SOUZA, Fernando César de. Diálogos interdisciplinares em saúde e educação: a arte de cuidar. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 37, n. 1, p. 107-124, jan./abr. 2012.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. Petrópolis: Vozes, 1987.

______. Os anormais: curso dado no Collège de France (1974 – 1975). São Paulo: Martins Fontes, 2001.

______. Em defesa da sociedade: curso dado no Collège de France (1974 – 1975). São Paulo: Martins Fontes, 2005.

______. O poder psiquiátrico: curso dado no Collège de France (1973-1974). São Paulo: Martins Fontes, 2006.

______. A hermenêutica do sujeito: curso dado no Collège de France (1981-1982). São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

______. O governo de si e dos outros: curso dado no Collège de France (1982-1983). São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010a.

______. A coragem da verdade: curso no Collège de France (1983-1984). São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

______. Do governo dos vivos: curso no Collège de France (1979-1980). São Paulo: WMF Martins Fontes, 2014.

______. Subjetividade e verdade: curso no Collège de France (1980-1981). São Paulo: WMF Martins Fontes, 2016.

GARCIA, Ronaldo Aurélio Gimenes. Educação e psicanálise: a criança problema na perspectiva de análise da obra de Arthur Ramos (Rio de Janeiro 1930-1940). Praxis Educativa, Ponta Grossa, v. 1, n. 2, p. 65-76, jul./dez. 2006.

GONDRA, José Gonçalves. Artes de civilizar: medicina, higiene e educação escolar na corte imperial. Rio de Janeiro: Editora UERJ, 2004.

GONDRA, José Gonçalves. A emergência da infância. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 26, n. 1, p. 195-214, abr. 2010.

HERSCHMANN, Micael. Entre a insalubridade e a ignorância: a construção do campo médico no Brasil. In: HERSCHMANN, Micael; KROPF, Simone; NUNES, Clarice. Missionários do progresso: médicos, engenheiros e educadores no Rio de Janeiro – 18701937. Rio de Janeiro: Diadorim, 1996.

KUHLMANN JR., Moisés. Histórias da educação infantil brasileira. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 14, p. 5-18, maio/jun./jul./ago. 2000.

LOBO, Lilian Ferreira. Os infames da história: a instituição das deficiências no Brasil. Tese (Doutorado) – Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, 1997.

MATE, Cecília Hanna. Tempos modernos na escola: os anos 30 e a racionalidade da educação brasileira. Bauru: EDUSC, 2002.

MOGILKA, Maurício. Educar para a democracia. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 119, p. 129-146, jul. 2003.

MONARCHA, Carlos. Escola normal da praça: o lado noturno das luzes. Campinas: Editora da UNICAMP, 1999.

MOURA, Francisco; SILVA, Talitha Elen. A educação clínica como metodologia pedagógica: investigação sobre a aplicação da psicanálise na área educacional em Minas Gerais. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 25, n. 1, p. 265-291, jan. 2009.

NUNES, Clarice. Historiografia comparada da escola nova: algumas questões. Revista da Faculdade de Educação, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 105-125, jan./jun. 1998.

PATTO, Maria Helena de Souza. A produção do fracasso escolar. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1999.

RAGO, Luzia Margareth. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar. Brasil (1890-1930). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

RICHTER, Ana Cristina; VAZ, Alexandre Fernandes. Educar e cuidar do corpo: biopolítica no atendimento à pequena infância. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 29, n. 4, p. 117-134, ago. 2010.

ROCHA, Heloisa Pimenta. A higienização dos costumes: educação escolar e saúde no projeto do Instituto de Hygiene de São Paulo (1918-1925). Campinas: Mercado de Letras, 2003.

______. Alfabetização, saneamento e regeneração nas iniciativas de difusão da escola primária em São Paulo. Pro-Posições, Campinas, v. 22, n. 2(65), p. 151-172, maio/ago. 2011.

SANTOS, Heloísa Occhiuzedos. Ideário pedagógico municipalista de Anísio Teixeira. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 10, p. 105-124, jul. 2000.

TELES, Ana Maria Orofino; CERQUEIRA, Teresa Cristina Siqueira. A pedagogia do si mesmo: debate sobre a emergência do sujeito que aprende. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 38, n. 3, p. 931-951, jul./set. 2013.

VALE, Antonio Marques do. Abordagem sobre um tema complexo de história: a relação entre finalidades da educação, poder e interesses. Praxis Educativa, Ponta Grossa, v. 4, n. 1, p. 41-50, jan./jun. 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2317-2010

Indexadores:


Portal de Periódicos da UFC

Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas - SEER

Sistema Regional de Información en Linea para Revistas Cientificas de America Latina, Caribe, España y Portugal - LATINDEX

CNEN Revista de Livre Acesso - LivRe

Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades - CLASE

Elektronische Zeitschriftenbibliothek - EZ3

Information Matrix for the Analysis of Journals - MIAR

European Reference Index for the Humanities and Social Sciences - ERIHPLUS

Academic Resource Index – Research Bible

Sumários de Revistas Brasileiras – Sumários.org

Academic Keys Humanities - Professional and Technical Journals

OAJI.net – Open Academic Journals Index

Beluga

WorldCat OCLC

SIS – Scientific Indexing Services

InfoBase Index

Portal de Periódicos CAPES

Biblat - Bibliografía Latinoamericana

Diadorim