OS SENTIDOS DA POBREZA NA FENOMENOLOGIA DO ESPÍRITO DE HEGEL

  • Pedro Geraldo Aparecido Novelli
Palavras-chave: Abundância. Acúmulo. Satisfação.

Resumo

A pobreza é definida enquanto um estado no qual alguém ou um país todo se encontra e que é marcado por uma grande carência de dinheiro, bens, posses e meios para se viver. O termo pobreza também pode ser empregado para qualificar a pouca ou inexistente qualidade de alguma coisa como uma casa ou o presente texto. O objetivo do presente texto é identificar e expor os possíveis significados da palavra pobreza, “Armut” no original em alemão, na Fenomenologia do Espírito de Hegel. A palavra é empregada por Hegel em quatro momentos bem específicos, mas que acabam por se destacar em figuras estruturais da Fenomenologia. A primeira menção se dá no Prefácio à obra que expressa o desconforto hegeliano de antecipar aí o que somente pode ser compreendido com o desenvolvimento da obra. A segunda menção acontece na seção dedicada à Certeza e à verdade da razão. A terceira menção ocorre na figura do Espírito na qual também a palavra pobreza é empregada pela quarta e última vez.

Referências

G.W.F. HEGEL. Phänomenologie des Geistes. Neu herausgegeben von Hans-Friedrich Wessels und Heinrich Clairmont. Mit einer Einleitung von Wolfgang Bonsiepen. Felix Meiner Verlag: Hamburg, 2006.

G.W.F. HEGEL. Phänomenologie des Geistes. Auf der Grundlage der Werke von 1832-1845 neu editierte Ausgabe Redaktion und herausgegeben von Eva Moldenhauer und Karl Markus Michel. Werke in Zwanzig Bände. Werke 3. Suhrkamp: Frankfurt am Main, 1986.

G.W.F. HEGEL. Phenomenology of Spirit. Translated by A.V. Miller with Analysis of the text and Foreword by J.N. Findley. Oxford University Press: Oxford, 1977.

G.W.F. HEGEL. Fenomenologia do Espírito. Tradução de Paulo Meneses com a colaboração de Karl-Heinz Efken e José Nogueira Machado. 3ª edição. Editora Vozes: Petrópolis, 2005.

G.W.F. HEGEL. Fenomenologia do Espírito. Partes I e II. Tradução de Paulo Meneses com a colaboração de Karl-Heinz Efken e José Nogueira Machado. Editora Vozes: Petrópolis, 1992.

G.W.F. HEGEL. Enciclopédia das Ciências Filosóficas em Compêndio. 1830. Volume I, II e III A Filosofia do Espírito. Texto completo, com os Adendos Orais, traduzido por Paulo Meneses com a colaboração do Pe. José Machado. Edições Loyola, São Paulo, 1995, p. 182-209.

G.W.F. HEGEL. Linhas Fundamentais da Filosofia do Direito ou Direito Natural e Ciência do Estado em Compêndio. Tradução de Paulo Meneses et. al. Edições Loyola: São Leopoldo, 2010.

Publicado
2018-07-30