Thinking about Trust? The primacy of the affective attitude

  • Rodrigo Jungmann de Castro Doutor em Filosofia e Professor da Universidade Federal de Sergipe

Abstract

Algumas recentes abordagens filosóficas da confiança – dentre as quais se destaca a de Russell Hardin – vêem na confiança uma propensão de base cognitiva fundada em crenças racionais quanto à extensão em que estamos convencidos de que nossos interesses são contemplados pelos interesses daqueles com quem interagimos. Neste artigo, apresentamos as vantagens de uma visão rival, a saber a de que a confiança é primariamente uma atitude afetiva. Sustentamos que a mencionada abordagem lida melhor com a evidência disponível nos planos formativos, fenomenológicos e comportamentais. Além disso, sustentamos que as manifestações mais intelectuais do ato de confiar podem ser vistas como dependentes e derivadas de sua dimensão afetiva.

References

BAIER, Annette. Trust and Anti-trust. Ethics, v. 96, 1986, pp. 231-60.

HARDIN, Russell. Trust and Trustworthiness. Russell Sage Foundation Publications: Ithaca, 2004.

PETTIT, Philip. The Cunning of Trust. Philosophy and Public Affairs, v. 24, 1995, pp. 202-225.

Published
2011-07-01
Issue
Section
Artigos