Da episteme à áskesis: notas sobre aspectos éticos no método cartesiano

Felipe Figueiredo de Campos Ribeiro

Resumo


A antiga ideia de êthos, no âmbito da filosofia grega, antes mesmo de ter se tornado (com Aristóteles) objeto de um interesse especulativo e teórico, jamais esteve desvinculada da de áskesis - no sentido de exercício, prática, treino, modo de vida (mais do que no de ascetismo, tal como esta palavra passou a soar para nós depois do cristianismo). É lugar comum se afirmar que essa vinculação mais originária se desvaneceu abruptamente a partir do “momento cartesiano”: que o racionalismo moderno e as ditas teorias do conhecimento que lhe sucederam submeteram todas as dimensões antigas do filosofar a exigências estritamente epistemológicas. Isso, de maneira a reduzir o domínio da ação racional (ou da razão prática) aos termos de teorias gerais de Filosofia Moral, Política ou do Direito (à questão de fundamentar e sistematizar a ação em termos universalistas). Na contramão desses dados, este artigo objetiva redescobrir alguns aspectos éticos no método cartesiano. No escritos de Descartes, é possível identificar elementos de filosofia prática em dois sentidos distintos, mais ou menos independentes entre si: por um lado, encontramos reflexões avulsas sobre moral e ética (as quais Descartes faz interagir com a sua cogitatio); por outro, é possível demonstrar como o próprio procedimento metódico ele mesmo não é outra coisa senão uma reorientação da ação que precede a aquisição do conhecimento e que é pré-condição para o aparecimento do verdadeiro. Isto, de maneira que a adoção de um método - de um caminho que vise a um fim (meta - hodos) - implicou para Descartes em uma conversão de si, na adoção de um modo de vida em constante exercício. Concluímos que a história da filosofia, tal como narrada hegemonicamente entre nós, acaba encobrindo esta espécie de áskesis que está implícita no método cartesiano. O que pretendemos neste artigo não foi senão apresentar algumas passagens da obra de Descartes que nos ajudam a enxergar de que maneira a atividade do pensamento (das Cogitationes) é, ao mesmo tempo, um incessante exercício de aprimoramento no modo de ser e de se conduzir no mundo imanente.

Palavras-chave


Descartes; áskesis; ética; filosofia prática; método

Texto completo:

PDF EPUB

Referências


ARISTÓTELES. Etica a Nicómaco (bilíngue). Madrid: Instituto de Estudos Políticos, 1970.

BEYSSADE, J. M. e BEYSSADE, M. Preséntation. In.: DESCARTES, R. Meditations Métaphysiques, Objetions et réponses suivies de quatre Lettres (Bilingue). Paris : GF Flammarion, 2011.

BEYSSADE, J. M. Introduction. In.: DESCARTES, R. Correspondance avec Élisabeth et autres lettres. Paris: GF Flammarion, 2013.

DESCARTES, R. Meditations touchant le première philosophie. In.: Descartes: Oeuvres philosophiques (Tome II). Paris : Éditions Garnier, 1987.

DESCARTES, R. Meditations Métaphysiques, Objetions et réponses suivies de quatre Lettres. Bilingue. Paris : GF Flammarion, 2011.

DESCARTES, R. Oeuvres de Descartes, tome VI “Discours de la méthode & Essais”, p. 81. Paris: Librairie Philosophique J. Vrin, 1996.

DESCARTES, R. Correspondance avec Élisabeth et autres lettres. Paris: GF Flammarion, 2013.

FOUCAULT, M. (1983-1984). La courage de la vérité: le gouvernement de soi et des autres II. Cours au Collège de France. Paris: Gillimard/Seuil, 2009.

HADOT, P. Qu‟est-ce que la philosophie antique? Paris: Éditions Gallimard, 2009.

LIDDELL, H. G. ; SCOTT, R. Greek-English Lexico. New York : Harper & Brothers Press, 1883. (acessado em : https://archive.org/details/greekenglishlex00liddrich).

LUCIANO. O cínico. (tradução: Olimar Flores Júnior). Revista Kléos Nº 1. (p.254-275), 1997. Disponível em: Acesso em 31 de julho de 2017.

NEHAMAS, A. The art of living: Socratic reflections from Plato to Foucault. Sather classical lectures (volume sixty-one). University of California Press: Los Angeles, 1998.

PLATÃO. O banquete (bilíngue). Belém: Edufpa, 2011.

REALI, M.; ANTISERI, D. Historia da filosofia: do humanismo a Descartes, v. 3. São Paulo: Ed. Paulus, 2004.

RIBEIRO, F. Uma genealogia da genealogia foucaultiana a partir de Platão. 2018. Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Filosofia da UFRJ.

SPINELLI, M. Sobre as diferenças entre éthos com epsílon e êthos com eta. Trans/Form/Ação, nº 32, v. 2. pp.: 9-44. São Paulo, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

      

        

CNENlogo_livre2.png      ResearchBib      

    

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.