Mania e epithymia em Platão: um estudo do Fedro e Banquete

  • Adail Pereira Carvalho Junior Universidade Estadual do Piauí

Resumo

Platão, no diálogo Fedro, apresenta Eros no papel de uma força irracional que possui ligação com a manía (delírio), cujas diversas formas, de acordo com o segundo discurso de Socrátes, não são todas negativas. No Banquete, Eros assume, de forma particular, uma dimensão constitutiva como epithymia (Desejo). Com efeito, a noção de Eros tanto como forma positiva de manía, quanto de epithymia tem um lugar de destaque na filosofia de Platão, pois adquire o papel de motor essencial da vida humana, incluindo- se aí a própria atividade filosófica.

Palavras-chave: Eros; mania; epithymia; Platão.

Publicado
2014-07-01
Edição
Seção
Dossiê Filosofia Antiga