O agir comunicativo e a gramática do sujeito pronominal: o reconhecimento intersubjetivo equitativo

  • Jovino Pizzi
  • Delamar José Volpato Dutra

Resumo

A teoria do agir comunicativo supõe o reconhecimento de todos os concernidos. Na relação intersubjetiva, esse reconhecimento admite os demais como sujeitos coau- tores. O emprego dos pronomes pessoais é fundamental. A gramática do sujeito pronominal requer uma equidade entre todos os sujeitos atores, na voz ativa. Às vezes, o uso do pronome pessoal na terceira pessoa pode indicar um sujeito inde- sejável ou antissocial, aspecto que elimina a equidade entre todos os pronomes pessoais. Este artigo pretende reforçar o reconhecimento intersubjetivo entre su- jeitos coautores, aspecto presente na obra de Habermas, principalmente quando se trata da teoria do agir comunicativo. Ao insistir na comunidade de comunicação, a consideração dos sujeitos pronominais não pode adjetivar qualquer pronome ao ninguém. A questão central é o reconhecimento intersubjetivo dos sujeitos em uma comunidade de comunicação, superando, assim, o aspecto monológico da filosofia da consciência ou a artificialidade de uma comunicação sem sujeitos.

Palavras-chave: Agir comunicativo. Gramática pronominal. Sujeito coautor.

Referências

AUSTIN, J. L. Quando dizer é fazer. Palavras e ação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990. CARR, N. ¿Qué está haciendo internet con nuestras mentes? Superficiales. México:

Taurus, 2011.

DEMENCHONOK, E. “Forewoerd”. In:______. Intercultural Dialogue. Search of Harmony in Diversity. Newcastle: Cambridge Scholars Publishing, 2014, p. IX-XV.

DOMINGUE, I. O grau zero do conhecimento: o problema da fundamentação das ciências humanas. São Paulo: Loyola, 1991.

FERRY, J.-Marc. Les puissances de l’experience. Tomo I: Le sujet et le verbe. Paris: Les Étitions du Cerf, 1991.

______. Les grammaires de l’intelligence. Paris: Les Étitions du Cerf, 2004.

FORST, Rainer. Justificación y Crítica. Perspectivas de una teoría crítica de la

política. 1 reimp., Buenos Aires: Katz Editores, 2015.

HABERMAS, J. Conhecimento e interesse. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

______. Teoria do agir comunicativo. São Paulo: Martins Fontes, 2012 (Volumes I e II).

HABERMAS, J. Escritos sobre moralidad y eticidad. Barcelona: Buenos Aires; México: Paidós, 1991.

______. Ciencia y técnica como “ideologia”. 7 ed. Madrid: Teconos, 1997. ______. Textos y contextos. Barcelona: Ariel, 2001.

MEAD, G. H. Espíritu, persona y sociedad. Barcelona: Buenos Aires; México: Paidós, 1999.

ONIDA, P. P. Macellazione rituale e statuso giuridico dell’anilale non umano. Revista Lares, Firenze, ano 74, n. 1, jan-abr., 2008, p. 147-177.

PIZZI, J. Las bases de la interculturalidad desde el Oikos-Cosmos-Logos. In: ROCCHIETTI, A. M; ZAVALA, G. P.; PIZZI, J. Las bases histórico-políticas de la inter- culturalidad. Buenos Aires: Centro de Investigaciones Precolobinas, 2011, p. 25-34.

RICOEUR, P. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora da UNICAMP, 2007.

RORTY, R. Contingência, ironia e solidariedade. Lisboa: Editora Presença, 1992.

TAYLOR, F. W. Princípios da administração científica. 8 ed. São Paulo: Atlas, 1990.

WITTGENSTEIN, L. Conferencia sobre ética. 3a reimp. Barcelona; Buenos Aires; México: Paidós, 1997.

Publicado
2018-04-30
Edição
Seção
Dossiê Ética e Cidadania