A influência da família do homem na escolha do cônjuge e no processo de separação

Denise Zarth, Karla Rafaela Haack, Josiane Razera

Resumo


O objetivo deste trabalho foi analisar a influência da família de origem para escolha do cônjuge e sobre o processo de separação. Trata-se de uma pesquisa de caráter qualitativo na qual foi realizado um estudo de casos múltiplos com três participantes do sexo masculino que permaneceram casados por mais de seis meses. Utilizou-se como instrumentos para a realização da pesquisa, uma entrevista semiestruturada. A partir da discussão e entendimento dinâmico de três casos, foi possível compreender algumas semelhanças no padrão de relacionamento conjugal dos entrevistados, não desconsiderando suas experiências individuais e subjetivas. Desta forma, infere-se a importância do papel exercido pela família perante o enfrentamento desta situação, visto que a recuperação emocional após uma separação depende, consideravelmente, do apoio familiar recebido. Portanto, percebeu-se a existência de influência da família de origem tanto na escolha do cônjuge quanto no processo de separação.


Palavras-chave


Família; família de origem; casamento; conjugalidade; separação.

Texto completo:

PDF

Referências


Ackerman, J. M. (2012). The relevance of relationship satisfaction and continuation to the gender symmetry debate. Journal of interpersonal violence, 27(18), 3579-3600.

Alves-Silva, J. D., Scorsolini-Comin, F., & Santos, M. A. D. (2016). Conjugalidade e casamentos de longa duração na literatura científica. Contextos Clínicos, 9(1), 32-50.

Andolfi, M., Menghi, P., Nicolo, A. M., & Saccu, C. (2014). A interacção nos sistemas rígidos: um modelo de intervenção na família com paciente esquizofrénico. Psicologia, 2(1), 29-46.

Anton, I. C. (2012). A escolha do conjuge: um entendimento sistêmico e psicodinâmico. 2º ed. Porto Alegre: Artemed.

Barreto, A. De C., Maluschke, J. S. N. F.B., Almeida, P. C. de, & Desouza, E. (2009). Desenvolvimento humano e violência de gênero: uma integração bioecológica. Psicologia: Reflexão e Crítica, 22(1), 86-92.

Busby, D. M., Boden, J., Niehuis, S., Reifman, A., & Fitzpatrick, J. (2015). Predicting Partner Enhancement in Marital Relationships The Family of Origin, Attachment, and Social Network Approval. Journal of Family Issues, 0192513X15618994.

Canavarro, M. C. S. (1999). Relações afetivas e saúde mental: Uma abordagem ao longo do ciclo de vida. Coimbra: Quarteto.

Carter, B. & McGoldrick, M. (1995). As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para terapia familiar. Porto Alegre: Artes Médicas.

Castilho, V. B. F. (2008) História, fundamentos e novas tendências da terapia familiar sistêmica. Revista Brasileira de Terapia Familiar, 1(1), 79-83.

Colossi, P. M., Marasca, A. R., & Falcke, D. (2015). De Geração em Geração: A Violência Conjugal e as Experiências na Família de Origem. Psico, 46(4), 493-502.

Dantas, M. S., Angelim, R. C. M., Abrão, F. M. S., & Oliveira, D. C. (2016). Conjugalidade e representações sociais do HIV/AIDS pela equipe multiprofissional de saúde. Revista Enfermagem UERJ, 23(6), 734-740.

D’ Avila, V. R. A. (2013). Divórcio e mediação familiar: uma visão Sistêmica/construcionista. Trabalho apresentado ao Familiar e Instituto Sistêmico como requisito parcial para conclusão do Curso de Especialização em Terapia Relacional Sistêmica.

Dias, A. R., Machado, C., Gonçalves, R. A., & Manita, C. (2012). Repertórios interpretativos sobre o amor e as relações de intimidade de mulheres vítimas de violência: Amar e ser amado violentamente?. Análise Psicológica, 30(1-2), 143-159.

Faco, V. M. G., & Melchiori, L. E. (2009). Conceito de família: adolescentes de zonas rural e urbana. São Paulo: Editora Unesp.

Féres-Carneiro, T. (1998). Casamento contemporâneo: o difícil convívio da individualidade com a conjugalidade. Psicologia: reflexão e crítica, 11(2), 379-394.

Féres-Carneiro, T. (2005). Família e casal: efeitos da contemporaneidade. Rio de Janeiro: Editora Puc-Rio.

Féres-Carneiro, T. e Diniz Neto, O. (2010). Construção e dissolução da conjugalidade: padrões relacionais. Paidéia, 20(46), 269-278.

Galera, L. (2002). Principais conceitos da abordagem sistêmica em cuidados de enfermagem ao indivíduo e sua família. Revista Escola de Enfermagem. USP, p.36.

Gómez-Díaz, J. A. (2011). Fenomenologia del divorcio. Psicologia & Sociedade, 23(2), 391-397.

Gonçalves, R.A. M. (2015). Percepções de bem¬‐estar em crianças e famílias: um olhar intra e inter geracional (Dissertação de mestrado). Universidade de Coimbra, Portugal.

Gouveia, V. V., Silveira, S. S., Santos, W. S., de Souza, S. S. B., & Belo, R. P. (2015). Escala de Ciúme Romântico (ECR): Evidências Psicométricas de uma Versão Reduzida. Psicologia: ciência e profissão, 35(2), 1-16.

