Esquecimento e memória da vontade: o agonístico na grande política segundo Nietzsche

  • João Batista Farias Junior Doutorando em Filosofia.

Resumo

Desde “O Nascimento da Tragédia” o embate apolíneo-dionisíaco ocupa lugar de grande importância na obra nietzschiana. O Agon é encarado por Nietzsche como a expressão de forças vitais que, em permanente embate, atuam na elaboração do próprio homem. Este trabalho tem por objetivo principal estabelecer algumas notas sobre a presença de um caráter agonístico na obra nietzschiana. Mais espe- cificamente, queremos avaliar como Nietzsche trata do agonístico no que con- cerne à elaboração da Grande Política. Para tal, veremos como o filósofo propõe o reavivamento do embate entre memória e esquecimento em prol da elaboração de um tipo de indivíduo soberano responsável pela possibilidade de superação da pequena política.

Palavras-chave: Esquecimento. Memória. Grande Política. Agonístico. Nietzsche.

Biografia do Autor

João Batista Farias Junior, Doutorando em Filosofia.

Doutorando em Filosofia – UFG. Professor de Filosofia - IFPI.

Referências

ANSELL-PEARSON, Keith. Nietzsche como pensador politico: uma introdução. Rio de Janeiro: Zahar Editor, 1997.

LEMM, Vanessa. Nietzsche’s Animal Philosophy: culture, politics, and the animality of the human being. New York: FUP, 2009.

NIETZSCHE, Friedrich. Genealogia da moral. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

______. Aurora. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

______. Além do bem e do mal. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

______. Humano Demasiado Humano: um livro para espíritos livres. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

______. Humano Demasiado Humano: um livro para espíritos livres. v. II. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

STEGMAIER, Werner. “A transvaloração de Nietzsche como destino da filosofia e da humanidade?” In: JÚNIOR, Ivo da Silva (Org.). Filosofia e Cultura: Festschrift em homenagem a Scarlett Marton. São Paulo: Barcarolla, 2011.

VIESENTEINER, Jorge Luiz. A grande política em Nietzsche. São Paulo: Annablume, 2006.

Publicado
2019-04-22
Edição
Seção
Artigos