Oficinas de Alfabetização com usuários de um CAPS-AD / Literacy workshops with users of a CAPS-AD

Resumo

O presente artigo objetiva relatar uma experiência de intervenção que consistiu na realização de Oficinas de Alfabetização com usuários de um Centro de Atenção Psicossocial para pessoas com necessidades decorrentes do uso de Álcool e outras Drogas (CAPS-AD). Partindo da articulação teórica entre os referenciais da atenção psicossocial e da pedagogia crítica, o artigo apresenta um estudo do tipo relato de experiência no qual empregou-se a metodologia da observação participante. As Oficinas de Alfabetização ocorreram ao longo do segundo semestre de 2019. Entre os principais resultados da intervenção estão a formação de vínculos entre os participantes e a constituição de um espaço de compartilhamento das suas percepções sobre os processos educacionais e a exclusão em uma sociedade letrada. O uso de metodologias ativas na realização das oficinas resultou em satisfatória adesão dos participantes. Além disso, destaca-se a autonomia como ferramenta metodológica e resultado importante nas práticas educacionais de jovens e adultos. Por fim, o artigo argumenta a importância das Oficinas de Alfabetização como recursos estratégicos na clínica ampliada de saúde mental e sinaliza a necessidade de mais estudos sobre a alfabetização no âmbito da atenção psicossocial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Valberdan Pinheiro Montenegro

Psicólogo pela Universidade Federal do Ceará. Residente Multiprofissional em Saúde Mental na Escola de Saúde Pública Visconde de Sabóia.

Referências

Adamy, P.; Silva, R. N. da. (2017). Redução de Danos e Linhas de Cuidado. In: Torossian, Sandra Djambolakdjian; Torres, Samantha; Kveller, Daniel Boianovsky (Org.). Descriminalização do Cuidado: Políticas, Cenários e Experiências em Redução de Danos. Porto Alegre: Rede Multicêntrica.

Amarante, Paulo. (2019). Saúde mental e atenção psicossocial. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Barbosa, C. G., Meira, P. R. M., Nery, J. S., & Gondim, B. B. (2020). Perfil epidemiológico dos usuários de um Centro de Atenção Psicossocial. SMAD. Revista eletrônica saúde mental álcool e drogas, 16(1), 01-08. https://dx.doi.org/10.11606/issn.1806-6976.smad.2020.156687.

Barros, R. (2018). Revisitando Knowles e Freire: Andragogia versus pedagogia, ou O dialógico como essência da mediação sociopedagógica. Educação e Pesquisa, 44. https://doi.org/10.1590/s1678-4634201844173244.

Brasil. (2001). Lei n. 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/LEIS_2001/L10216.htm#:~:text=L10216&text=LEI%20No%2010.216%2C%20DE,modelo%20assistencial%20em%20sa%C3%BAde%20mental.

Brasil. (2002). Ministério da Saúde. Portaria GM n° 336, de 19 de fevereiro de 2002. Define e estabelece diretrizes para o funcionamento dos centros de atenção psicossocial. Brasília: Diário oficial da União.

Brasil. (2003). A Política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2004). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde mental no SUS: os centros de atenção psicossocial. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2014). Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 jun. 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato20112014/2014/Lei/L13005.htm. Acesso em: 29/12/2018.

Campos, I. de O., & Magalhães, Y. B. (2019). Analfabetismo e saúde mental: O discurso de usuários de um centro de atenção psicossocial / illiteracy and mental health: the discourse of users from a psicossocial health care. Revista FSA (Centro Universitário Santo Agostinho), 16(4), pp 151–165. https://doi.org/10.12819/2019.16.4.8.

Cardozo, P. S., Ferraz, F., Yasui, S., Souza, D. F., & Soratto, J. (2019). Agir educativo-comunicativo na relação de assistentes sociais com familiares e usuários: a integralidade no cuidado em saúde mental. Saúde e Sociedade, 28(4), 160-173. Epub December 09, 2019.https://doi.org/10.1590/s0104-12902019190178

Clemente, A., Lavrador, M. C. C., & Ramanholi, A. C. (2013). Desafios da rede de atenção psicossocial: Problematização de uma experiência acerca da implantação de novos dispositivos de álcool e outras drogas na rede de saúde mental da cidade de Vitória-ES. Revista Polis e Psique, 3(1), 80. https://doi.org/10.22456/2238-152X.41111

Freire, P. (2000). A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez.

Freire, P. (2019). Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Gil, A. C. (2019). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Gonçalves, D. A., Mari, J. de J., Bower, P., Gask, L., Dowrick, C., Tófoli, L. F., Campos, M., Portugal, F. B., Ballester, D., Fortes, S. (2014). Brazilian multicentre study of common mental disorders in primary care: Rates and related social and demographic factors. Cadernos de Saúde Pública, 30(3), pp 623–632. https://doi.org/10.1590/0102-311X00158412.

Guimarães, A. C. A., Veras, A. B. & Carli, A. D. (2018). Cuidado em liberdade, um encontro entre Paulo Freire e a reforma psiquiátrica. Revista Psicologia e Saúde, 10(1), 91-103. https://dx.doi.org/10.20435/pssa.v10i1.696

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2019). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. Rio de janeiro: IBGE.

Klein, R. (2000). Os discursos da alfabetização de adultos e as representações do sujeito analfabeto. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina –UFSC, Florianópolis, SC, Brasil.

Raupp, L. & Schneider, D. R. (2017). Educação de jovens e adultos e problemas relacionados ao uso de drogas: análise de necessidades psicossociais junto aos núcleos de Florianópolis/sc. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, Florianópolis, v.9, n.23, p.204-229.

Sabino, G. F. C. et al. (2016). Do tradicional ao inovador: a lógica de redução de danos na experiência de docência no curso de atenção psicossocial aos usuários de álcool e outras drogas. Pesqui. prát. psicossociais, São João del-Rei, v. 11, n. 3, pp. 693-701, dez.

Souza, L. P. S. e, Barbosa, B. B., Silva, C. S. de O. e, Souza, A. G. de, Ferreira, T. N., & Siqueira, L. das G. (2017). Prevalência de transtornos mentais comuns em adultos no contexto da Atenção Primária à Saúde. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, 18, pp 59–66. https://doi.org/10.19131/rpesm.019.

WHO - World Health Organization. (2014). Social determinants of mental health. Disponível em: https://www.who.int/mental_health/publications/gulbenkian_paper_social_determinants_of_mental_health/en/. Acesso em: 20 mai 2020.

Zambillo, M. & Palombini, A. de L. (2017). Autonomias errantes: Processos de autonomização em saúde mental. Estudos de Psicologia (Natal), 22(1), 78-88. https://dx.doi.org/10.22491/1678-4669.20170009.

Publicado
2020-12-31
Como Citar
Pinheiro Montenegro, F. V., & Sobral de Lima, L. (2020). Oficinas de Alfabetização com usuários de um CAPS-AD / Literacy workshops with users of a CAPS-AD. Revista De Psicologia, 12(1), 173 - 181. https://doi.org/10.36517/revpsiufc.12.1.2021.14