A CRIANÇA E O ADOLESCENTE EM SOFRIMENTO PSÍQUICO GRAVE: ESTUDO SOBRE O PERFIL DO PÚBLICO EM ATENDIMENTO

  • Mariana Fraga Soares Universidade Federal do Ceará
  • Karla Patricia Holanda Martins Universidade Federal do Ceará
  • Renata Carvalho Campos Universidade Federal do Ceará
Palavras-chave: Clínica psicanalítica. Infância. Adolescência. Diagnóstico. Saúde mental.

Resumo

O Programa de Extensão Clínica, Estética e Política do Cuidado é um Programa do Departamento de Psicologia da UFC e realiza atendimento de crianças e adolescentes em sofrimento psíquico grave, sob a perspectiva psicanalítica, desde 2015. Estudos sobre o perfil do público infanto-juvenil, usuários dos serviços públicos de saúde mental no município de Fortaleza, ainda são escassos na produção acadêmica. Desse modo, objetivamos realizar o levantamento do perfil dos usuários do programa em questão, no período de 2015 ao primeiro semestre de 2018, de maneira a verificar os diagnósticos e as terapêuticas mais frequentes e sua relação com os atuais problemas da clínica com crianças e adolescentes. A coleta de dados deu-se através do formulário integrado dos pacientes, sendo uma pesquisa documental de orientação psicanalítica. Do público atendido, a hipótese diagnóstica mais frequente foi de autismo, equivalendo a 43% dos pacientes, acrescenta-se ainda que 31,7% dos pacientes fazem uso de psicofármacos, 12,9% não frequentam a escola, 46,3% recebem atendimento em outro serviço de saúde mental. Notamos que o perfil dos pacientes atendidos vai ao encontro dos problemas da clínica infanto-juvenil contemporânea, como a predominância da perspectiva diagnóstica do espectro do autismo e hegemonia da terapêutica de medicalização pedopsiquiátrica.

Biografia do Autor

Mariana Fraga Soares, Universidade Federal do Ceará
Graduanda em Psicologia na Universidade Federal do Ceará. Extensionista do Programa Clínica, Estética e Política do Cuidado.
Karla Patricia Holanda Martins, Universidade Federal do Ceará
Professora do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Ceará (UFC) e Coordenadora do Programa de Extensão Clínica, Estética e Política do Cuidado
Renata Carvalho Campos, Universidade Federal do Ceará
Doutoranda em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC), Mestra em psicologia pela UFC e Especialista em Psicologia e Práticas de Saúde pela Universidade de Fortaleza (Unifor)

Referências

BERNARDINO, L.M.F. O psicanalista e as psicopatologias da infância. In: KAMERS, M.; MARIOTTO, R.M.M.; VOLTOLINI, R. Por uma (nova)psicopatologia da infância e da adolescência. São Paulo: Escuta, 2015.

BLEICHER, T. Formação em Psicanálise na Universidade no contexto das atuais Políticas Públicas de saúde e de Formação Universitária. In: BLEICHER, T.; AGUIAR, S. G.; GOMES, R.C.C. (Org.). Criança-sujeito: seus enigmas e suas linguagens. Fortaleza: EdUECE, 2018. 176 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde Mental no SUS: Cuidado em Liberdade, Defesa de Direitos e Rede de Atenção Psicossocial: Relatório de gestão 2011-2015. Brasília, DF, 2016. Disponível em: <http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2016/junho/27/Relat--rio-Gest--o-2011-2015---.pdf.> Acesso em: 30 set. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde, Conselho Nacional do Ministério Público. Atenção psicossocial a crianças e adolescentes no SUS: tecendo redes para garantir direitos. Brasília, DF, 2014. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_psicossocial_criancas_adolescentes_sus.pdf>. Acesso em: 30 set. 2018.

BRASIL Ministério da Saúde. Relatório Final da III Conferência Nacional de Saúde Mental. Brasília, DF, 2002. Disponível em: <http://conselho.saude.gov.br/biblioteca/relatorios/saude_mental.pdf>. Acesso em: 29 set. 2018.

IBGE. População de Fortaleza. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ce/fortaleza/panorama>. Acesso em: 30 set. 2018.

CDCS. (Centers for Disease Control and Prevention). Prevalence of Autism Spectrum Disorder Among Children Aged 8 Years. Morbidity and Mortality Weekly Report, v. 63, n. 2, p. 1-22, 2014. Disponível em: <https://www.cdc.gov/mmwr/volumes/67/ss/ss6706a1.htm>. Acesso em: 28 set. 2018

COUTO, M.C.V; DELGADO, P.G.G. Crianças e adolescentes na agenda política da saúde mental brasileira: inclusão tardia, desafios atuais. Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, v. 27, n.1, p. 17-40, 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pc/v27n1/0103-5665-pc-27-01-00017.pdf>. Acesso em: 30 set. 2018.

DERBLI, Marcio. Uma breve história das revisões do DSM. Com ciência, Campinas, 2011, n. 126, p. 1-2.

DUNKER, C.I. Questões entre a psicanálise e o DSM. Jornal de Psicanálise, v.47, n.87, São Paulo, 2014. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-58352014000200006>. Acesso em: 29 set. 2018.

________. Crítica da razão diagnóstica: psicanálise, psicopatologia, DSM. In: CALAZANS, R./NETO, F.K. Psicopatologia em debate: controvérsias sobre os DSMs? Barbacena: EdUMG, 2012.

FLESLER. Alba. A psicanálise de crianças e o lugar dos pais. Trad. Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2012.

GARCIA, G.Y.C; SANTOS, D.C.; MACHADO, D.B. Centros de Atenção Psicossocial Infantojuvenil no Brasil: distribuição geográfica e perfil dos usuários. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.31, n.12, p.2649-2654, 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/csp/v31n12/0102-311X-csp-31-12-2649.pdf>. Acesso em: 29 set. 2018.

KUPFER, M.C. O impacto do autismo no mundo contemporâneo. In: KAMERS, M.; MARIOTTO, R.M.M.; VOLTOLINI, R. Por uma (nova)psicopatologia da infância e da adolescência. São Paulo: Escuta, 2015.

LACAN, J. (1969/2003). Nota sobre a criança. In: _______. Escritos, Rio de Janeiro, Jorge Zahar, p.369-370.

LÜDKE, M; ANDRÉ, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MARIOTTO, R.M.M. Diagnóstico e tratamento de crianças em tempos de psicomedicalização. In: KAMERS, M.; MARIOTTO, R.M.M.; VOLTOLINI, R. Por uma (nova)psicopatologia da infância e da adolescência. São Paulo: Escuta, 2015.

PEREIRA, C. L. Psicose na infância e escolarização: uma pesquisa colaborativa na rede regular de ensino. 2012. 315f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2012.

QUINET, A. As 4 + 1 condições da análise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.

SILVEIRA, T.C. Da infância inventada à infância medicalizada. 2015. 151f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

VOLTOLINI, R. Educação inclusiva e psicopatologia da infância. In: KAMERS, M.; MARIOTTO, R.M.M.; VOLTOLINI, R. Por uma (nova)psicopatologia da infância e da adolescência. São Paulo: Escuta, 2015.

Publicado
2018-12-27