Luc Ferry e Gianni Vattimo: duas perspectivas filosóficas sobre o fenômeno religioso na contemporaneidade

  • Antonio Gladenir Brasil Maia
  • Marcos Fábio Alexandre Nicolau
  • Renato Almeida de Oliveira

Resumo

O artigo discute o fenômeno religioso em seu sentido difuso na sociedade con- temporânea, levando-se em conta elementos socioculturais, históricos e, acima de tudo, filosóficos. Tal fenômeno vem interpretado ante ao paradoxo da sociedade secularizada e a presença constante da religião para além da esfera privada. Os intérpretes aqui elencados na discussão são pertencentes a tradição continental: Luc Ferry e Gianni Vattimo. O primeiro destaca-se a ideia de uma ‘transcendência na imanência’ que se vincula a proposta de um ‘humanismo secular’. No segundo, a leitura propositiva do fenômeno religioso implica a crítica dos dogmas institu- cionais em favor da historicidade da condição humana e a prática da caridade.

Palavras-chave: Fenômeno religioso. Secularização. Religião.

Biografia do Autor

Antonio Gladenir Brasil Maia

Pós-Doutor em Filosofia (UFC); Doutor em Filosofia (UFPB-UFPE-UFPRN); Professor do Curso de Filosofia da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA); Professor do Mestrado Acadêmico em Filosofia da Universidade Estadual do Ceará (UECE); Professor do Mestrado Profissional em Filosofia da Universidade Federal do Ceará (UFC); Membro do Grupo de Pesquisa Filosofia da Religião (Gephir/CNPq); Coordenador do Gt Ética e Cidadania/ANPOF; Bolsista BPI/FUNCAP.

Marcos Fábio Alexandre Nicolau

Doutor em Educação (UFC); Doutorando em Filosofia (Dinter PUC-Rio/UVA); Professor do Curso de Filosofia da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA); Professor do Mestrado Profissional em Filosofia da Universidade Federal do Ceará (UFC); Membro do Grupo de Pesquisa Filosofia da Religião (Gephir/CNPq); Membro Gt Ética e Cidadania/ANPOF; Bolsista BPI/FUNCAP.

Renato Almeida de Oliveira

Doutor em Filosofia (UFC); Professor do Curso de Filosofia da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA); Professor colaborador do Mestrado Profissional em Filosofia da Universidade Federal do Ceará (UFC); Membro do Grupo de Pesquisa Filosofia da Religião (Gephir/CNPq); Membro Gt Ética e Cidadania/ANPOF.

Referências

CRESPI, F. A Experiência religiosa na pós-modernidade. São Paulo: EDUSC, 1999. FERRY, Luc; GAUCHET, Marcel. Depois da Religião: o que será do homem depois

que a religião deixar de ditar a lei? Rio de Janeiro: DIFEL, 2008.

MAC DOWELL, J. A. A. Que futuro para o cristianismo? Interações, v. 5, n.7, 2010.

MAIA, A. G.B.; PAULINO, G. Filosofia, religião e secularização. Porto Alegre: Editora Fi/Edições UVA, 2015.

OLIVEIRA, Manfredo A de. A religião na sociedade urbana e pluralista. São Paulo: Paulus, 2013. (Coleção Temas de Atualidade).

VATTIMO, Gianni. Depois da cristandade. Rio de Janeiro: Record, 2004.

______; O fim da modernidade: hermenêutica e niilismo na cultura pós-moderna.

São Paulo: Martins Fontes, 1996.

______; DERRIDA, J. A religião: o seminário de Capri. São Paulo: Estação Liberdade, 2000.

______; Non essere Dio – un’autobiografia a quattro mani. Torino: Aliberti edi- tore, 2006c.

______; GIRARD, Renê. Veritá o fede debole? Dialogo su cristianesimo e relativismo. Pisa: Transeuropa, 2006b.

______; Acreditar em Acreditar. Trad. Elsa Castro Neves. Lisboa: Relógio D’Água editores, 1998.

______; ANTISERI, Dário. Ragione filosofica e fede religiosa nell’era postmoderna. Soveria Mannelli: Rubbettino Editore, 2008.

______; D’ARCAIS, Paolo Flores; ONFRAY, Michel. Atei o credenti? Filosofia, poli- tica, etica, scienza. Roma: Fazi editore, 2007.

Publicado
2018-04-30
Edição
Seção
Dossiê Ética e Cidadania