A dimensão histórica e social da ciência em Popper

  • Elizabeth Assis Dias

Resumo

O objetivo do presente trabalho é mostrar que a teoria da ciência de Popper, apre- sentada inicialmente em sua obra A Lógica da pesquisa cientifica, na qual a ên- fase era dada aos aspectos lógicos, foi complementada, em obras posteriores, por uma abordagem que dá ênfase aos aspectos históricos e sociais. Essa nova abor- dagem se delineia quando o filósofo elabora uma teoria racional da tradição e uma teoria institucional da objetividade e do progresso cientifico. Deste modo, a ciência passa a ser definida não apenas por meio de um critério lógico, mas também, por seguir uma tradição, de não apenas receber as teorias produzidas, mas de criticá-las e por depender de instituições que fomentem o debate e a cri- tica de teorias de modo a garantir a objetividade e o progresso cientifico.

Palavras-chave: Ciência. Tradição. Instituições. Objetividade. Progresso cientifico.

Biografia do Autor

Elizabeth Assis Dias

Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Pará (1979), Mestrado em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1989) e Doutorado em Filosofia pela Universidade Estadual de Campinas (2000). Atualmente é professora titular da UFPA.

Referências

CAPONI, G.A. “De Viena a Edimburgo: Karl Popper e os dois programas da sociologia do conhecimento”. Revista Reflexão, São Paulo, n. 64-65, jan.-ago. p. 77- 106, 1996. Disponível em: http://www.scientiaestudia.org.br/associac/gustavo caponi/07%20CAPONI%201996%20De%20Viena%20a%20Edimburgo%20%20 Popper%20e%20a%20Sociologia%20do%20Conhecimento.pdf

JARVIE, I. C. The republic of science: the emergence of Popper’s social view of science 1935–1945. Series in the Philosophy of Science of Karl R. Popper and Critical Rationalism. Amsterdam: Rodopi, 2001.

______.“Popper’s Republic of science”. Disponível em: http://fs1.law.keio.ac. jp/~popper/v7n1jarvie.html

KUHN, T. S. A tensão essencial. Lisboa: Edições 70, 1989.

______. “Lógica da descoberta ou psicologia da pesquisa?”. In: LAKATOS, I. et MUSGRAVE, A. A crítica e o desenvolvimento do conhecimento. São Paulo: Ed. Cultrix, 1979.

POPPER, K. R. A lógica da pesquisa científica. São Paulo: Ed. Cultrix, 1972. ______. Conhecimento objetivo. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia; São Paulo: Ed. da

Universidade de São Paulo, 1975.

______. Lógica das ciências sociais. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1978.

______ . Conjecturas e refutações. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1982.

______. O Realismo e o objetivo da ciência. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1987.

______. O mito do contexto: em defesa da ciência e da racionalidade. Lisboa: Ed. 70, 1999.

RANSANZ, A.R. P. Kuhn y el cambio cientifico. México: Fondo de Cultura Económica, 1999.

VELASCO, A. “La hermeneutización de la filosofia de la ciência contemporânea”. In: ______. Dianóia. v. XLI, Universidad Nacional Autônoma de México/Fondo de Cultura Econômica, 1995, p. 53-64.

______. “Universalismo y relativismo em los sentidos filosóficos de tradição”. In: Dianoia. Anuario de Filosofia. Año XLIII, núm. 43. México: Instituto de Investigaciones Filosóficas - UNAM/ Fondo de Cultura Económica, 1997. p. 125-145.

______. “Hacia uma filosofia social de la ciência em Karl R. Popper”. ______. Signos Filosóficos, suplemento n. 11, v. IV, 2004, p. 71-84.

Publicado
2018-04-30
Edição
Seção
Varia