A influência da família do homem na escolha do cônjuge e no processo de separação

  • Denise Zarth Sociedade Educacional Três de Maio
  • Karla Rafaela Haack Universidade do Vale do Rio dos Sinos
  • Josiane Razera Faculdade Meridional
Palavras-chave: Família, família de origem, casamento, conjugalidade, separação.

Resumo

O objetivo deste trabalho foi analisar a influência da família de origem para escolha do cônjuge e sobre o processo de separação. Trata-se de uma pesquisa de caráter qualitativo na qual foi realizado um estudo de casos múltiplos com três participantes do sexo masculino que permaneceram casados por mais de seis meses. Utilizou-se como instrumentos para a realização da pesquisa, uma entrevista semiestruturada. A partir da discussão e entendimento dinâmico de três casos, foi possível compreender algumas semelhanças no padrão de relacionamento conjugal dos entrevistados, não desconsiderando suas experiências individuais e subjetivas. Desta forma, infere-se a importância do papel exercido pela família perante o enfrentamento desta situação, visto que a recuperação emocional após uma separação depende, consideravelmente, do apoio familiar recebido. Portanto, percebeu-se a existência de influência da família de origem tanto na escolha do cônjuge quanto no processo de separação.

Biografia do Autor

Denise Zarth, Sociedade Educacional Três de Maio

Graduada em Psicologia

Especialização em Psicodrama (em andamento)

Karla Rafaela Haack, Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Doutora em Psicologia e Psicológa pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos 

Membro do Núcleo de Pesquisa de Família e Violência 

Josiane Razera, Faculdade Meridional

Graduada em Psicologia e especialista em Dinâmicas das Relações Conjugais e Familiares

Mestre e Doutoranda em Psicologia 

Coordenadora e professora do curso de Psicologia da Faculdade Meridional - IMED.

Referências

Ackerman, J. M. (2012). The relevance of relationship satisfaction and continuation to the gender symmetry debate. Journal of interpersonal violence, 27(18), 3579-3600.

Alves-Silva, J. D., Scorsolini-Comin, F., & Santos, M. A. D. (2016). Conjugalidade e casamentos de longa duração na literatura científica. Contextos Clínicos, 9(1), 32-50.

Andolfi, M., Menghi, P., Nicolo, A. M., & Saccu, C. (2014). A interacção nos sistemas rígidos: um modelo de intervenção na família com paciente esquizofrénico. Psicologia, 2(1), 29-46.

Anton, I. C. (2012). A escolha do conjuge: um entendimento sistêmico e psicodinâmico. 2º ed. Porto Alegre: Artemed.

Barreto, A. De C., Maluschke, J. S. N. F.B., Almeida, P. C. de, & Desouza, E. (2009). Desenvolvimento humano e violência de gênero: uma integração bioecológica. Psicologia: Reflexão e Crítica, 22(1), 86-92.

Busby, D. M., Boden, J., Niehuis, S., Reifman, A., & Fitzpatrick, J. (2015). Predicting Partner Enhancement in Marital Relationships The Family of Origin, Attachment, and Social Network Approval. Journal of Family Issues, 0192513X15618994.

Canavarro, M. C. S. (1999). Relações afetivas e saúde mental: Uma abordagem ao longo do ciclo de vida. Coimbra: Quarteto.

Carter, B. & McGoldrick, M. (1995). As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para terapia familiar. Porto Alegre: Artes Médicas.

Castilho, V. B. F. (2008) História, fundamentos e novas tendências da terapia familiar sistêmica. Revista Brasileira de Terapia Familiar, 1(1), 79-83.

Colossi, P. M., Marasca, A. R., & Falcke, D. (2015). De Geração em Geração: A Violência Conjugal e as Experiências na Família de Origem. Psico, 46(4), 493-502.

Dantas, M. S., Angelim, R. C. M., Abrão, F. M. S., & Oliveira, D. C. (2016). Conjugalidade e representações sociais do HIV/AIDS pela equipe multiprofissional de saúde. Revista Enfermagem UERJ, 23(6), 734-740.

