Questões de gênero na arena da educação e as pautas de torsão e refutação

  • Dorgival Gonçalves Fernandes Pós-doutor pela USP e professor pela UFCG.

Resumo

O presente artigo objetiva pensar as questões de gênero no campo da educação brasileira, compreendida como arena onde são disputadas duas perspectivas sobre gênero. Na primeira entende-se o gênero como torção, pois este é pensado em contraposição à noção instituída historicamente, colocado como problema para o pensamento e apreendido como possibilidade forjada na cultura e nas re- lações de saber-poder. A segunda se refere à questão de gênero como refutação à torção, nega-o como artefato da cultura e assenta-o como dimensão biológica e naturalista na composição do sexo e da sexualidade na qual sexo biológico, sexu- alidade e gênero coincidem. Nesta perspectiva as questões de gênero são tomadas como uma ideologia, e enquanto tal, deve ser negada, silenciada, refutada. As duas perspectivas, no tempo presente brasileiro, instituem um cenário de debates e disputas acerca de processos de constituição do sujeito estudante e do governo das suas condutas sexuais, sociais e políticas. As reflexões sobre tais questões são fundamentadas teoricamente no pensamento de Michel Foucault e Judith Butler, com ancoragem nas noções “constituição do sujeito”, “governamentali- dade”, “discurso” e “performatividade”.

Palavras-chave: Gênero. Educação. Escola. Formação humana. Disputas.

Biografia do Autor

Dorgival Gonçalves Fernandes, Pós-doutor pela USP e professor pela UFCG.

Professor de Filosofia da Educação na Universidade Federal de Campina Grande - campus de Cajazeiras. Pós-Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo.

Referências

BÁRBARA, Isabel S. M. S; CUNHA, Fabiana L. da; BICALHO, Pedro P. G. de. Escola sem Partido: visibilizando racionalidades, analisando governamentalidade. In: FRIGOTTO, Gaudêncio (Org.). ESCOLA “sem” PARTIDO: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2017. p. 105-120.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

______. Judith Butler escreve sobre sua teoria de gênero e o ataque sofrido no Brasil. Jornal Folha de São Paulo. São Paulo, 21 nov. 2017. Ilustríssima. Online. Disponível em https://www1.folha.uol.com.br. Acesso em 22 nov. 2017.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: pluralidade cultural, orientação sexual. V. 10. Brasília: MEC/SEF, 1997.

______. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n. 9394/96. Brasília: MEC, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano Nacional de Educação PNE 2001-2011. Brasília: Inep, 2001.

______. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Plano Nacional de Educação PNE 2014-2024: Linha de Base. Brasília: Inep, 2015.

CÉSAR, Maria R. de A. Sexualidade e gênero: ensaios educacionais contemporâ- neos. Instrumento: Rev. Est. Pesq. Educ., Juiz de Fora, v. 12, n. 2, jul./dez. 2010.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: A vontade de saber. Tradução de Maria T. da C. Albuquerque e J. A. Ghilhon Albuquerque. 21a reimpressão. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

______. O Governo de Si e dos Outros. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

______. A Arqueologia do Saber. 8. ed. 2a tiragem. Tradução de Luiz F. Baeta. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2013.

FURLAN, Jimena. Existe “Ideologia de gênero”? Jornal Publica: Agência de Jornalismo Investigativo. São Paulo, 30 ago. 2016. Disponível em: <https://apublica. org> Acesso em: 21 nov. 2017.

LOURO, Guacira Lopes. O currículo e as diferenças sexuais e de gênero. In: COSTA, Marisa Vorraber (Orga.). O currículo nos limiares do contemporâneo. 3. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2003, p. 85-92.

MACHADO, Roberto. Impressões de Michel Foucault. São Paulo: n.1 edições, 2017.

MEL, Cristina. Fim dos tempos: Igreja Anglicana se posiciona a favor da ideologia de gênero. Folha Gospel online, 15 nov. 2017. Disponível em: Acesso em: 21 nov. 2017.

MISKOLCI, Richard; CAMPANA, Maximiliano. “Ideologia de gênero”: notas para a genealogia de um pânico moral contemporâneo. Revista Sociedade e Estado, v. 32, n. 3, set/dez 2017.

VEIGA-NETO, Alfredo. Foucault & a Educação. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

Publicado
2019-04-22
Edição
Seção
Artigos