Apologia da ordem e divisão do trabalho em Adam Smith e Émile Durkheim

  • Anderson Alves Esteves

Resumo

O artigo expõe os argumentos de Adam Smith e Émile Durkheim acerca da apologia da ordem social e da subjacência deles na naturalização da divisão do trabalho. Em Adam Smith, negociar, trocar e persuadir pertencem à natureza humana e formam a divisão do trabalho, a especialização das tarefas e a exploração do amor-próprio de outrem para alcançar o que se deseja, ao mesmo tempo, alcança-se progresso natural e abundância geral a ser distribuída entre os membros da sociedade; assim, o egoísmo da atividade econômica pode ser pensado como altruísta. Por sua vez, Émile Durkheim pensa a divisão do trabalho como pertencente à lei da natureza e com uma função moral a cumprir, a saber, ao tornar as pessoas dessemelhantes em virtude da especificidade das atividades que desempenham, empreende a interde- pendência e viceja um tipo de solidariedade social peculiar, a solidariedade orgâ- nica, garantidora da coesão social. Para o primeiro Autor, a “mão invisível” da oferta e da demanda basta para a autorregulação societária; para o segundo, o Estado não pode se furtar ao papel de “cérebro” da sociedade para regular problemas [anomia] ainda não resolvidos pela falta de sedimentação completa da solidariedade orgâ- nica. Para ambos, a divisão do trabalho cumpre o papel civilizatório de potencializar e distribuir riquezas e vínculos societários solidários; assim, efetiva-se apologia da ordem com discursos fundamentados na ideia de natureza humana e em duas das novas ciências modernas, a Economia Política e a Sociologia.

Palavras-chave: Divisão do trabalho. Ordem social. Adam Smith. Émile Durkheim.

Biografia do Autor

Anderson Alves Esteves

Doutor em Filosofia pela PUC/SP e professor do Instituto Federal São Paulo [IFSP].

Referências

ARON, R. As etapas do pensamento sociológico. 4. ed. Trad. Sergio Bath, São Paulo: Martins Fontes, 1993.

CUIN, C.H.; GRESIE, F. História da Sociologia. Trad. Roberto Leal Ferreira, São Paulo: Ensaio, 1994.

CUNHA, F. S.; TORRES JUNIOR, R. D. O diálogo dos clássicos: divisão do trabalho e modernidade na Sociologia. Belo Horizonte: C/Arte, 2004.

DURKHEIM, É. Da divisão do trabalho social. 4. ed. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

_____. O suicídio: estudo de Sociologia. 2. ed. Trad. Monica Stahel, São Paulo: Martins Fontes, 2011.

_____. As formas elementares da vida religiosa: o sistema totêmico na Austrália. Trad. Paulo Neves. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

_____. Sociologia e Filosofia. Trad. E. Tesche. São Paulo: Edipro, 2015a.

_____. Lições de Sociologia: Física dos costumes e do direito. Trad. Cláudia

Schilling. São Paulo: Edipro, 2015b.

_____. Educação e Sociologia. 4. ed. Trad. Lourenço Filho. São Paulo: Melhoramentos, 1955.

_____. A educação moral. 2. ed. Trad. Raquel Weiss. Petrópoles: Vozes, 2012. _____. Os pensadores. Trad. Carlos Alberto Ribeiro de Moura, Luz Cary, Margarida

Garrido Esteves e J. Vasconcelos Esteves. São Paulo: Abril Cultural, 1978. _____. Sociologia. Trad. Laura Natal Rodrigues. São Paulo: Ática, 1998.

DURKHEIM, É.; WEBER, M. Socialismo. Trad. Ângela Ramalho e Antonia Bandeira. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1993.

KAUCHAKJE, S.; MATTAR, S. M. “Durkheim: a sociedade constitui o homem pro- priamente humano” In: SGANZERLA, A.; VALVERDE, A. J. R.; FALABRETTI, E. [Orgs.]. Natureza humana em movimento: ensaios de antropologia filosófica. São Paulo: Paulus, 2012.

MILLS, C. W. A nova classe média [White colors]. Trad. Vera Borba. Rio de Janeiro: Zahar Editor, 1969.

MUSSE, R. Émile Durkheim: fato social e divisão do trabalho. São Paulo: Ática, 2007. NAPOLEONI, C. Smith, Ricardo, Marx. 6. ed. Trad. José Fernandes Dias. Rio de

Janeiro: Graal, 1988.

SMITH, A. Teoria dos sentimentos morais ou ensaio para uma análise dos prin- cípios pelos quais os homens naturalmente julgam a conduta e o caráter, pri- meiro de seus próximos, depois de si mesmos. Trad. Lya Luft. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

_____. A riqueza das nações – investigação sobre sua natureza e suas causas. Trad. Luiz João Baraúna. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

______. “Investigação sobre a natureza e as causas da riqueza das nações” In: SMITH, A.; RICARDO, D. Os pensadores. Trad. Conceição Jardim Maria do Carmo Cary e Eduardo Lúcio Nogueira. São Paulo: abril, 1974.

______. “Do baixo valor das mercadorias, isto é, da abundância” In: NAPOLEONI, C. Smith, Ricardo, Marx. 6. ed. Trad. José Fernandes Dias. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

Publicado
2018-04-30
Edição
Seção
Varia