Crimes cometidos por mulheres brasileiras: uma análise sobre enunciados de gênero.

Flávia Fernandes Carvalhaes, Sonia Regina Vargas Mansano, Maria Juracy Filgueiras Toneli

Resumo


Reportagens relatando a participação de mulheres em crimes tornam-se cada vez mais comuns na mídia brasileira. Atendo a isso, este artigo analisa enunciados que se produzem nas entrelinhas de discursos e imagens presentes em notícias veiculadas em jornais, revistas e sites no ano de 1995 no Brasil. Tal análise encontrou aporte principal no campo dos estudos de gênero, mais especificamente em autores que fazem uma análise crítica sobre as noções identitárias de gênero. A metodologia utilizada foi a qualitativa, valendo-se de fragmentos extraídos de documentos de domínio público. Como resultado parcial, constatou-se um relato estereotipado das mulheres envolvidas em situações de crimes, as quais são comumente caracterizadas na mídia a vitimização, infantilização, paixão, desequilíbrio e anormalidade. Ao final do percurso de investigação, fica evidente a importância de problematizar a noção de gênero a fim de evitar uma leitura simplista que simplesmente reproduz avaliações morais e conservadoras dos modos de existência. 


Palavras-chave


Gênero; mídia; subjetividade

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, R. O. (2001). Mulheres que matam: universo imaginário do crime no feminino. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Avansini, C. (2012, Maio 6). Número de presas cresce 108% no Paraná. Folha de Londrina, p. 8.

Barsted, L. A. L. (1994). Em busca do tempo perdido: mulher e políticas públicas no Brasil 1983-1993. Revista de Estudos Feministas, 2, p. 38-54.

Butler, J. (2003). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Cardoso, E. (2004). Imprensa feminista brasileira pós 1974. Estudos Feministas, 12, p. 37-55.

Carvalhaes, F. F. (2015). Mulheres no crime: deslizamento de fronteiras (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Psicologia.

De Lauretis, T. (1994). A tecnologia do gênero. Em: Holanda, H. B. (Org.), Tendências e impasses: o feminismo como crítica cultural. Rio de Janeiro: Rocco.

Deleuze, Gilles. (1991). Foucault. São Paulo: Brasiliense.

____________. (1992). Conversações. São Paulo: Ed. 34.

Díaz, E. B. (2013). Desconstrução e subversão: Judith Butler. Sapere Aude, 4 (7), p. 441-464.

Bandidos. Cyberpolícia. Recuperado de: http://www.cyberpolicia.com.br/historia/crimes-e-criminosos. Em: 23 jan 2017.

Foucault, M. (1986). A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense.

Foucault, M. (1988). História da sexualidade. I: A vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (2010). Os anormais. São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (2011). Vigiar e punir: história da violência nas prisões. Petrópolis: Vozes.

Haraway, D. (2000). Manifesto ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo socialista no final do século XX. Em: Silva, T. T. Silva (Org.), Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica.

Martins, S. (2009). A mulher junto às criminologias: de degenerada à vítima, sempre sob o controle sociopenal. Fractal: Revista de Psicologia, 21 (1), p. 111-124.

Mayorga, C. (2014). Algumas contribuições do feminismo à Psicologia Social Comunitária. Athenea Digital, 14 (1), p. 221-236.

Mulher é acusada de matar marido, irmã e sobrinha no RS. (2009, Abril 16). Folha de São Paulo, C4.

Harazim, D. Mulher, crime castigo. (1995, Junho 7). Veja. V. 28, n. 23, p. 88-111.

Pereira, P. P. G. (2009). Violência e tecnologias de gênero: tempo e espaço nos jornais. Revista de Estudos Feministas, 17 (2), p. 344 -361.

Pimentel, A. (2001). O método da análise documental: seu uso numa pesquisa historiográfica. Cadernos de Pesquisa, 114, p. 179-195

Pimentel, E. (2008). Amor bandido: as teias afetivas que envolvem a mulher no tráfico de drogas. Congresso português de sociologia. Maceió.

Pinto, C. R. J. (2010). Feminismo, história e poder. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, 18, p. 15-23.

Preciado, B. (2008). Testo Yonqui. Madrid: Espasa Calpe.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

      

        

CNENlogo_livre2.png      ResearchBib      

    

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.