D’ Avila, V. R. A. (2013). Divórcio e mediação familiar: uma visão Sistêmica/construcionista. Trabalho apresentado ao Familiar e Instituto Sistêmico como requisito parcial para conclusão do Curso de Especialização em Terapia Relacional Sistêmica.

Dias, A. R., Machado, C., Gonçalves, R. A., & Manita, C. (2012). Repertórios interpretativos sobre o amor e as relações de intimidade de mulheres vítimas de violência: Amar e ser amado violentamente?. Análise Psicológica, 30(1-2), 143-159.

Faco, V. M. G., & Melchiori, L. E. (2009). Conceito de família: adolescentes de zonas rural e urbana. São Paulo: Editora Unesp.

Féres-Carneiro, T. (1998). Casamento contemporâneo: o difícil convívio da individualidade com a conjugalidade. Psicologia: reflexão e crítica, 11(2), 379-394.

Féres-Carneiro, T. (2005). Família e casal: efeitos da contemporaneidade. Rio de Janeiro: Editora Puc-Rio.

Féres-Carneiro, T. e Diniz Neto, O. (2010). Construção e dissolução da conjugalidade: padrões relacionais. Paidéia, 20(46), 269-278.

Galera, L. (2002). Principais conceitos da abordagem sistêmica em cuidados de enfermagem ao indivíduo e sua família. Revista Escola de Enfermagem. USP, p.36.

Gómez-Díaz, J. A. (2011). Fenomenologia del divorcio. Psicologia & Sociedade, 23(2), 391-397.

Gonçalves, R.A. M. (2015). Percepções de bem¬‐estar em crianças e famílias: um olhar intra e inter geracional (Dissertação de mestrado). Universidade de Coimbra, Portugal.

Gouveia, V. V., Silveira, S. S., Santos, W. S., de Souza, S. S. B., & Belo, R. P. (2015). Escala de Ciúme Romântico (ECR): Evidências Psicométricas de uma Versão Reduzida. Psicologia: ciência e profissão, 35(2), 1-16.

Grassi, M., & Vivet, J. (2014). Fathering and Conjugality in Transnational Patchwork Families: the Angola/Portugal case. TL Network e-Working Papers, 1-25.

Guizzo, B. S., & Gomes, J. C. A. (2015). A mídia ensinando sobre novas configurações familiares: representações de homoparentalidade. Comunicações, 22(2), 137-148.

Hameister, B. D. R., Barbosa, P. V., & Wagner, A. (2015). Conjugalidade e parentalidade: uma revisão sistemática do efeito spillover. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 67(2), 140-155.

IBGE.(2013). Casamentos no Brasil crescem 1,1% em 2013; divórcios caem 4,9%. Retirado de: http://www.valor.com.br/brasil/3809460/casamentos-no-brasil-crescem-11-em-2013-divorcios-caem-49.

Johnson, S. (2015). “We don’t have this is mine and this is his”: managing money and the character of conjugality in Kenya. Journal of Development Studies.

Kaloustian, S. M. (2005). Família Brasileira a base de tudo. 7 ed. São Paulo: Editora Cortez.

Lacerda, L., & Costa, N. (2014). Relação entre comportamentos emocionais ciumentos e violência contra a mulher. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 15(3), 21-36.

Levy, L., & Gomes, I. C. (2015). Egg Donation and its Effects in Conjugality. Le Divan familial, (1), 125-134.

Melício, T., Bernardes, A. G., Monteiro, A. B., de Souza Pereira, A. C., da Silva Júnior, H. C., & Cassoni, J. G. (2015). Ampliando o foco das lentes: um olhar dos alunos de psicologia sobre as transformações nos arranjos familiares. Revista Presença, 1(1), 317-331.

