A relação binominal virtù-fortuna no pensamento ético e político de Maquiavel

  • Jorge D. M. Mateus

Resumo

O presente estudo representa um esforço no sentido de aprofundar e evidenciar a relação binomial virtù-fortuna e o papel fundamental que ela representa no pensamento de Maquiavel acerca da ordenação da sociedade através da ação do príncipe. De um lado a fortuna, imediatamente ligada à providência divina e à mitologia pagã, não representando simplesmente o acaso ou a mera sorte, por outro lado, a virtù, o conjunto de capacidades do príncipe, os meios e a excelência que o fazem atuar devidamente em todas as ocasiões. A relação entre fortuna e virtù não se pode encarar como artificial ou simples resultado arbitrário da mudança dos tempos. Ao introduzir uma conceção cíclica da História, Maquiavel evidencia a importância capital dos eventos na prossecução de certos fins, pelo que, necessariamente, de todas as decisões resultam causas necessárias, desejadas ou não. Cabe ao príncipe engrandecer-se em virtù para compreender como agir no novo ciclo, no seu tempo concreto, considerando escrupulosamente os exemplos do passado, evitando os erros cometidos por outros, superando em excelência os antigos.

Palavras-chave: Maquiavel; Fortuna; Virtù; Príncipe; Estado.
Publicado
2017-02-20
Edição
Seção
Artigos