Grassi, M., & Vivet, J. (2014). Fathering and Conjugality in Transnational Patchwork Families: the Angola/Portugal case. TL Network e-Working Papers, 1-25.

Guizzo, B. S., & Gomes, J. C. A. (2015). A mídia ensinando sobre novas configurações familiares: representações de homoparentalidade. Comunicações, 22(2), 137-148.

Hameister, B. D. R., Barbosa, P. V., & Wagner, A. (2015). Conjugalidade e parentalidade: uma revisão sistemática do efeito spillover. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 67(2), 140-155.

IBGE.(2013). Casamentos no Brasil crescem 1,1% em 2013; divórcios caem 4,9%. Retirado de: http://www.valor.com.br/brasil/3809460/casamentos-no-brasil-crescem-11-em-2013-divorcios-caem-49.

Johnson, S. (2015). “We don’t have this is mine and this is his”: managing money and the character of conjugality in Kenya. Journal of Development Studies.

Kaloustian, S. M. (2005). Família Brasileira a base de tudo. 7 ed. São Paulo: Editora Cortez.

Lacerda, L., & Costa, N. (2014). Relação entre comportamentos emocionais ciumentos e violência contra a mulher. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 15(3), 21-36.

Levy, L., & Gomes, I. C. (2015). Egg Donation and its Effects in Conjugality. Le Divan familial, (1), 125-134.

Melício, T., Bernardes, A. G., Monteiro, A. B., de Souza Pereira, A. C., da Silva Júnior, H. C., & Cassoni, J. G. (2015). Ampliando o foco das lentes: um olhar dos alunos de psicologia sobre as transformações nos arranjos familiares. Revista Presença, 1(1), 317-331.

Minuchin, S., Nichols M. P. & Lee, W. Y. (2009). Famílias e casais: do sintoma ao sistema. Porto Alegre: Artmed.

Narvaz, G. M., & Koller, H. S. (2006). Famílias e patriarcado: da prescrição normativa à subversão criativa. Revista Psicologia e Sociedade, 18(1).

Nogueira, F. A. (2015). Processo de adaptação nas famílias adotivas: a percepção parental sobre exigências e potencialidades (Dissertação de mestrado). Universidade de Lisboa, Portugal.

Osório, L. C. (1996). Família hoje: O que é a família, afinal? Porto Alegre: Artes Médicas.

Park, J. K. (2015). yellow men's burden: east asian imperialism, forensic medicine, and conjugality in colonial Korea. Acta Koreana, 18(1), 187.

Quissini, C. e Coelho, L. R. M (2014). A influência das famílias de origem nas relações conjugais. Pensando famílias, 18(2), 34-47.

Qureshi, K. (2016). Marital Breakdown Among British Asians: Conjugality, Legal Pluralism and New Kinship. Springer.

Razera, J., Cenci, C. M. B., & Falcke, D. (2014). Violência doméstica e transgeracionalidade: um estudo de caso. Revista de Psicologia da IMED, 6 (1), 47-51

Rebello, K. Do S. S. (2012). Qualidade da relação conjugal: avaliação dos casais residentes no Pará. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Pará.

Rolim, K. I. & Wendling, M. I. (2013). A história de nós dois: reflexões acerca da formação e dissolução da conjugalidade. Psicologia clinica, 25(2), 165-180.

Rosa, C. P. (2012). Desatando Nós e Criando Laços. Belo Horizonte: Del Rey

Santos, A. D. M. P. (2016). A historicidade da linguagem nas novas configurações familiares: um olhar jurídico. Estudos Linguísticos, 45(1), 257-268.

Scorsolini-Comin, F., Fontaine, A. M. G. V., & Santos, M. A. D. (2015). Conjugalidade dos pais: percepções de indivíduos casados e solteiros. Avaliação Psicológica, 14(2), 223-231.

Scorsolini-Comin, F., & Santos, M. A. dos. (2010). Satisfação com a vida e satisfação diádica: correlações entre construtos de bem-estar. Psicologia USF, 15(2), 249-256

Sluzki, C. E. (2014). Processo, estrutura e visão do mundo: para uma visão integrada de modelos sistémicos na terapia familiar. Psicologia, 9(1), 11-18.

Sutton, T. E., & Simons, L. G. (2015). Sexual assault among college students: Family of origin hostility, attachment, and the hook-up culture as risk factors. Journal of Child and Family Studies, 24(10), 2827-2840.

Turatti, M. C., & Lucas, M. G. (2016). Compreendendo o ciúme na relação conjugal: um olhar sistêmico. Unoesc & Ciência-ACBS, 7(2), 145-152.

Yin, R.K. (2015). Estudo de caso: planejamento e métodos. 5. ed. Porto Alegre: Bookman,

Zanetti, S. A. S, & Gomes, I. C. (2012). Efeitos da herança psíquica na opção pela não construção do vínculo amoroso. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, 3(1), 57-74.

Ziviani, C., Féres-Carneiro, T., & Magalhães, A. S. (2012). Pai e mãe na conjugalidade: aspectos conceituais e validação de construto. Paidéia, 22(52), 165-175.

Zordan, E. P., Dellatorre, R. & Wieczorek, L. (2012). A Entrevista na Terapia Familiar Sistêmica: Pressupostos Teóricos, Modelos E Técnicas De Intervenção. Perspectiva. Erechim, 36, 133-142.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

      

        

CNENlogo_livre2.png      ResearchBib      

    

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.