REGULAÇÃO E NATUREZA JURÍDICA DAS BANDEIRAS TARIFÁRIAS

  • Sergio Guerra FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS
  • Melina Rocha Lukic Fundação Getúlio Vargas
Palavras-chave: Bandeiras tarifárias, natureza tributária, regulação, ANEEL

Resumo

O presente artigo tem por objetivo analisar a natureza jurídica e a regulação das bandeiras tarifárias instituídas na conta de energia elétrica do consumidor cativo. A partir do estudo da justificativa empírica para a criação das bandeiras tarifárias - necessidade de custear as despesas decorrentes do acionamento de termelétricas em um contexto de falta de recursos hídricos – e da sua função de diminuir a demanda de energia elétrica; desenvolvemos a hipótese segundo a qual a exação representada pelas bandeiras tarifárias não possui natureza jurídica tributária, mas de adicional tarifário. Tal constatação pode ser confirmada por precedente do STF no qual afastou a natureza jurídica tributária de cobranças similares, sob a justificativa de não possuírem o critério da compulsoriedade. Quanto ao aspecto regulatório, demonstramos a juridicidade do papel central da ANEEL na criação e regulação destas bandeiras, dentro de um contexto de “deslegalização” que complementa o marco regulatório do subsistema de energia elétrica.

Biografia do Autor

Sergio Guerra, FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS

Pós-Doutor (Visiting Researcher, Yale Law School), Doutor e Mestre em Direito. Pós-Doutor em Administração Pública. Diretor e Professor Titular de Direito Administrativo do Programa de Mestrado em Direito da Regulação da Escola de Direito da FGV Rio. Editor da Revista de Direito Administrativo — RDA. Coordenador Geral do Curso Internacional Business Law da University of California - Irvine. Embaixador da Yale University no Brasil. Vogal da Comissão de Arbitragem e Árbitro da Câmara FGV de Mediação e Arbitragem. Árbitro da Câmara de Arbitragem da Federação da Indústria do Paraná e do Centro Brasileiro de Mediação e Arbitragem - CBMA. Consultor jurídico da Comissão de Direito Administrativo da OAB/RJ. MELINA ROCHA LUKIC é Doutora e Mestre pela Université Paris III – Sorbonne Nouvelle em cotutela com a Universidade Federal de Santa Catarina. Foi professora de Direito Tributário da Fundação Getúlio Vargas – Escola de Direito e pesquisadora do Centro de Pesquisas em Direito e Economia da FGV-Direito Rio. Professora visitante da Universidade de Toronto.   

Melina Rocha Lukic, Fundação Getúlio Vargas
Doutora e Mestre pela Université Paris III – Sorbonne Nouvelle em cotutela com a Universidade Federal de Santa Catarina. Foi professora de Direito Tributário da Fundação Getúlio Vargas – Escola de Direito e pesquisadora do Centro de Pesquisas em Direito e Economia da FGV-Direito Rio. Professora visitante da Universidade de Toronto.

Referências

ABRADEE - Associação Brasileira das Distribuidoras de Energia Elétrica. Bandeiras Tarifárias, 2014, p. 6. Disponível na internet: www.abradee01.org/uploader/BandeirasTarifarias_7371.pdf.

ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica. http://www.aneel.gov.br/bandeiras-tarifarias

GUERRA, Sérgio. Concessões de serviços públicos: aspectos relevantes sobre o equilíbrio econômico-financeiro e a taxa interna de retorno (TIR). In Contratos administrativos, equilíbrio econômico-financeiro e a taxa interna de retorno: a lógica das concessões e parcerias público-privadas. (Egon Bockmann Moreira – Coord.) Belo Horizonte: Fórum, 2016.

GUERRA, Sérgio. Discricionariedade, regulação e reflexividade: uma nova teoria sobre a escolhas administrativas. 4. Ed. Belo Horizonte: Fórum, 2017.

JUSTEN FILHO, Marçal. Concessões de serviços públicos. São Paulo: Dialética, 1997.

MACHADO, Hugo de Brito. Natureza jurídica do empréstimo compulsório. Nomos: Revista do Programa de Pós-graduação em Direito - UFC, v. 31, n. 1, jan./jun 2017, p. 119-134.

MEILÁN GIL, José Luis. Progreso tecnológico y servicios públicos. Madrid: Civitas, 2006.

MONIZ, Ana Raquel Gonçalves. A crise e a regulação: o futuro da regulação administrativa. In. A crise e o direito público: VI Encontro de Professores portugueses de Direito Público. Pedro Gonçalves e Carla Amado Gomes (Coord.). Edição de Instituto de Ciências Jurídico-Políticas, Outubro de 2013.

PAREJO ALFONSO, Luciano. Administrar y juzgar: dos funciones constitucionales distintas y complementarias. Madrid: Tecnos, 1993.

SILVA, R. M. Bandeiras Tarifárias: benefício ou prejuízo ao consumidor? Brasília: Núcleo de Estudos e Pesquisas/CONLEG/Senado, março/2016 (Texto para Discussão nº 191).

Publicado
2018-09-13
Seção
Doutrina Nacional