Dúvida e Epistemologia na Construção da Metafísica Cartesiana.

Luis Carlos Ribeiro Alves

Resumo


Pretendemos analisar o processo de desenvolvimento da metafísica cartesiana a partir utilização da duvida hiperbólica como meio de chegar a verdade. Analisaremos o surgimento da dúvida cartesiana no desenvolvimento de sua ontologia, tomando por base seu olhar sobre o mundo e as coisas; ou seja, passando pela criação do método. Tomaremos como base o conjunto de suas obras metafísicas, desde o Discurso do Método que a anuncia, passando pelas Meditações, até aos Princípios da Filosofia, explanando as razões de sua epistemologia e da atitude de duvidar. Refletiremos acerca das regras que adotou para conduzir sua investigação de uma verdade indubitável: o Cogito, que seria útil como resposta aos céticos e ao senso comum de que cada indivíduo se julgava possuidor, passando para tal, por problemas como da veracidade das essências matemáticas, da certeza das coisas sensíveis, dentre outros.


Referências


ALQUIÉ, Ferdinand. A Filosofia de Descartes. Lisboa: Editorial Presença; São Paulo: livraria Martins Fontes, c 1969.

ANON, Breviário Términos Filosóficos. Disponível on-line em http://hansi.libroz.com.ar. Acessado em 14.05.2008.

AUDI, Robert. Diccionario Akal de Filosofía. Madri: Akal. 2004.

CAPRA, Fritjof. O Ponto de Mutação. 5. ed. São Paulo: Cultrix: 1988.

DESCARTES, René. Discurso do método – Meditações – Objeções e Respostas. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1979. (Coleção Os Pensadores).

______ . Os Princípios da Filosofia. Lisboa: Edições 70, 1997.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Miniaurélio - Século XXI Escolar. 4. ed. Revista e ampliada. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.

LALANDE, André. Epistemologia. In: _____. Vocabulário Técnico e Critico da Filosofia. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999. p. 313.

RABUSKE, Edvino. Epistemologia das Ciências Humanas. Caxias do Sul: EDUCS, 1987


Apontamentos

  • Não há apontamentos.