MULTAS TRIBUTÁRIAS, PROPORCIONALIDADE E CONFISCO

  • Hugo de Brito Machado Segundo
Palavras-chave: Multas tributárias. Confisco. Proporcionalidade.

Resumo

Em face de uma maior preocupação com questões substanciais, decorrentes do reconhe- cimento da positividade de certas disposições constitucionais, discute-se a existência de limites a serem observados pelo legislador infraconstitucional na definição de ilícitos tributários e na co- minação e graduação das respectivas penalidades. Como tais penalidades são um meio para que se atinjam fins constitucionalmente protegidos, não é possível definir como ilícita uma conduta quando isso não for adequado à consecução dos tais fins. Tampouco será necessária a penalidade, quando existirem outros meios igualmente hábeis a que se atinjam os referidos fins. Finalmente, a penalidade, para ser válida, deverá ainda ser proporcional em sentido estrito, representando o prestígio aos valores constitucionalmente protegidos que justificam a sua aplicação sem incorrer, porém, em gravame excessivo aos demais valores igualmente caros ao texto constitucional. São exemplos de penalidades que não preenchem tais requisitos a prevista nos §§ 15 e 17 do art. 74 da Lei 9.430/96, as sanções repelidas pelas Súmulas 70, 323 e 574 do STF, bem como as multas aplicada em caso de descumprimento de deveres meramente formais, em situações não tributadas, ou
cujo tributo é devido e foi recolhido regularmente, mas que não obstante são calculadas de forma proporcional ao valor da operação realizada.

Biografia do Autor

Hugo de Brito Machado Segundo
Mestre e Doutor em Direito, Membro do ICET – Instituto Cearense de Estudos Tributários, Professor Adjunto da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Ceará – UFC. Visiting Scholar da Wirtschaftuniversität, Viena, Áustria.
Seção
Doutrina Nacional