A FUNÇÃO VETORIAL DOS DIREITOS DA PERSONALIDADE PARA O RECONHECIMENTO JURÍDICO DA TRANSEXUALIDADE E DA REDESIGNAÇÃO SEXUAL

William Paiva Marques Júnior

Resumo


RESUMO

 

Investiga-se a transexualidade e a cirurgia de redesignação do sexo à luz da tutela jurídica fornecida pelos direitos da personalidade. Como corolário do reconhecimento da dignidade da pessoa humana, são reconhecidos os direitos da personalidade que albergam a proteção dos indivíduos nos aspectos físicos, morais e espirituais. Englobam diversas nuances do indivíduo tais como: direito à vida, ao nome, à privacidade, à origem genética (busca da ancestralidade), à imagem, à integridade física, ao próprio corpo, dentre outros. Observa-se que a transexualidade requer uma sensibilidade e racionalidade jurisdicional no sentido de promoção das pertinentes retificações do prenome e alteração do sexo nos documentos civis. Trata-se de um mecanismo jurídico complementar à busca da felicidade pelo transexual em prol de sua inclusão na qualidade de cidadão e na materialização de uma verdadeira democracia dimensionada pelo bem-estar de seus componentes, bem como na construção de um Estado de Direito democrático, inclusivo e multicultural fundado na dignidade humana, direitos fundamentais e justiça.

 

Palavras-chave: Direitos da personalidade; Transexualidade; Redesignação Sexual.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

ABREU, Laura Dutra de. Transexualismo: um olhar sobre a cirurgia de redesignação de sexo e seus reflexos jurídicos IN CAMPOS, Diogo Leite de. Estudos sobre o direito das pessoas. Coimbra: Editora Almedina, 2.007.

ANDRADE, José Carlos Vieira de. Os Direitos Fundamentais na Constituição Portuguesa de 1.976. 3ª- edição. Coimbra: Almedina, 2.006.

BEAUVOIR, Simone de. Por uma moral da ambigüidade. Tradução: Marcelo Jacques de Moraes. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005.

CAVALIERI FILHO, Sérgio. Programa de Responsabilidade Civil. 8ª- edição. São Paulo: Atlas, 2008.

CHAVES, Antônio. Direito à vida e ao próprio corpo: intersexualidade, transexualidade, transplante. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1986.

DEL PRIORE, Mary. Histórias íntimas: sexualidade e erotismo na história do Brasil. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2.011.

DIAS, Maria Berenice. Transexualismo e o direito de casar. Disponível em: ˂http://www.egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/anexos/32011-37595-1-PB.pdf˃. Acesso em: 06 jun. 2017.

DRAY, Guilherme Machado. Direitos de personalidade. Anotações ao Código Civil e ao Código do Trabalho. Coimbra: Almedina, 2006.

FACHIN, Luiz Edson. Questões do Direito Civil Brasileiro Contemporâneo. Rio de Janeiro: Renovar, 2008.

FARIAS, Cristiano Chaves de; ROSENVALD, Nelson. Curso de Direito Civil: Parte Geral e LINDB. 15ª- edição. Salvador: Editora JusPodvm, 2017.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975/1976). Tradução: Maria Ermantina Galvão. 1ª- edição. 4ª- tiragem. São Paulo: Martins Fontes, 2.005.

. História da sexualidade I: a vontade de saber. Tradução: Maria, Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. 1ª- edição. 23ª- reimpressão. São Paulo: Edições Graal LTDA, 2011.

FRAGOSO, Heleno Cláudio. Transexualismo - cirurgia. Lesão corporal. Disponível em: ˂ http://www.fragoso.com.br/eng/arq_pdf/heleno_artigos/arquivo27.pdf˃. Acesso em: 11 jun. 2017.

LOPES, Ana Maria d’Ávila. A contribuição da teoria do multiculturalismo para a defesa dos direitos fundamentais dos indígenas brasileiros. Disponível em: ˂http://www.conpedi.org.br/manaus/arquivos/anais/manaus/estado_dir_povos_ana_maria_lop es.pdf˃. Acesso em: 18 abr. 2017.

. Proteção constitucional dos direitos fundamentais culturais das minorias sob a perspectiva do multiculturalismo. Revista de Informação Legislativa. Brasília: Senado Federal, v. 45, 2008, págs. 19 a 29.

LÔBO, Paulo Luiz Netto. Constitucionalização do direito civil. Revista de Informação Legislativa, Brasília, ano 36, n. 141, jan./mar. 1999.

MARQUES JÚNIOR, William Paiva; CÉSAR, Raquel Coelho Lenz. A construção do direito social à educação das minorias étnico-raciais nos países da UNASUL, casos: Brasil e Bolívia. In: XIX Encontro Nacional do CONPEDI - Fortaleza, 2010, Fortaleza. XIX Encontro Nacional do CONPEDI - Fortaleza. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2010. p. 3586-3599.

. O contributo do Supremo Tribunal Federal na construção da cidadania das minorias no Brasil. In: XX Encontro Nacional do CONPEDI, 2011, Belo Horizonte. Anais do XX Encontro Nacional do CONPEDI- Tema: Democracia e reordenação do pensamento jurídico: compatibilidade entre a autonomia e a intervenção estatal. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2011. v. 01. p. 10570-10597.

MATIELLO, Fabrício Zamprogna. Código Civil Comentado. 2ª- edição. São Paulo: LTr, 2005.

MIRANDA, Jorge. Manual de Direito Constitucional. Tomo IV. Direitos Fundamentais. 4ª edição. Coimbra: Coimbra Editora, 2008.

QUEIROZ, Cristina. Direito Constitucional: as instituições do Estado Democrático e Constitucional. Coimbra: Editora Coimbra, 2009.

RIZZARDO, Arnaldo. Parte Geral do Código Civil. 4ª edição. Rio de Janeiro: Forense, 2006.

SARLET, Ingo Wolfgang. Dignidade da Pessoa Humana e Direitos Fundamentais na Constituição Federal de 1.988. 4ª edição. Porto Alegre; Livraria do Advogado Editora, 2006.

SEN, Amartya. A ideia de justiça. Tradução: Denise Bottmann e Ricardo Doninelli Mendes. São Paulo: Companhia das Letras, 2.011.

TEPEDINO, Gustavo. Temas de Direito Civil-Tomo II. 1ª- edição. 2ª- tiragem. Rio de Janeiro: Renovar, 2008.

TRINDADE, Antônio Augusto Cançado. A proteção internacional dos direitos humanos e o Brasil (1.948-1.997): as primeiras cinco décadas. 2ª edição. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2000.

VASCONCELOS, Pedro Pais de. Direitos de Personalidade. Coimbra: Editora Almedina, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


_____________________
facebook.com/revistadizer