O INTERLÚDIO DE PEDRO, O BOBO EM ROMEU E JULIETA: UMA PROPOSTA DE TRADUÇÃO

  • Tiago Marques Luiz

Resumo

Esta tradução é um exercício que toma por finalidade observar como outras traduções se esforçaram ao tentar resgatar a teatralidade e a oralidade da cena V do ato IV, mais precisamente o desfecho dela, onde temos o interlúdio de Pedro com os músicos. A edição usada como texto-fonte é a da Yale University Press (2004), que se baseou no Fólio de 1603, e foram consultadas seis traduções brasileiras: Oliveira Ribeiro Neto (1960), Onestaldo de Pennafort (1968), Fernando Carlos Almeida da Cunha Medeiros e Oscar Mendes[1] (1978), Bárbara Heliodora (1997), Beatriz Viégas-Faria (2016) e José Francisco Botelho (2016).


[1] A tradução de Romeu e Julieta foi assinada pelos dois, por isso conto como se fosse apenas uma.

Referências

AALTONEN, Sirku. Time-sharing on stage. Drama Translation in Theatre and Society. Topics in Translation 17, Clevedon/Bufffalo/Toronto/Sydney: Multilingual Matters Ltd., 2000.

ALDEN, Raymond Macdonald. The Use of Comic Material in the Tragedy of Shakespeare and His Contemporaries. The Journal of English and Germanic Philology, Illinois, vol. 13, n. 2, p. 281-298, 1914.

ANDRADE, Mário. Dicionário Musical Brasileiro. São Paulo: Ministério da Cultura/IEB/Edusp/Itatiaia, 1989.

BRADLEY, Andrew Cecil. Shakespearean Tragedy. New Delhi: Atlantic Publishers and Distributors, 2010.

BRAUN, Ana Karina Borges. O tratamento da polissemia em traduções da obra Romeu e Julieta de William Shakespeare. 2016. 120 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

FORTUNA, Marlene. A performance da oralidade teatral. 1ª edição. São Paulo: Annablume, 2000.

__________. Intertextualidade para a Comunicação Eficiente: do texto dramatúrgico à performance do ator em cena. Trabalho apresentado no DT 6 – Interfaces Comunicacionais do XV Congresso de Ciências da Comunicação. Anais do XV Congresso de Ciências da Comunicação, Vitória, ES, 2010, p. 1-15. Disponível em: <http://www.intercom.org.br/papers/regionais/sudeste2010/resumos/R19-0170-1.pdf>. Acesso em 15 set. 2018.

__________. KALLÍOPE: a musa grega da palavra transformada. Do texto escrito do dramaturgo à performance viva do ator em cena. Diálogos Entre – Mentes. In: SIMÕES, Darcília (org). Diálogos Intersemióticos. Volume 1. Rio de Janeiro: Dialogarts, 2011, p. 196-207.

HELIODORA, Bárbara. Meus motivos para traduzir Shakespeare/ My reasons for translating Shakespeare. Tradução de Thelma Christina Ribeiro Côrtes. In: MARTINS, Márcia do Amaral Peixoto; GUERINI, Andréia. Palavra de Tradutor: Refl­exões sobre tradução por tradutores brasileiros/ The Translator’s Word: Reflections on Translation by Brazilian Translators. Edição bilíngue. Florianópolis: Editora da UFSC, 2018, p. 177-193.

__________. Sobre Teatro e Shakespeare. Entrevista concedida a Liana Camargo Leão. Portal Shakespeare Digital. Disponível em: http://www.shakespearedigitalbrasil.com.br/entrevista-com-barbara-heliodora-sobre-teatro-e-shakespeare/. Acesso em 5 ago. 2018.

LUIZ, Tiago Marques. “Cava a Cova!”: Descrevendo o humor da cena dos coveiros de Hamlet em duas traduções brasileiras. 2013. 132 f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Tradução) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

__________. “A presença da comédia nas tragédias de Shakespeare”, de Arthur Huntington Nason. Dramaturgia em foco, Petrolina, v. 1, n. 1, p. 158-169, 2017.

MARTINS, Márcia do Amaral Peixoto. Traduzindo o trocadilho: o humor de O mercador de Veneza em português. In: MARTINS, Márcia do Amaral Peixoto (org). Visões e identidades brasileiras de Shakespeare. Rio de Janeiro: Lucerna, 2004, p. 127-148.

__________. A tradução dos jogos de palavras shakespearianos: o caso de A Megera Domada. In: CAMATI, Anna Stegh; MIRANDA, Célia Arns. Shakespeare sob múltiplos olhares. 2ª edição. Curitiba: Editora da UFPR, 2016, p. 287-314.

PAVIS, Patrice. Dicionário de Teatro. 3ª ed. Tradução de J. Guinsburg e Maria Lúcia Pereira. São Paulo: Perspectiva, 2015.

RAMOS, Elizabeth. A tradução da obscenidade em Romeu e Julieta. Tradução em Revista, Rio de Janeiro, vol. 14, n. 1, p. 88-99, 2013.

SHAKESPEARE, William. Romeo and Juliet. Fully annotated, with an introduction by Burton Raffel, with an essay by Harold Bloom. The Annotated Shakespeare. New Haven and London: Yale University Press, 2004.

__________. Romeu e Julieta. Tradução de Bárbara Heliodora. Rio de Janeiro: Lacerda Editores, 1997.

__________. Romeu e Julieta. Tradução de Beatriz Viégas-Faria. Porto Alegre: L&PM Pocket, 2016.

__________. Tragédias de Shakespeare: Romeu e Julieta, Hamlet e Macbeth. Tradução em prosa e verso de Oliveira Ribeiro Neto. São Paulo: Martins Editora, 1960, p. 19-126.

__________. Romeu e Julieta. Tradução de Onestaldo de Pennafort. 4ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

__________. Romeu e Julieta. 1ª ed. Tradução e notas de José Francisco Botelho. Introdução de Adrian Poole. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2016.

__________. Romeu e Julieta. Tradução de F. Carlos de Almeida Cunha Medeiros e Oscar Mendes. In: SHAKESPEARE, William. Romeu e Julieta; Macbeth; Hamlet, Príncipe da Dinamarca e Otelo, o Mouro de Veneza. Traduções de F. Carlos de Almeida Cunha Medeiros e Oscar Mendes. Sinopses, Dados Históricos e Notas de F. Carlos de Almeida Cunha Medeiros. São Paulo: Abril Cultural, 1978, p. 8-109.

UBERSFELD, Anne. Para ler o teatro. Tradução de José Simões. Coleção Estudos 217. São Paulo: Perspectiva, 2005.

WAGNER, Fernando. Teoría y técnica teatral. 1ª Edición. Figuras 31. Nueva colección Labor. Barcelona: Editorial Labor, 1970.

WILES, David. Shakespeare’s Clown: Actor and Text in the Elizabethan Playhouse. Cambridge: Cambridge University Press, 2005.

ZATLIN, Phyllis. Theatrical Translation and Film Adaptation: A Practitioner’s View. Topics in Translation 29. Clevedon, Buffalo, Toronto: Multilingual Matters, 2005.

Publicado
2018-12-29