Minuchin, S., Nichols M. P. & Lee, W. Y. (2009). Famílias e casais: do sintoma ao sistema. Porto Alegre: Artmed.

Narvaz, G. M., & Koller, H. S. (2006). Famílias e patriarcado: da prescrição normativa à subversão criativa. Revista Psicologia e Sociedade, 18(1).

Nogueira, F. A. (2015). Processo de adaptação nas famílias adotivas: a percepção parental sobre exigências e potencialidades (Dissertação de mestrado). Universidade de Lisboa, Portugal.

Osório, L. C. (1996). Família hoje: O que é a família, afinal? Porto Alegre: Artes Médicas.

Park, J. K. (2015). yellow men's burden: east asian imperialism, forensic medicine, and conjugality in colonial Korea. Acta Koreana, 18(1), 187.

Quissini, C. e Coelho, L. R. M (2014). A influência das famílias de origem nas relações conjugais. Pensando famílias, 18(2), 34-47.

Qureshi, K. (2016). Marital Breakdown Among British Asians: Conjugality, Legal Pluralism and New Kinship. Springer.

Razera, J., Cenci, C. M. B., & Falcke, D. (2014). Violência doméstica e transgeracionalidade: um estudo de caso. Revista de Psicologia da IMED, 6 (1), 47-51

Rebello, K. Do S. S. (2012). Qualidade da relação conjugal: avaliação dos casais residentes no Pará. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Pará.

Rolim, K. I. & Wendling, M. I. (2013). A história de nós dois: reflexões acerca da formação e dissolução da conjugalidade. Psicologia clinica, 25(2), 165-180.

Rosa, C. P. (2012). Desatando Nós e Criando Laços. Belo Horizonte: Del Rey

Santos, A. D. M. P. (2016). A historicidade da linguagem nas novas configurações familiares: um olhar jurídico. Estudos Linguísticos, 45(1), 257-268.

Scorsolini-Comin, F., Fontaine, A. M. G. V., & Santos, M. A. D. (2015). Conjugalidade dos pais: percepções de indivíduos casados e solteiros. Avaliação Psicológica, 14(2), 223-231.

Scorsolini-Comin, F., & Santos, M. A. dos. (2010). Satisfação com a vida e satisfação diádica: correlações entre construtos de bem-estar. Psicologia USF, 15(2), 249-256

Sluzki, C. E. (2014). Processo, estrutura e visão do mundo: para uma visão integrada de modelos sistémicos na terapia familiar. Psicologia, 9(1), 11-18.

Sutton, T. E., & Simons, L. G. (2015). Sexual assault among college students: Family of origin hostility, attachment, and the hook-up culture as risk factors. Journal of Child and Family Studies, 24(10), 2827-2840.

Turatti, M. C., & Lucas, M. G. (2016). Compreendendo o ciúme na relação conjugal: um olhar sistêmico. Unoesc & Ciência-ACBS, 7(2), 145-152.

Yin, R.K. (2015). Estudo de caso: planejamento e métodos. 5. ed. Porto Alegre: Bookman,

Zanetti, S. A. S, & Gomes, I. C. (2012). Efeitos da herança psíquica na opção pela não construção do vínculo amoroso. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, 3(1), 57-74.

Ziviani, C., Féres-Carneiro, T., & Magalhães, A. S. (2012). Pai e mãe na conjugalidade: aspectos conceituais e validação de construto. Paidéia, 22(52), 165-175.

Zordan, E. P., Dellatorre, R. & Wieczorek, L. (2012). A Entrevista na Terapia Familiar Sistêmica: Pressupostos Teóricos, Modelos E Técnicas De Intervenção. Perspectiva. Erechim, 36, 133-142.

Publicado
2018-07-01
Como Citar
Zarth, D., Haack, K. R., & Razera, J. (2018). A influência da família do homem na escolha do cônjuge e no processo de separação. Revista De Psicologia, 9(2), 86-95. Recuperado de http://periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/6608
Seção
Artigos