Ontologias como ferramenta de organização e representação do conhecimento: um olhar sobre os laudos médico-legais

  • Karla Meneses Farias UFPE/PPGCI
  • Fábio Assis Pinho Professor do PPGCI/UFPE
Palavras-chave: Ontologia, Medicina Legal, Laudo médico-legal, Organização e Representação do Conhecimento

Resumo

A organização e representação do conhecimento é uma atividade nuclear da área de Ciência da Informação, visto a função de mediação entre o processo de produção, organização até o acesso à informação. Nesse sentido, destaca-se a ontologia, que traz em sua semântica o estudo das coisas, objetos e seres do mundo. Aborda-se o domínio da Medicina Legal, especificamente o laudo médicolegal, que é um relato técnico-científico acerca de um fato litigioso, duvidoso, efetuado por especialistas. Destacam-se os laudos cadavéricos, sexológicos, traumatológicos e odonto-legais. Objetiva-se apresentar a ontologia como uma ferramenta capaz de contribuir para atender às necessidades informacionais dos usuários da Coordenadoria de Medicina Legal, tendo em vista a organização, o acesso e a recuperação das informações. Utilizou-se a methontology para a modelagem da ontologia no software Protégé, e aplicaram-se questionário e análise documental. Constatou-se que existe uma percepção por parte dos usuários da pertinência do tratamento informacional, já que a prática viabilizaria os fluxos e processos, proporcionando maior agilidade na entrega das respostas, bem como a ontomédico legal possibilita a descrição formal e explícita do domínio e da documentação produzida por essa área, viabilizando os fluxos e processos.

Biografia do Autor

Karla Meneses Farias, UFPE/PPGCI
Bibliotecária e Mestre em Ciência da Informação UFPE PPGCI. Atua no Serviço Social da Indústria SESI e Docente na Faculdade Cearense.
Fábio Assis Pinho, Professor do PPGCI/UFPE
Doutorado em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Professor Adjunto da Universidade Federal de Pernambuco

Referências

ANDRADE, M. T. T. et al. Uma ontologia para a Gestão do Conhecimento no Processo de Desenvolvimento de Produto. Gest. Prod., São Carlos, v. 17, n. 3, p. 537-551, 2010.

ARAÚJO JÚNIOR, R. H. Precisão no processo de busca e recuperação da informação. Brasília: Thesaurus, 2007.

ARRUDA, M. I. M. O laudo médico-legal como fonte de informação e seu papel social, 2000, 114p. (Dissertação apresentada ao Programa de pós-graduação em ciência da Informação, mestrado interinstitucional em Ciência da Informação).

BENTES PINTO, V. et al. Mapeamento e análise dos conceitos de prontuários do paciente nefropata visando a categorização e representação da informação. 2010. Disponível em: <http://dci.ccsa.ufpb.br/enebd/index.php/enebd/article/view/13>. Acesso em: 20 fev. 2016.

BENTES PINTO, V; FERREIRA, J. L. O. O que dizem as imagens do campo da saúde: um exercício de construção ontológica. In. BENTES PINTO, V.; SOARES, M. E. (Org.) Informação para a área de saúde: prontuário do paciente, ontologia de imagem, terminologia, legislação e gerenciamento eletrônico de documentos. Fortaleza: Edições UFC, 2010.

BRÄSCHER, M; CAFÉ, L. Organização da Informação ou Organização do Conhecimento? In: LARA, M. L. G. de; SMIT, J. W. (Org.). Temas de pesquisa em Ciência da Informação no Brasil. São Paulo: USP, 2010, p. 87-104.

BARQUÍN, B. A. R.; GONZÁLEZ, J. A. M.; PINTO, A. L. Construção de uma ontologia para sistemas de informação empresarial para a área de Telecomunicações. 2006. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/abr06/Art_04.htm.> Acesso em: 25 maio 2016.

CHAUÍ, M. Convite à Filosofia. 13. Ed. São Paulo: Ática, 2003.

DAHLBERG, I. Current trends in knowledge organization. In: GARCÍA MARCO, F. J. (Ed.). Organización del conocimiento en sistemas de información y documentación. Zaragoza: Librería General, 1995.

