SOBRE A RELAÇÃO DA LÓGICA COM A ONTOLOGIA EM HEGEL. NOTAS PARA UMA DISCUSSÃO DA INTERPRETAÇÃO DE REDDING

  • Federico Orsini
Palavras-chave: Lógica. Ontologia. Pressuposição. Transcendental. Objetividade.

Resumo

O objetivo do presente artigo é examinar as pressuposições de uma recente interpretação de Redding acerca da relação da Lógica com a Ontologia em Hegel. Especificamente, pretendo questionar: (i) o modo em que Redding reconstrói as linhas de continuidade e de descontinuidade entre Aristóteles, Kant e Hegel; (ii) a interpretação da dialética de Hegel em termos de uma pragmática do uso linguístico; (iii) a explicação da objetividade do pensamento por meio das noções de intencionalidade, realismo e falibilismo; (iv) o critério de distinção entre Lógica Objetiva e Lógica Subjetiva na Ciência da Lógica de Hegel. Minha conclusão é que a ontologia, enquanto teoria do ser, somente pode se justificar para Hegel enquanto lógica, a qual constitui a ciência do ser enquanto ser pensado. Todavia, o caráter dialético-especulativo da Lógica hegeliana não admite uma abordagem transcendental no sentido kantiano ou neo-transcendental, porque essa mesma abordagem é vulnerável a objeções céticas de tipo radical, objeções que uma lógica dialética pretende incorporar ao caminho de apresentação autocrítica das categorias.

Referências

BORDIGNON, M. Ai limiti della verità. Il problema della contraddizione nella logica di Hegel. Pisa: ETS, 2014.

BRANDOM, R. ―Hegel e a filosofia analítica‖. Veritas. Porto Alegre: v.56, n.1, 2011, pp.78-94.

BRINKMANN, K. Idealism without Limits. Hegel and the Problem of Objectivity. Dordrecht-New York: Springer, 2010.

CORTI, L. Ritratti hegeliani. Un capitolo della filosofia americana contemporanea. Roma: Carocci, 2014.

DÜSING, K. Hegel e l’antichità classica. Napoli: Città del Sole, 1998.

___________ ―Grundformen der Ontologie bei Kant und bei Hegel‖, Quaestio, 9 (2009), pp.311-324.

FERRARIN, A. Il pensare e l’io. Hegel e la critica di Kant. Roma: Carocci, 2016.

FORSTER, M. Hegel and Skepticism. Cambridge: Harvard University Press, 1989.

GIUSPOLI, P. ―Objektive und Subjektive Logik. Über die allgemeine Organisation der Hegelschen Logik in den ersten Nürnberger Jahren‖. Hegel-Studien. Hamburg: Meiner, 35, 2000, pp. 77-106.

HALBIG, C. Objektives Denken. Erkenntnistheorie und Philosophy of Mind in Hegels System, Stuttgart – Bad Canstatt, 2002.

HARTMANN, K. ―Hegel: A Non-Metaphysical View‖. Em: Hegel: A Collection of Critical Essays. MacIntyre A. (Org.). Notre Dame: Notre Dame Press, 1972, pp. 101-124.

HEGEL, G.W.F. Enciclopédia das Ciências Filosóficas em Compêndio (1830). Vol. I: A Ciência da Lógica (tradução de Paulo Meneses). São Paulo: Edições Loyola, 1995.

HEGEL, G.W.F. Ciência da Lógica. 1. A Doutrina do Ser. Petrópolis: Vozes, 2016.

HEIDEMANN, D. Der Begriff des Skeptizismus. New York: De Gruyter, 2007.

HOULGATE, S. The Opening of Hegel’s Logic. Indiana: Purdue University Press, 2006.

IBER & ORSINI & NARDI & BAVARESCO. ―Teoria do juízo na lógica do conceito de Hegel‖. Revista Opinião Filosófica, Porto Alegre, v. 06; nº. 01, 2015, pp. 34-48.

ILLETTERATI, L. (Org.) L’oggettività del pensiero. La filosofia di Hegel tra idealismo, anti-idealismo e realismo. Trento: Verifiche, 36, 2007.

KERVÉGAN, J.F. ―La science de l‘idée pure‖. Archives de Philosophie. Paris: n. 75, 2012, pp. 199-215.

LAU, C.-F. ―The Aristotelian-Kantian and Hegelian Approaches to Categories‖. The Owl of Minerva, 40:1 (2008-2009), pp.77-114.

LONGUENESSE, B. Hegel and the Critique of Metaphysics. translated by Nicole J. Simek. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.

NUZZO, A. (Org.) Hegel and the Analytic Tradition. New York: Continuum, 2009.

ORSINI, F. A Teoria Hegeliana do Silogismo. Tradução e Comentário. Porto Alegre: Editora Fi, 2016.

____________ ―O projeto hegeliano de uma filosofia livre de pressuposições‖ (artigo aceito para a publicação pela revista Kriterion).

PIPPIN, R. Hegel’s Idealism. The Satisfactions of Self-Consciousness. Cambridge: Cambridge University Press, 1989.

PINKARD, T. ―The Logic of Hegel‘s Logic‖. The Journal of the History of Philosophy, 17, 1979, pp. 417-435.

REDDING, P. Analytic Philosophy and the Return of Hegelian Thought. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.

____________ The Relation of Logic to Ontology in Hegel, in Categories and Being. Essays on Metaphysics and Logic, eds. L.Haaparanta and J.Koskinen, Oxford University Press, 2012, pp.145-166.

SCHÄFER, R. Die Dialektik und ihre besonderen Formen in Hegels Logik. ―Hegel-Studien‖, Beiheft 45. Hamburg: Meiner, 2001.

TRISOKKAS. I. Pyrrhonian Skepticism and Hegel’s Theory of Judgment. Leiden: Brill, 2012.

Publicado
2018-07-30