Schiller e a tarefa da intelligentsia ilustrada frente a crítica transcendental

  • Ralphe Alves Bezerra Doutor em Filosofia e professor da UVA.

Resumo

Tomando como referência o desafio metodológico enfrentado por Schiller, este ar- tigo discute a opinião de que a Filosofia da Ilustração (idealismo, classicismo e romantismo) representa o esforço da intelligentsia alemã em realizar uma tarefa imposta pela Kritik der reinen Vernunft [1787] de Kant. Nesse sentido, Schiller tenta, contra os limites transcendentais da Kritik der Urteilskraft [1790], encontrar o princípio de objetividade da beleza. Na verdade, com seu projeto estético polí- tico, Schiller, por meio da beleza, pretende promover a síntese entre as forças ra- cionais e sensíveis do ser, pois, somente assim, acredita ele, pode-se efetivar o pleno desenvolvimento antropológico e a verdadeira liberdade política do homem.

Palavras-chave: Schiller. Kant. Ilustração. Estética. Método.

Biografia do Autor

Ralphe Alves Bezerra, Doutor em Filosofia e professor da UVA.
Mestre em Filosofia pela Universidade Federal da Paraíba – UFPB (2000) e Doutor pela Universidade Federal do Ceará – UFC. Prof. Assist. da Universidade Estadual do Vale do Acaraú – UVA. Interesse: antropologia, estética, filosofia moral e metafísica.


Referências

BARBOSA, R. Introdução: Fragmentos de um ‘ateliê filosófico’. In: ______. Fragmentos das Preleções sobre Estética do semestre de inverno de 1792-93. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

BAUMGARTEN, A. G. Estética: da Lógica da Arte e do Poema. Rio de Janeiro: Vozes, 1993.

BAYER, R. História da Estética. Lisboa: Editorial Estampa, 1995.

BEISER, F. Philosophical significance. In: _____. Schiller as Philosopher: A Re-

Examination. New York: Oxford University Press, 2005.

CAEIRO, O. A Poesia do “Sturm und Drang”. In: Oito Séculos de Poesia Alemã. Lisboa: Fundação Caloust Gulbenkian, 1983.

CADETE, M. T. Sobre a educação estética do ser humano numa série de cartas e outros textos. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1994; trad. bras. SCHWARTZ, R. Cartas Sobre a Educação Estética da Humanidade. São Paulo: EPU, 1991; trad. bras. SCHWARTZ, R.; SUSUKI, M. A Educação Estética do Homem. 3. ed. São Paulo: Iluminuras, 1995.

CASSIRER, E. A Filosofia do Iluminismo. 3. ed. São Paulo: Unicamp, 1997.

ESCARDUÇA, C. Ut Pictura Poesis [E-Dicionário de Termos Literários]. 2009. Disponível em: http://edtl.fcsh.unl.pt/encyclopedia/ut-pictura-poesis/. [acesso em: 17/08/2018]

FILHO, R. R. T. Ensaios de Filosofia Ilustrada. 2. ed. São Paulo: Iluminuras, 2004. GOETHE, J. W. v. Memórias: Poesia e Verdade. v. I. Brasília: UNB, 1986.

HARTMANN, N. La filosofia del idealismo alemán. Buenos Aires: Editorial Sudamericana, 1960.

HAUSER, A. História Social da Arte e da Literatura. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

HEGEL, G. W. F. Estética. Lisboa: Guimarães Editores, 1993.

KANT, I. Kritik der Urteilskraft. In: Werke in sechs Bänden. B. 5. Darmstadt: WBG, 2011. Trad. bras. ROHDEN, V.; MARQUES, A. Crítica da Faculdade do Juízo. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

KOHLSCHMIDT, W. Sturm und Drang. In: BOESCH, B. (org.). História da Literatura Alemã. São Paulo: Editora Herder, 1967.

NIETZSCHE, F. O Nascimento da Tragédia no Espírito da Música. São Paulo: Abril Cultural, 1987. (Os Pensadores).

SCHILLER, J. C.F. Über die ästhetische Erziehung des Menschen in einer Reihe von Briefe. In: ______. Sämtliche Werke. v. V. München: Carl Henser Verlag, 2008.

______. Kallias oder über die Schönheit: Briefe an Gottfried Körner. In: ______. Sämtliche Werke. v. V. München: Carl Henser Verlag, 2008. Trad. bras. BARBOSA, R. Kallias ou Sobre a Beleza: A correspondência entre Schiller e Körner, janeiro- -fevereiro de 1793. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 2002.

TAMINIAUX, Jacques. La Nostalgie de la Grece a l’Aube de l’Idealisme Allemand: Kant et les grecs dans l’itinéraire de Schiller, de Hölderlin et de Hegel. Netherlands: Martinus Nijhoff/La Haye,1967.

Publicado
2019-04-22
Edição
Seção
Varia