FRAGILIDADE E FORMAÇÃO: UMA ESCRITA EM CINZA

  • Carla Clauber da Silva Universidade da Região de Joinville
  • Silvia Sell Duarte Pillotto Universidade da Região de Joinville

Resumo

Este artigo inscreve-se no gênero ensaio, que apresenta características próprias, que por vezes não atendem às exigências de um texto acadêmico. Trata-se de uma escrita que se movimenta para pensar a formação de profissionais da educação atravessada pela experiência da fragilidade. Uma conversa a partir de uma relação de intimidade, de pensar a formação como ensaio: uma metáfora potente que pode trazer a possibilidade de criar outras paisagens no processo formativo da educação. Um percurso que encontra no método cartográfico a possibilidade de cartografar a fragilidade pelos seus afetamentos: a estranheza, a solidão e o esgotamento. A pesquisa avança em uma escrita reflexiva que, em seu movimento, cria novos problemas, entre eles o de entrelaçar pesquisador e pesquisa em um exercício do pensamento, um pesquisar pesquisando-se. Experiência da formação que singulariza, que escuta, que conversa, que acontece como surpresa. Os teóricos que povoam o caminho/ensaio percorrido neste artigo foram Agamben, Beckett, Skliar, Deleuze, Guattari, Larrosa, além de alguns autores da literatura, como Guimarães Rosa e Ítalo Calvino. 

Biografia do Autor

Carla Clauber da Silva, Universidade da Região de Joinville
Possui graduação em Pedagogia pela Associação Catarinense de Ensino (1990), mestrado em Educação pela Universidade do Vale do Itajaí (2003) e doutorado em Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (2015). Atualmente é professora da Prefeitura Municipal de Joinville. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Administração Educacional, atuando principalmente nos seguintes temas: curriculo, formação de professores, educação, currículo e fracasso escolar.
Silvia Sell Duarte Pillotto, Universidade da Região de Joinville
Pós-Doutora no Instituto Estudos da Criança - IEC na Universidade do MINHO - UMINHO, Braga/Portugal em 2007/2008. Doutora em Engenharia de Produção (Gestão da Qualidade) pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC (2003); Mestre em Educação (Currículo) pela Universidade Federal do Paraná - UFPR (1997) Especialista em Fundamentos Estéticos para a Arte na Educação pela Faculdade de Artes do Paraná (1992); Graduada em Educação Artística - Habilitação Artes Plásticas pela Universidade para o Desenvolvimento do Estado de Santa Catarina - UDESC (1983) Professora titular nos cursos de Artes Visuais e Pedagogia na Universidade da Região de Joinville - UNIVILLE e no Programa de Pós-Graduação - Mestrado em Educação; Pesquisadora e Coordenadora de Núcleo de Pesquisa em Arte na Educação - NUPAE, possui experiência nas áreas de Artes, Gestão, Currículo, Avaliação; Infância e Arte/Educação. Avaliadora do INEP, atua nos seguintes níveis da educação: educação superior e pós-graduação. Autora de vários livros publicados, desenvolve formação continuada e consultoria nas áreas citadas

Referências

AGAMBEN, Giorgio. A comunidade que vem. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

______. Notas sobre o gesto. Artefilosofia, Ouro Preto, n. 4, p. 9-16, jan. 2008.

BARTHES, Roland. Como viver junto: simulações romanescas de alguns espaços cotidianos. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

______. Roland Barthes por Roland Barthes. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Cultrix, 1977.

BECKETT, Samuel. O inominável. Tradução de Ana Helena Souza. São Paulo: Globo, 2009.

______. O silêncio possível. São Paulo: Ateliê Editorial, 2001.

CALVINO, Ítalo. Seis propostas para o próximo milênio. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

DELEUZE, Gilles. Conversações. Rio de Janeiro: 34, 1992.

______. L’Épuisé. Paris: Minuit, 1999. Disponível em: <http://www.pucsp.br/nucleodesubjetividade/Textos/esgotadoalexandre.pdf>. Acesso em: 16 ago. 2015.

______. Nietzsche. Lisboa: Edições 70, 1990.

______. Signos e acontecimentos. Entrevista realizada por Raymond Bellour e François Ewald. In: ESCOBAR, Carlos Enrique de (Org.). Dossier Deleuze. Rio de Janeiro: Holon, 1991. Disponível em: <https://www.academia.edu/3841090/dossier_deleuze_carlos_henrique_de_escobar_Republicanos_UERJ>.

______; GUATTARI, Félix. O que é filosofia? Rio de Janeiro: 34, 1992.

______; PARNET, Claire. Diálogos. Tradução de Eloisa Araújo Ribeiro. São Paulo: Escuta, 1998.

DIDI-HUBERMAN, Georges. A sobrevivência dos vaga-lumes. Tradução de Consuelo Salomé. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2001.

DUQUE-ESTRADA, Paulo Cesar. Alteridade, violência e justiça: trilhas da desconstrução. In: ______. Desconstrução e ética: ecos de Jacques Derrida. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio, 2006.

FOUCAULT, Michel. A escrita de si. In: ______. O que é um autor. 4. ed. Porto, 2000.

______. A hermenêutica do sujeito. Tradução de Márcio Alves da Fonseca e Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 20047.

LARROSA, Jorge. Linguagem e educação depois de Babel. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

LISPECTOR, Clarice. Água viva. São Paulo: Círculo do Livro, 1973.

______. Para não esquecer. 2. ed. São Paulo: Ática, 1979.

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Maarten. Em defesa da escola: uma questão pública. Tradução de Cristina Antunes. Belo Horizonte: Autêntica, 2013. 122 p.

PESSANHA, Juliano G. Instabilidade perpétua. São Paulo: Ateliê Editorial, 2009.

ROSA, Guimarães. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994.

SANTOS, Thiago A. de O. A coisa e o olho: uma abordagem da direção de atores no teatro de Samuel Beckett. Dissertação (Mestrado)–Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 2013.

SARLO, Beatriz. Jorge Luís Borges: um escritor na periferia. São Paulo: Iluminuras, 2008.

SKLIAR, Carlos. Desobedecer a linguagem: educar. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

______. Pedagogia (improvável) da diferença: e se o outro não estivesse aí? Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

VICENTINI, Daniela. Waltercio Caldas: pensar arte, acordar lugares. Concinnitas, ano 7, v. 1, n. 9, jul. 2006.

Publicado
2017-12-01
Seção
Estudos Literários