O enigma da visão: as possibilidades do corpo na fenomenologia de Merleau-Ponty

  • Solange Aparecida de Campos Costa Doutora em Filosofia e professora da UESPI.

Resumo

Este trabalho examina a questão do olhar na obra de arte a partir da ontologia. Investiga, a princípio, os pressupostos que, desde Platão, tornaram a imagem (eidos) um elemento filosófico por excelência. A abordagem se separa da filosofia platônica e da noção de olhar como epistême e leva a discussão para o âmbito da fenomenologia de Merleau-Ponty, que pensa e compreende a realidade pelo olhar num duplo significado, que vê a si mesmo e também é visto por ele. A obra de arte, nesse âmbito, não é apenas um objeto que revela algo a ser contemplado, mas entrevê e cria o próprio mundo no qual o homem ganha o sentido. O texto segue o fio condutor da ontologia da obra de arte, enquanto encaminha o pensar para a busca do lugar e da importância da arte, que se revela originariamente como habitação poética do próprio homem. O olhar na arte não apenas descortina algo, mas na própria ação de ver, funda o mundo poético para o homem. A visão tem, nesse processo, um papel fundamental porque transfigura sob novos as- pectos o mundo a nossa volta e permite que o homem passe também a ser enten- dido de outro modo a partir disso. A questão do olhar não se restringe às limita- ções do corpo, mas ao contrário, dota o próprio corpo de uma possibilidade renovada de ver que, ao mesmo tempo, afirma e transpõe a limitação do sensível. Para tematizar essas questões o artigo se divide em três tópicos: o primeiro trata brevemente da importância do olhar na mitologia grega; o segundo, expõe a con- cepção clássica do olhar na filosofia e o terceiro, discute a possibilidade de um olhar fenomenológico evocado pela arte.

Palavras-chave: Merleau-Ponty. Olhar. Fenomenologia. Estética. Obra de arte.

Biografia do Autor

Solange Aparecida de Campos Costa, Doutora em Filosofia e professora da UESPI.

Doutora em Filosofia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Professora Adjunta do Curso de Filosofia da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) e membro permanente do Curso de Pós-graduação em Filosofia da Universidade Federal do Piauí. (PPGFIL-UFPI).

Referências

BLANCHOT, M. O Espaço Literário. Trad. Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Rocco, 2011.

DIDI-HUBERMAN, G. O que vemos, o que nos olha. São Paulo: Ed. 34, 1998.

GADAMER, H.G. Para introdução. In: MOOSBURGER, Laura de Borba. “A origem da obra de arte” de Martin Heidegger. Tradução, comentários e notas. 2007. 158f. Dissertação. (Mestrado em Filosofia) – Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Curitiba.

HAAR, M.. A obra de arte: ensaio sobre a ontologia das obras. Trad. Maria Helena Kühner. Rio de Janeiro: Difel, 2000.

LOCKE, J. Segundo tratado sobre o governo. Tradução E. Jacy Monteiro. São Paulo: Abril Cultural, 1973. (Coleção Os Pensadores).

MERLEAU-PONTY, M. A dúvida de Cézanne. Tradução Paulo Neves e Maria Ermentina Galvão Gomes Pereira. São Paulo: Cosac Naify Portátil, 2013a.

______. O olho e o espírito. Tradução Paulo Neves e Maria Ermentina Galvão Gomes Pereira. São Paulo: Cosac Naify Portátil, 2013b

PLATÃO. Fédon. Tradução Jorge Peleikat e João Cruz Costa. São Paulo: Abril cul- tural, 1972. (Coleção Os Pensadores).

PLATÃO. Teeteto. Tradução Carlos Alberto Nunes. Belém: EDUFPA, 2001. RANCIERE, J. O inconsciente estético. Tradução de Mônica Castro Netto. São Paulo:

Editora 34, 2009.

Publicado
2019-04-22
Edição
Seção
Artigos