Natureza e política: Pierre Aubenque e Fred Miller sobre Aristóteles

  • Odílio Alves Aguiar

Resumo

O artigo problematiza o conceito de natureza, em Aristóteles, a partir das interpretações propostas por Pierre Aubenque e Fred Miller, especialmente, nas obras O conceito de prudência em Aristóteles (1963) e Nature, Justice, and Rights in Aristotle’s Politics (1995). O primeiro intérprete apresenta um conceito de natureza (Phúsis) perpassado por uma “Ontologia da Contingência” e o segundo, perscruta as potências causais da natureza. Da interpretação de P. Aubenque, temos, como implicação, a defesa de um Aristóteles partisan da democracia: sistema de governo enraizado nas práticas deliberativas. Já F. Miller propõe um entendimento de Aristóteles como precursor das modernas teorias dos direitos (Rights).

Palavras-chave: Natureza; Contingência; Causa; Democracia; Direitos.

Biografia do Autor

Odílio Alves Aguiar
Doutor e Professor de Filosofia – ICA/UFC.
Publicado
2014-08-13
Edição
Seção
Varia