_________.Knowledge organization: its scope and possibilities. Knowledge Organization, v. 20, n. 4, p. 211-219, 1993.

DEAN, M. et al. OWL web ontology language. W3C: Working Draft 21, 2003.

FARIAS, K. M. A proposição de uma ontologia de domínio dos laudos médicos-legais da Perícia Forense do Estado do Ceará (PEFOCE). 2010. 76f. Monografia (Graduação em Biblioteconomia) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2010.

FINKBEINER, W. E. et al. Autópsia em patologia Atlas e Texto. São Paulo: Roca, 2006

GUIMARÃES, J. A. C.; PINHO, F. A. Organização e Representação do Conhecimento (O.R.C). In. ______. A dimensão epistemológica da Ciência da Informação. São Paulo: Cultura Acadêmica Editora; Marília: Fundepe Editora, 2006.

________. Desafios da representação do conhecimento: abordagem ética. Inf. Inf., Londrina, v. 12, n. 1, jan./jun. 2007.

GRUBER, T. R. A translation approach to portable ontologies. Knowledge Acquisition, v. 5, n. 2, p. 199-220, 1993.

GRUBER, T. R. What is an Ontology? USA, ago 2002. Disponível em: <http://wwwksl.stanford.edu/kst/what-is-an-ontology.html >. Acesso em: 10 maio 2016.

HJØRLAND, Biger.Fundamentals of Knowledge Organization. Knowledge Organization, v. 30, n. 2, p. 87-111, 2003.

______. A socio-cognitive orientation for information science research. Bulletin of the American Society for Information Science & Technology, n. 2, 2004. Disponível em: <http://www.findarticles.com/p/articles/mi_qa3991/is_200402/ai_n9353769>. Acesso em:02 Fev. 2013.

LAVILLE, Christian; DIONNE, Jean. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artmed; Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999.

LE COADIC, Y-F. A ciência da informação. Brasília, DF: Briquet de Lemos, 1996.

LIMA, G. Â. B. Categorização Como Um Processo Cognitivo. Ciência & Cognição, v. 11, p. 156–67, 2007.

MONTEIRO, S. D.; GIRALDES, M. J. C. Aspectos lógico-filosóficos da organização do conhecimento na esfera da ciência da informação. Inf. & Soc.: Est., João Pessoa, v.18, n.3, p. 13-27, set./dez. 2008.

MALUCELLI, A. Ontologias. 2002. Disponível em: <http://paginas.fe.up.pt/~eol/TNE/0506/Ontologia.pdf>. Acesso em: 20 maio 2016.

PINHO, F. A. Aspectos éticos em representação do conhecimento: em busca do diálogo entre Antonio García Gutiérrez, Michèle Hudon e Clare Beghtol. 2006. 123 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2006.

______. Aspectos éticos em representação do conhecimento em temáticas relativas à homossexualidade masculina: uma análise da precisão em linguagens de indexação brasileiras. 2010. 149f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2010.

PIEDADE, M. A. R. Introdução à teoria da classificação. Rio de Janeiro: Interciência, 1983.

SILVA, J; CARMO, N. L. do; SILVA, M. B. da. Os equipamentos públicos de apoio às mulheres vítimas de violência: experiências no Cariri. Caderno Espaço Feminino, v. 22, n. 2, ago./dez. 2008.

SALES, R. de; CAFÉ; L. Semelhanças e diferenças entre tesauros e ontologias. Datagamazero – Revista de Ciência da Informação, v.9, n. 4. Ago. 2008.

STAAB S, S. R; STAAB, S. Knowledge processes and ontologies. IEEE, Intelling Systems, v. 16, n. 1, 2003.

WIRSIG, G. Information science: the study of postmodern knowlegne usage. Information Processing & Managemente, v.29, n. 2, p. 229-239, 1993.

Publicado
2016-12-18
Como Citar
FARIAS, K. M.; PINHO, F. A. Ontologias como ferramenta de organização e representação do conhecimento: um olhar sobre os laudos médico-legais. Informação em Pauta, v. 1, n. 2, p. 41-65, 18 dez. 2016.