ATUAÇÃO DA LIGA ACADÊMICA NA PREVENÇÃO DE INCAPACIDADES EM HANSENÍASE

  • Érica Nascimento Sousa Universidade Federal do Ceará
  • Maria Amanda Mesquita Fernandes Universidade Federal do Ceará
  • Ana Kaline de Queiroz Silva UFC
  • Patrícia Nascimento Silva UFC
  • Caroline Mary Gurgel Dias Florêncio UFC
  • Paula Sacha Frota Nogueira UFC
Palavras-chave: Hanseníase, Prevenção & Controle, Avaliação em Enfermagem.

Resumo

A hanseníase é uma doença infecciosa crônica que pode causar incapacidades permanentes quando diagnosticada tardiamente. Objetivou-se relatar atividades extensionistas na prevenção de incapacidades em pacientes acometidos pela hanseníase. Trata-se de um estudo descritivo das atividades realizadas no Ambulatório de Dermatologia do Hospital Universitário Walter Cantídio, campo de atuação da Liga Acadêmica em Doenças Estigmatizantes (LADES) da Universidade Federal do Ceará. Durante as consultas os principais acometimentos encontrados foram: dores neuropáticas, espessamento de nervos periféricos, ressecamento e descamação da pele, ressecamento de nariz e olhos, mal perfurante plantar, alteração de sensibilidade palmar e plantar, diminuição da força muscular da mão, amiotrofia em mão e garra rígida e móvel. Foram fornecidas orientações de autocuidado, também foram feitos encaminhamentos para consultas com especialistas quando observada a necessidade. As atividades citadas proporcionam engajamento acadêmico na melhoria da qualidade de vida de pacientes com hanseníase.

Biografia do Autor

Érica Nascimento Sousa, Universidade Federal do Ceará
Acadêmica de Enfermagem da Universidade Federal do Ceará.
Maria Amanda Mesquita Fernandes, Universidade Federal do Ceará
Graduanda em Enfermagem pela UFC. Bolsista IC/UFC. Integrante da LADES.
Ana Kaline de Queiroz Silva, UFC
Graduanda em Enfermagem pela UFC. Bolsista PREX/UFC. Integrante LADES
Patrícia Nascimento Silva, UFC
Graduanda em Enfermagem pela UFC. Bolsista PAIP/UFC
Caroline Mary Gurgel Dias Florêncio, UFC
Doutora em Saúde Coletiva e docente do Departamento de Saúde Comunitária da UFC. Integrante LADES 
Paula Sacha Frota Nogueira, UFC
Doutora Professora do Departamento de Enfermagem da Universidade Federal do Ceará (UFC) e Coordenadora da LADES.

Referências

ARAÚJO, A. R. et al. Complicações neurais e incapacidades em hanseníase em capital do nordeste brasileiro com alta endemicidade. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 17, n. 4, p. 899-910, 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v17n4/pt_1415-790X-rbepid-17-04-00899.pdf>. Acesso em: 31 de agosto de 2018.

ARAÚJO, D.A.L. et al. Caracterização da qualidade de vida de pessoas com hanseníase em tratamento ambulatorial. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, [S.l.], v. 8, n. 4, p. 5010-5016, out. 2016. ISSN 2175-5361. Disponível em: <http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/4732>. Acesso em: 31 de agosto de 2018.

ALVES, C.J.M. et al. Avaliação do grau de incapacidade dos pacientes com diagnóstico de hanseníase em serviço de dermatologia do estado de São Paulo. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, v. 43, n. 4, p. 460-461, ago. 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0037-86822010000400025&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 01 de setembro de 2018.

BRASIL. Guia prático sobre a hanseníase. Secretaria de Vigilância em Saúde.

Departamento de Vigilância e Doenças Transmissíveis – Brasília: Ministério da Saúde:

p. 2017.

______. Autocuidado em hanseníase: face, mãos e pés. Secretaria de Vigilância Epidemiológica. Departamento de Vigilância Epidemiológica. 1. ed. Ministério da Saúde: Brasília, 2010.

______. Manual de Prevenção de Incapacidades. Cadernos de prevenção e reabilitação

em hanseníase; n. 1. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. ed. Ministério da Saúde: Brasília, 2008.

CEARÁ. Boletim Epidemiológico Hanseníase. Secretaria da Saúde do Estado do Ceará. Fortaleza 2017. p. 2.

DUARTE, M.T.C. et al. Consulta de enfermagem: estratégia de cuidado ao

portador de hanseníase em atenção primária. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 18, n. 1, p. 100-7, Jan-Mar 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/tce/v18n1/v18n1a12>. Acesso em: 29 de agosto de 2018.

FLORÊNCIO, C.M.G.D. Docentes da UFC: Padrões espaciais, temporais e clínico- epidemiológicos da hanseníase no Brasil, 2001 a 2015. Tese (doutorado) – Universidade Federal do Ceará, Faculdade de Medicina, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Fortaleza, 2018.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Estratégia global para hanseníase (2016-2020). Aceleração rumo a um mundo sem hanseníase. New Delhi, India, 2015. Disponível em:

http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/208824/9789290225201-pt.pdf;jsessionid=1310D0D157FF66396335F9E6FE64124E?sequence=17>. Acesso em: 23 ago. 2018.

Publicado
2018-12-27