Avaliação da terapêutica em pacientes de alto risco cardiovascular

  • Juliana Gomes Freire Universidade Federal do Ceará (UFC)
  • Ricardo Pereira Silva Universidade Federal do Ceará (UFC)
Palavras-chave: Hipertensão arterial, Infarto agudo do miocárdio, Diabetes mellitus tipo 2, Inibidores da enzima conversora de angiotensina, Hipolipemiantes, Doenças cardiovasculares

Resumo

Segundo o estudo Global Burden of Diseases, para o ano de 2020, a doença cardiovascular (DCV) permanecerá como a principal causa de óbito e incapacidade em ambos os sexos, no Brasil e no mundo. Em nosso país, as DCV são responsáveis por alta frequência de internações, ocasionando altos custos médicos e socioeconômicos. Daí a necessidade de se melhorar a abordagem desses pacientes. Objetivo: registrar a prática clínica vigente na prescrição das intervenções farmacológicas baseadas em evidência. Metodologia: estudo observacional, transversal e descritivo desenvolvido entre os pacientes do HUWC, no período de abril de 2014 a maio de 2015, incluindo indivíduos de alto risco cardiovascular. Resultados: a faixa etária prevalente situou-se entre 50 e 70 anos; 64,7% eram mulheres; 68,5% eram pardos e 24,7% brancos. Hipertensão arterial sistêmica, dislipidemia e diabetes mellitus constituíram os principais fatores de risco cardiovasculares. Cerca de 64,6% dos pacientes apresentavam pressão arterial sob controle. Conclusão: O uso da terapia otimizada se encontra aquém da ideal; a maior parcela da população em estudo atingiu a meta para controle de PA.

Referências

Sociedade Brasileira de Cardiologia / Sociedade Brasileira de Hipertensão / Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol 2010; 95(1 supl.1): 1-51

James PA, Oparil S, Carter BL, et al. 2014 Evidence-Based Guideline for the Management of High Blood Pressure in Adults: Report From the Panel Members Appointed to the Eighth Joint National Committee (JNC 8). JAMA. 2014;311(5):507-520. doi:10.1001/jama.2013.284427.

Ronald G. Victor. Hipertensao sistêmica: Mecanismos e diagnóstico. Braunwald, v.1, Rio de Janeiro, Elsevier, 2013.

Sipahi I, Tuzcu EM, Schoenhagen P, Wolski KE, Nicholls SJ, Balog C, et al. Effects of normal, pre-hypertensive, and hypertensive blood pressure levels on progression of coronary atherosclerosis. J Am Coll Cardiol 2006; 48(4):833-838

Rosendorff C, Black HR, Cannon CP, Gersh BJ, Gore J, Izzo JL, et al. Treatment of hypertension in the prevention and management of ischemic heart disease: a scientific statement from the American Heart Association Council for High Blood Pressure Research and the Councils on Clinical Cardiology and Epidemiology and Prevention. Circulation 2007; 115(21):2761-2788).

PEREIRA, Jaqueline Locks et al. Escore TIMI no infarto agudo do miocárdio conforme níveis de estratificação de prognóstico. Arq. Bras. Cardiol., São Paulo, vol 93, n.2, p. 105-112, Aug. 2009. Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?

Andrade, P. Epidemiologia da hipertensão arterial no Brasil. Tratado de cardiologia SOCESP, São Paulo, Manole, 2005.

International Diabetes Federation. IDF Diabetes Atlas, 6ª edição. Belgium: IDF. 2013

Sociedade Brasileira de diabetes. Diretrizes da sociedade brasileira de diabetes 2013-2014, São Paulo: AC farmaceutica, 2014.

Sociedade brasileira de nefrologia/ Sociedade brasileira de urologia/ Sociedade brasileira de pediatria/ Sociedade brasileira de nutrição parenteral e enteral. Doença Renal Crônica (Pré-terapia Renal Substitutiva): Diagnóstico- projeto diretrizes 2011.

BERWANGER, Otávio et al . Prescrição de terapias baseadas em evidências para pacientes de alto risco cardiovascular: estudo REACT. Arq. Bras. Cardiol., São Paulo , v. 100, n. 3, p. 212-220, Mar. 2013. Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0066-782X2013000300002&lng=en&nrm=iso access on 05 Jan. 2016. http://dx.doi.org/10.5935/abc.20130062.

Sposito AC, Caramelli B, Fonseca FA, Bertolami MC, Afiune Neto A, Souza AD, et al; Sociedade Brasileira de Cardiologia. IV Diretriz brasileira sobre dislipidemias e prevenção da aterosclerose. Arq Bras Cardiol. 2007;88(supl 1):1-18.

Zornoff LAM, Paiva SA, Assalin VM, Pola PM, Becker LE, Okoshi MP, et al. Perfil clínico, preditores de mortalidade e tratamento de pacientes após infarto agudo do miocárdio, em hospital terciário universitário. Arq Bras Cardiol. 2002; 78 (4): 396-405

Pereira M, Lunet N, Azevedo A, Barros H. Differences in prevalence, awareness, treatment and control of hypertension between developing and developed countries. J Hypertension 2009; 27(5): 963–975

Bhatt DL, Eagle KA, Ohman EM, Hirsch AT, Goto S, Mahoney EM, et al; REACH Registry Investigators. Comparative determinants of 4-year cardiovascular event rates in stable outpatients at risk of or with atherothrombosis. JAMA. 2010;304(12):1350-7.

WHO study on prevention of recurrences of myocardial infarction. Disponível em: http://www.who.int/entity/bulletin/volumes/83/11/820.pdf

Pierin, A. M. G. et al. Risco cardiovascular global – da teoria à prática. Risco cardiovascular global – da teoria à prática. São Paulo: Lemos editorial, 2000.

Rosário TM, Scala LCNS, França GVA, Pereira MRG, Jardim PCBV. Prevalência, controle e tratamento da hipertensão arterial sistêmica em Nobres, MT. Arq Bras Card 2009; 93(6): 672–678.

Jardim PCV, Peixoto MR, Monego E, Moreira H, Vitorino PVO, Souza WSBS, Scala LCN. Hipertensão arterial e alguns fatores de risco em uma capital brasileira. Arq Bras Card 2007; 88(4): 452–457

Jaffe MG, Lee GA, Young JD, Sidney S, Go AS. Improved blood pressure control associated with a large-scale hypertension program. JAMA. 2013;310:699–705. [PMC free article] [PubMed]

Publicado
2019-11-27
Seção
ARTIGOS ORIGINAIS