O PONTO DE FUGA DOS CONTOS DE ALICE MUNRO

  • Fernanda Ribeiro Marra Universidade de Brasília

Resumo

Esta escrita resulta da leitura e de uma conversa com grupo de leitoras sobre a obra Fugitiva, de Alice Munro. Trata-se de um livro de contos, mais propriamente, do primeiro conto do livro homônimo à obra. É sobre ele que me debruço, pois foi o que ensejou minha releitura, ou melhor, minha audição dessa obra. A experiência auditiva do texto foi que me sugeriu uma analogia visual: a do ponto de fuga. Entendo, assim, que a leitura de Fugitiva é uma experiência sinestésica que me possibilitou pensar a obra de Munro a partir dessa perspectiva óptica de uma aparente interseção entre duas ou mais retas que nunca se encontram. Logo, o que este texto mostra é a forma como o meu encontro com as mulheres de Munro não se dá pela identificação, mas pela diferença. Logo, esta não é uma leitura que elege e sobrepõe um modelo de mulher às demais, nem das constatações que confirmam minha acepções acerca do que é a mulher. Antes, é uma entrega aos envios de Munro, uma oportunidade de olhar para as decisões e aberturas que constituem as personagens dessa literatura e pensar, não a mulher, mas o devir.

Biografia do Autor

Fernanda Ribeiro Marra, Universidade de Brasília
Mestre em Letras e Linguística pela Universidade Federal de Goiás e Doutoranda em Teoria Literária pelo Programa de Pós-Graduação da Universidade de Brasília.
Publicado
2017-12-01
Seção
Estudos Literários