O ENSINO DE FILOSOFIA E A PEDAGOGIA DO CONCEITO; UMA ABORDAGEM NECESSÁRIA NO ÂMBITO DO ENSINO MÉDIO

Palavras-chave: Ensino, Filosofia, Conceito, Criação

Resumo

Ao pensar as linhas e o percurso histórico do ensino de filosofia no Brasil, especificamente no âmbito do ensino médio iremos nos deparar com inúmeros paradoxos e tensões curriculares que não favorecem a relação do ensino de filosofia com a pedagogia do conceito, impedindo assim que esta atividade meramente pedagógica venha a se tornar um exercício verdadeiramente filosófico. Nesse sentido, à luz dos filósofos franceses Gilles Deleuze e Félix Guattari, torna-se relevante explicitar a pedagogia do conceito e suas possíveis contribuições para o ensino de filosofia no contexto do ensino médio. A partir do diálogo com estes e outros teóricos, teremos como objetivo pensar a pedagogia do conceito como possibilidade de construção de saberes filosóficos e superação do ensino de filosofia tradicional. A metodologia utilizada para a construção de saberes neste estudo foi à pesquisa bibliográfica a partir da leitura atenta de teóricos como Deleuze (1992), Severino (2010), Gallo (2012), documentos oficiais como os Parâmetros Curriculares Nacionais (1999) dentre outros. O artigo está organizado em uma breve introdução apresentando a temática, os objetivos, o percurso metodológico, dois capítulos subsequentes enfatizando algumas problematizações válidas e necessárias acerca do uso do ensino de filosofia no ensino médio sob a perspectiva Deleuzoguattariana, em seguida, as considerações finais sintetizando as principais ideias discutidas ao longo do texto.

Referências

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. História da Educação. 2º edição. São Paulo: Moderna, 2001.

BRASIL. Lei Ordinária 11.684 de 02 de junho de 2008. Altera o art. 36 da Lei 9394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir a Filosofia e a Sociologia como disciplinas obrigatórias nos currículos do ensino médio. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 03 de junho de 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). Lei n° 9.394/96. Brasília:MEC, 20 dez. 1996.

BRASIL. Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as diretrizes e bases da educação nacional. Lei de Diretrizes e Bases da Educação-LDB. Brasília, DF, 1961. Disponível em: Acesso em 14 de junho de. 2020.

BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Conhecimentos de filosofia. In: Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio. Brasília: MEC/SEMT, Cento Gráfico, 1999.

CARTOLANO, Maria Teresa Penteado. Filosofia no ensino de 2º grau. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1985.

CERLETTI, A. O ensino de filosofia como problema filosófico. Tradução de Ingrid Muller Xavier. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

COSTA, Cruz. 1967. Panorama da história da filosofia no Brasil. São Paulo: Cultrix.

DELLEUZE, Gilles, 1925- O que é filosofia? Tradução de Bento Prado Jr. e Alberto Afonso Muñoz. – Rio de Janeiro: ED. 34, 1992.

FRANCA, Leonel. O método pedagógico dos jesuítas. Rio de Janeiro: Agir, 1952.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GALLINA, Simone F. S. A disciplina de filosofia e o ensino médio. In: GALLO, S.; KOHAN, W. O. (Orgs.). Filosofia no ensino médio. Petrópolis: Vozes, 2000.

GALLO, Silvio. Metodologia do ensino de filosofia: uma didática para o ensino médio. Campinas: Papirus, 2012.

GALLO, Silvio; KOHAN, Walter O. Crítica de alguns lugares-comuns ao se pensar a filosofia no ensino médio. In. GALLO, Silvio; KOHAN, Walter O. (organizadores). Filosofia no ensino médio. Petrópolis: Vozes, 2000.

KOHAN, Walter O. (Org.). Filosofia: caminhos para seu ensino. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

RAMOS, C. A. Aprender a filosofar ou aprender a filosofia: Kant ou Hegel? Trans/Form/Ação. São Paulo, 2007.
Publicado
2021-08-28
Seção
Dossiê Filosofia da Técnica e Educação (III)