A imagem do filósofo no Eutidemo de Platão

  • José André Ribeiro Instituto Federal da Bahia

Resumo

Há no contexto narrativo do Eutidemo a ausência de uma separação rígida entre erística e filosofia. O diálogo se encerra em uma aporia que encena certa desventura dos dois amigos Sócrates e Críton diante da inabilidade de demarcar uma fronteira em que a filosofia seja determinante para a educação dos jovens, em detrimento da erística. Apesar da constante insistência de Sócrates, em sua narrativa, para delimitar a necessidade de exortar os jovens ao amor à sabedoria, uma confusão metodológica ainda não permite estabelecer uma separação entre erística e filosofia, de um modo que ambas ainda parecem ser a mesma atividade. Nesse sentido, somente através de uma distinção de comportamento entre sofista e filósofo é que a narrativa pode se encaminhar para essa separação. Diante disso, o objetivo deste trabalho é mostrar como a narrativa de Sócrates, no Eutidemo, constitui uma tentativa de construir uma imagem do filósofo como diferente do sofista, para poder demarcar essa separação entre erística e filosofia.

Palavras-chave: Filosofia; erisitica; sofista; sócrates.

Publicado
2014-07-01
Edição
Seção
Dossiê Filosofia Antiga