A violência sutil e rarefeita do corpo saudável

  • Fabiana Ribeiro Monteiro Doutora pela PUCSP e professora da UFPI.

Resumo

Servindo à uma espécie de captura colonizadora bem como ao investimento na propriedade individual neoliberalista, o corpo se atualiza nos aspectos históricos, econômicos, culturais, linguísticos, dentre outros, que se (re) produzem em modos de vida. Tal exercício transcendental de organização é desenvolvido por meio de um processo áspero de constituição de um eu rentável, acumulador de informa- ções e apto a fazer escolhas. Contudo, como dar um passo num impasse, o gesto que se forma, exige uma presença significativa de um corpo para nos deslocar, pois uma experiência do saber, frequentemente, afronta uma dimensão de expe- rimentação no mundo que não pode ser reduzida.

Palavras-chaves: Estilo de vida. Consumo. Corpo. Indivíduo. Violência.

Biografia do Autor

Fabiana Ribeiro Monteiro, Doutora pela PUCSP e professora da UFPI.

Doutora em Psicologia Social (PUCSP). Professora de Psicologia da Universidade Federal do Piauí.

Referências

COSTA, R. Políticas da vida e pedagogia do corpo. In: CARVALHO, Y.M., FRAGA, A.B.& GOMES, I.M. (Orgs.). As práticas corporais no campo da saúde. v. 3. São Paulo: Hucitec Editora, 2016, p.23-41.

DELEUZE, G. Filosofia prática. São Paulo: Escuta, 2002.

DELEUZE, G. ______. & GUATTARI, F. Mil Platôs. Capitalismo e esquizofrenia, v. 4.

São Paulo: Editora 34, p.115-170, 1997.

FOUCAULT, M. História da sexualidade v. 3 - o cuidado de si. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

HERTZ, R. A preeminência da mão direita – estudo sobre a polaridade religiosa. Religião e Sociedade, 6. Rio de Janeiro: Novembro de 1980, p. 99-128.

LARROSA, J. Tremores: escritos sobre experiência. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015. (Coleção Educação: Experiência e sentido).

LAPOUJADE, D. Deleuze: política e informação. Cadernos de Subjetividade. Núcleo de Estudos e Pesquisas da Subjetividade. – PUCSP. ISSN: 0104-1231, 2010, p.160-167.

MAUSS, M. As técnicas corporais. In: MAUSS, M. Sociologia e Antropologia. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Cosac Naify, 2005.

MOL, A. The logic of care: health and the problem if patient choice. London: Routledge, 2008.

MORAIS, M.R.C. Autocuidado e gestão de si: hábitos saudáveis na mídia impressa semanal. Tese (Doutorado). Universidade de São Paulo – Programa de Pós- Graduação em Sociologia, 2014.

SAFATLE, V. O circuito dos afetos corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

SANT’ANNA, D. B. (Org.). Políticas do corpo. 2. ed. São Paulo: Estação Liber- dade, 2005.

______. Corpos de passagem: ensaios sobre a subjetividade contemporânea. São Paulo: Estação Liberdade, 2001.

SPINK, M.J.P. A saúde na encruzilhada entre biopolítica e bioeconomia: reflexões sobre os paradoxos da “era dos direitos” na globalização hegemônica. In: RIBEIRO,

M. A. T. R., BERNARDES, J. de S.& L., CHARLES E. (Orgs.). A produção na diversi- dade: compromissos éticos e políticos em Psicologia. São Paulo: Casa do Psicólogo, p. 55-74. ISBN: 978-85-7396-539-1, 2007.

TEIXEIRA, R.R. Agenciamentos tecnosemiológicos e produção de subjetividade: contribuição para o debate sobre a trans-formação do sujeito na saúde. Ciência e Saúde Coletiva, v. 6, n.1, p. 49-61, 2001.

VICENTIN, M.C.G. Desafios para formação em saúde: algumas notas com base na experiência em saúde mental. In: CARVALHO, Y.M., FRAGA, A.B.& GOMES, I.M. (Orgs.). As práticas corporais no campo da saúde. v. 3., São Paulo: Hucitec Editora, 2016, p. 172-186.

Publicado
2019-04-22
Edição
Seção
Artigos