LIBERDADE RELIGIOSA E RADIODIFUSÃO: PENSANDO UMA RELAÇÃO ENTRE IGREJA E COMUNICAÇÃO SOCIAL ADEQUADA À CONSTITUIÇÃO E À CONVENÇÃO AMERICANA DE DIREITOS HUMANOS

  • Lucas Miguel Medeiros de Oliveira Santos Universidade Católica de Pernambuco

Resumo

O Coronelismo Eletrônico Evangélico é o fenômeno pelo qual determinadas instituições religiosas, em evidente monopólio, se utilizam dos serviços de radiodifusão para a prática do proselitismo religioso. Por sua vez, o proselitismo religioso se oriunda do direito de liberdade de crença, sendo compreendido como os esforços legítimos, praticado por determinado indivíduo, para convencer o outro a aderir sua corrente de pensamento religiosa. A utilização desses serviços por parte de poucos líderes ou grupos religiosos parece destoar com a laicidade do Estado brasileiro, e suas garantias preconizadas pela Constituição da República de 1988 (CR/88) e pela Convenção Americana de Direitos Humanos (CADH), o que exige uma reflexão sobre a relação entre igreja e comunicação social. O presente trabalho se propôs a estudar o fenômeno do Coronelismo Eletrônico Evangélico, realizar uma análise das normas constitucionais e convencionais pátrias e indicar parâmetros que podem ser adotados para aproximar a regulação do acesso de igrejas à radiodifusão às normas constitucionais e convencionais protetivas de direitos. Para tanto, foi feito um levantamento e estudo bibliográfico sobre a matéria, bem como um estudo sobre as normas afins tanto da Constituição brasileira quanto da Convenção Americana de Direitos Humanos. Também foi realizado busca de julgados no Supremo Tribunal Federal e na Corte Interamericana de Direitos Humanos. A utilização dos meios de comunicação, um bem público, por apenas um segmento religioso, transpassa diversos institutos constitucionais e convencionais, tais como o art. 5º, IV, VI e VIII, art. 220º todos da CR/88 e art. 12 e 24 da CADH, merecendo o tema uma análise de sua compatibilidade com o ordenamento jurídico brasileiro.

 

Palavras-chave: Radiodifusão. Proselitismo Religioso. Coronelismo Eletrônico Evangélico.

Biografia do Autor

Lucas Miguel Medeiros de Oliveira Santos, Universidade Católica de Pernambuco
  

Referências

BARROS, Bruno Mello Corrêa de. AS IGREJAS E OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO: UMA ANÁLISE JURÍDICA DA CONVERGÊNCIA ENTRE MÍDIA E FÉ. Seminário Internacional de Demandas Sociais e Políticas Públicas na Sociedade Contemporânea, n. 11, 2014.

BRUGGER, Winfried. Separação, igualdade, aproximação. Três modelos da relação Estado-Igreja. Direitos Fundamentais & Democracia, Curitiba, v. 7, n. 7, p.14-32, 22 jun. 2010.

FERNANDES, Bernardo Gonçalves. Curso de Direito Constitucional. 9 ed. Ver. ampl. e atual. Salvador: jusPODIVM, 2017. p. 426-450.

FONTELES, Heinrich Araújo. A ascensão da mídia evangélica: uma (mútua) interferência política, econômica e tecnológica. 2007. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/alcar/encontros-nacionais-1/encontros-nacionais/6o-encontro-2008-1/A ascensão da mídia evangélica 2013 uma -mutua- interferência politica.pdf>. Acesso em: 13 abr. 2018.

FONSECA, A. B. Evangélicos e mídia no Brasil. Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2003.

LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 3ª ed, 1997.

LIMA, Venício A. de. O coronelismo eletrônico evangélico. 2008. Disponível em: <http://observatoriodaimprensa.com.br/jornal-de-debates/o-coronelismo-eletronico-evangelico-13102/>. Acesso em: 20 mar. 2018.

PIERANTI, Octavio Penna. Políticas públicas para radiodifusão e imprensa: ação e omissão do Estado no Brasil pós-1964. Rio de Janeiro: EBAPE/FGV, 2007.

_____ e MARTINS, Paulo Emílio Matos. “A radiodifusão como um negócio: um olhar sobre a gestação do Código Brasileiro de Telecomunicações”. Eptic Online, vol. 9, n. 1, 2007. Disponível em: <http://www.eptic.com.br>. Acesso em: 05 jan. 2018.

PIERANTI, Octavio Penna. A Radiodifusão e os Coronéis da Mídia: Uma discussão conceitual acerca do ''Coronelismo Eletrônico''. Eco-pós, [s.i], v. 11, n. 1, p.128-145, jul. 2008.

PIRES, Teresinha Inês Teles. Liberdade de Consciência, Liberdade de Crença e Pluralismo Político. Revista de Informação Legislativa, Brasília, ano 49, n. 195, p. 53-63, jul./set. 2102.

SANTOS, Suzy; CAPPARELLI, Sérgio. Coronelismo, radiodifusão e voto: a nova face de um velho conceito. In: BRITTOS, Valério Cruz; BOLAÑO, César Ricardo Siqueira (Org.). Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia. São Paulo: Paulus, 2005, v.1, p. 77-101.

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. A Constituição e o Supremo [recurso eletrônico] / Supremo Tribunal Federal. 5. ed. atual. até a EC 90/2015. Brasília: STF, Secretaria de Documentação, 2016. Disponível em: <http://www.stf.jus.br/aconstituiçãoeosupremo>.

Publicado
2018-12-30
Como Citar
Santos, L. M. M. de O. (2018). LIBERDADE RELIGIOSA E RADIODIFUSÃO: PENSANDO UMA RELAÇÃO ENTRE IGREJA E COMUNICAÇÃO SOCIAL ADEQUADA À CONSTITUIÇÃO E À CONVENÇÃO AMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Revista Dizer, 3(1). Recuperado de http://periodicos.ufc.br/dizer/article/view/40677
Seção
Artigos