BREVES INDICAÇÕES SOBRE O CONTEXTO HISTÓRICO, OS LIMITES E AS CONTRADIÇÕES DA ESQUERDA HEGELIANA

  • Frederico Jorge Ferreira Costa
Palavras-chave: Alemanha, Neohegelianismo, Luta de Classes.

Resumo

O presente artigo é expressão de um dos momentos de pesquisa pós-doutoral centrada na construção do método em Karl Marx, o que exigiu um diálogo crítico com a filosofia neohegeliana, em particular com a denominada, não sem divergências, esquerda hegeliana. Nesse sentido, busca-se inserir o neohegelianismo no contexto das contradições de classes próprias da realidade alemã do século XIX. O núcleo central da análise é a relação entre filosofia da esquerda hegeliana e a possibilidade de constituição de um movimento liberal no quadro histórico de emergência política do proletariado. Por meio da leitura imanente de fontes primárias, de pesquisadores da temática e intérpretes, esta exposição estrutura-se em três partes. Primeiramente, a exposição da realidade alemã na transição dos séculos XVIII-XIX, sem a qual é impossível compreender a constituição da esquerda hegeliana. Em segundo lugar, apresentam-se os contornos gerais do pensamento de Hegel, em seus elementos progressivos e contraditórios. Por último, levantam-se indicações a partir de problematizações sobre contribuições selecionadas de pensadores emblemáticos da denominada esquerda hegeliana com suas contradições e limitações frente ao horizonte alemão da luta de classes.

Referências

CORNU, Auguste. Karl Marx et Friedrich Engels: leur vie est leur oeuvre - Tome Premier - Les années d‟enfance et de jeunesse, la gauche hégélienne, 1818/1820-1844. Paris: Presses Universitaires de France, 1955.

COUTINHO, Carlos Nelson. O estruturalismo e a miséria da razão. 2 ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

STRAUSS, David. The life of Jesus: critically examined. Fourth Edition. London: Swan Sonnenschein & CO. Lim., 1902.

ENGELS, Friedrich. Ludwig e o fim da filosofia clássica alemã. In: MARX, Karl & ENGELS, Friedrich. Obras escolhidas. Tomo III. Lisboa-Moscovo: “Avante!” -Progresso, 1985.

FEUERBACH, Ludwig. A essência do cristianismo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

HEINRICH, Michael, Karl Marx e o nascimento da sociedade moderna: biografia e desenvolvimento de sua obra, volume 1: 1818-1841. São Paulo: Boitempo, 2018.

KOLAKOWSKI, Leszek. Las principales corrientes del marxismo: I – Los fundadores. Madrid: Alianza Editorial, 1980.

LÖWITH, Karl. De Hegel a Niestzshe: a ruptura revolucionária no pensamento do século XIX, Marx e Kierkegaard. São Paulo: Editora da UNESP, 2014.

MÉSZÁROS, István. Para além do capital. São Paulo/Campinas: Boitempo/Unicamp, 2002.

NETTO, José Paulo. Marxismo impenitente; contribuição à história da idéias marxistas. São Paulo: Cortez, 2004.

TAYLOR, Charles. Hegel: sistema, método e estrutura. São Paulo: É Realizações Editora, 2014.

VÁZQUEZ, Adolfo Sánchez. Filosofia da práxis. 2ª ed. Buenos Aires/São Paulo: Clacso/Expressão Popular, 2011.

Publicado
2018-07-30
Seção
Dossiê A Filosofia Neohegeliana: Sobre a Necessidade de um Debate na Atualidade