DISCIPLINA É LIBERDADE? A PARADOXAL LIBERDADE DO ENSINO REMOTO MEDIADO POR TECNOLOGIAS

Palavras-chave: Sociedade do cansaço, Paradigma do desempenho, Ensino à distância, Saúde mental, Coronavírus

Resumo

O objetivo deste artigo é explicar por que, podendo gozar de liberdade e flexibilidade para organizar suas rotinas de estudo em consonância com seus próprios desejos ao longo da pandemia do novo coronavírus, que lhes colocou sob a égide do ensino remoto mediado por tecnologias, os discentes da educação básica clamam pelo retorno da tutela e da vigilância de uma instituição disciplinar como a escola. Isto em um contexto em que a demanda por mudanças que lhes concedessem precisamente a liberdade de que hoje querem abrir mão tem sido alvo de políticas públicas que redesenham toda a educação básica. Os dados são provenientes de observações sistemáticas a partir da experiência do autor como docente na educação básica em três escolas do Distrito Federal, bem como da aplicação de questionários aos discentes dessas instituições. Os resultados da análise operada a partir de tais dados indicam para a conformação, no molde remoto de ensino, de uma “liberdade paradoxal” que, segundo o filósofo sul-coreano Byung-Chul Han, caracteriza o que chama de sociedade do cansaço. Essa pretensa liberdade acirra um processo de autocobrança, potencializando sentimentos como culpa e inaptidão, e cristaliza um regime atenção caracterizado pelo excesso de estímulos e pela dispersão que, invariavelmente, leva a uma nova percepção a respeito do uso tempo e aos clamores pelo retorno do panoptismo da instituição escolar.

Referências

BAUMAN, Zygmunt. 44 cartas do mundo líquido moderno. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

BECK, Ulrich. Sociedade de risco: rumo a uma outra modernidade. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2011.

BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. 9. ed. Campinas: Papirus, 1996, p. 53-73.

______. Los herederos: los estudiantes y la cultura. 2. ed. Buenos Aires: Siglo Veintiuno Editores, 2013

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

DEMO, Pedro; Silva, Renan Antônio da. Efeito desaprendizagem na escola básica. Publicação independente, 2021. Edição Kindle.

DOSTOIÉVSKI, Fiódor. Notas do subsolo. Porto Alegre: L&PM, 2011. Edição Kindle.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 42. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

______. A constituição da sociedade. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2003.

HAN, Byung-Chul. Sociedade do cansaço. Petrópolis: Vozes, 2015.

______. Agonia do eros. Petrópolis: Vozes, 2017a. Edição Kindle.

______. Topologia da violência. Petrópolis: Vozes, 2017b. Edição Kindle.

LIPOVETSKY, Gilles; SERROY, Jean. A estetização do mundo: viver na era do capitalismo artista. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

MANN, Thomas. A montanha mágica. São Paulo: Companhia das Letras, 2016. Edição Kindle.

PENSO, Maria Aparecida; SENA, Denise Pereira Alves de. A desesperança do jovem e o suicídio como solução. Sociedade e Estado, UnB, Brasília, v. 35, n. 1, p. 61-81, jan./abr. 2020.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A cruel pedagogia do vírus. Coimbra: Almedina, 2020.

SILVA, Renato Izidoro da. Psicanálise e educação: vias para subversão do sujeito. Inter-Ação, UFG, Goiânia, v. 32, n. 1, p. 127-157, jan./jun. 2007.

SIMMEL, Georg. A metrópole e a vida mental. In: VELHO, Otávio Guilherme (Org.). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1967.
Publicado
2021-08-28
Seção
Dossiê Filosofia da Técnica e Educação (III)