Pluralidade de vozes: a garantia da dignidade humana

  • Maria Cristina Müller

Resumo

O objetivo da presente investigação consiste em compreender quais aspectos da condição humana são fundamentais para garantir dignidade ao ser humano. Tais reflexões serão balizadas teoricamente pela obra da filósofa contemporânea Hannah Arendt. Inicialmente discutir-se-á a dignidade humana a partir de um viés negativo, isso é, de sua ausência. Para tanto, apresentar-se-á a espontaneidade humana e o aniquilamento da mesma em governos autoritários, que impedem a existência dos espaços de aparecimento humano, isso é, de espaços autenticamente públicos em que a ação e o discurso se apresentam. A seguir, analisar-se-á a usurpação dos direitos humanos de uma parcela da população expulsa da condição de pertença a uma comunidade política. Alerta-se que a discussão acerca dos governos autoritários tem caráter de exemplo, não se pretende aprofundar ou reconstruir historicamente os mesmos. Assim, a partir da reflexão acerca da ausência de dignidade, analisar-se-ão alguns elementos que se mostram peculiares à garantia da dignidade dos homens e mulheres que compõem a comunidade humana, a saber: a singularização, ou seja, a individuação alcançada pelo discurso no espaço humano de aparecimento, espaço em que se privilegia a pluralidade de opiniões e a ação; e, a amizade cultivada pelo diálogo e garantidora da qualidade do que é humano.

 

Plavras-Chave: Condição humana; Hannah Arendt; Dignidade Humana; Amizade.

Publicado
2013-01-01
Edição
Seção
Dossiê Hannah Arendt